Apple tem grande dificuldade de comercializar iPhones na Argentina, devido ao protecionismo

México e Brasil são dois dos poucos países latino-americanos que já receberam o iPhone 4S, porém mesmo os modelos anteriores estão difíceis de se encontrar na Argentina. O país recebeu recentemente a iTunes Store e depois o iTunes Match, mas com o smartphone da Apple a história é outra.

Ocorre que o governo argentino estabeleceu, em março de 2011, uma série de restrições com relação à importação de smartphones — incluindo o da Apple. Atualmente, estão banidas importações de aparelhos, então na Argentina só é legalizada a comercialização de smartphones produzidos localmente — a Research In Motion (RIM), por exemplo, é uma das que já “deu um jeitinho” firmando parceria com uma montadora argentina.

Estranhamente, no site da Apple ainda são listadas as operadoras Claro, Movistar e Personal como locais onde o iPhone poderia ser encontrado:

iPhone na Argentina

Todavia, acessando o site delas não há qualquer informação sobre a disponibilidade do aparelho — muito menos algo sobre o modelo 4S, que nem sinal de vida deu por lá, ainda. De acordo com o WSJ.com, a Apple vendeu somente 3.000 iPhones na Argentina antes de o bloqueio ser implementado. Em 2010 foram 30.000, cerca do dobro do registrado em 2009.

O curioso da história toda é que o aparelho em si não está oficialmente banido da Argentina, algo que inclusive gerou uma polêmica há alguns meses com uma brincadeira à la “1º de abril” espalhada por um site desconhecido. O governo apenas está indiretamente obrigando que, quem quiser usar o iPhone ou outros modelos não fabricados por lá, arrume outras formas de adquiri-lo — como em viagens para o exterior.

Em nota relacionada, a Apple barrou, recentemente, o uso de cartões de crédito brasileiros na iTunes Store argentina — provavelmente devido ao lançamento de ambas as lojas completas, por lá e por aqui.

[via TNW]

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.