Continuemos unidos contra o projeto de lei sobre cybercrimes do Senador Azeredo

Em julho do ano passado, divulgamos aqui no MacMagazine um protesto contra um projeto de lei do Senador Eduardo Azeredo que, em poucas palavras, visa a oficializar a criminalização de diversos atos virtuais, porém passa dos limites ao invadir a privacidade dos internautas brasileiros e ao violar a liberdade de uso de tecnologias hoje disponíveis através de uma vigilância constante do uso da internet no país.

Poucos dias depois, o Senador respondeu à blogosfera — que, assim como nós, já havia, em massa, se demonstrado totalmente contra a iniciativa — acerca do seu projeto de lei, porém ainda assim muita coisa ficou sem explicação. Simplesmente não colou, essa tentativa de “nos tranquilizar”, como se tudo o que está escrito no projeto não fosse nos afetar, seja direta ou indiretamente.

Bandeira do Brasil

Agora, o Sergio Amadeu alerta em seu blog que, gozando do seu novo posto de presidente da Comissão de Relações Internacionais do Senado, o Senador Azeredo mais uma vez está forçando a aprovação do seu projeto com todas as suas forças na Câmara. No último dia 5, o deputado Regis de Oliveira (PSC-SP) já conseguiu aprovar um parecer favorável ao projeto na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados.

Não podemos ficar sentados assistindo esse absurdo se concretizar. Encha a caixa do deputado do seu Estado com mensagens contrárias ao projeto de lei e, caso ainda não tenha assinado, participe da petição online sobre o assunto. De julho pra cá o número de pessoas a apoiando subiu bastante, mas pode crescer ainda mais. Faça a sua parte.

[Dica do João Sérgio, obrigado!]

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.