Steve Wozniak afirma que cena divulgada em vídeo do filme “JOBS” nunca aconteceu; e? [atualizado]


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
25/01/2013 às 13:03

Ontem, nós divulgamos aqui no site que o filme JOBS (sim, eles mudaram a grafia original de jOBS) estreará nos Estados Unidos em 19 de abril e veiculamos o primeiro clipe em vídeo da produção.

Para quem não viu, aqui vai de novo — desta vez em versão do YouTube:

De ontem pra hoje houve quem tenha adorado esse teaser, outros que ficaram preocupados com a qualidade da produção, muitos elogios à atuação de Ashton Kutcher e vários criticando a escolha de Josh Gad para o papel de Steve Wozniak.

Mas teve uma pessoa importante que realmente não gostou do que viu: o próprio Woz.

Leitor assíduo do site Gizmodo, ele postou o seguinte comentário por lá (com tradução livre, nossa):

Nem perto… nós nunca tivemos tais interações e responsabilidades… Eu nem sei aonde isso quer chegar… As personalidades estão bem erradas, embora a minha esteja próxima… Não esqueçam que minha proposta foi inspirada pelos valores do Homebrew Computer Club junto a ideias do valor de tais máquinas e Steve J. não estava por perto e não participava do clube, então ele era quem estava aprendendo sobre tal impacto social do futuro.

Mais tarde Woz voltou a entrar em contato com o pessoal do Giz por email para explicar melhor a coisa, deixando claro principalmente que a ideia de computadores influenciando a sociedade não teria vindo de Jobs e que o relacionamento entre eles dois era bem diferente do que foi retratado ali.

O problema, caro Woz, é que esse filme não é um documentário. Ele não se propõe a contar a história em seus mínimos detalhes e com intrínseca precisão, trata-se — assim como o clássico Piratas do Vale do Silício (porque eu me recuso a usar a tradução oficial brasileira) — de uma produção ficcional inspirada em fatos reais, simplesmente isso.

A produção da Sony Pictures, roteirizada por Aaron Sorkin, será baseada na biografia autorizada de Steve Jobs escrita por Walter Isaacson. Essa, sim, talvez tenha um pouco mais de compromisso com a verdade, e olhe lá — porque Jobs também não teve a oportunidade de ler/validar a sua história como ela foi interpretada e contada pelo autor.

Como Woz bem colocou em seu email, quem quiser ter uma noção melhor do que aconteceu de verdade pode ler o seu livro iWoz, o qual conta como ele criou o primeiro computador pessoal e muito sobre a fundação da Apple.

Se alguém queria saber sobre quão precisa será a história contada pelo filme, taí — embora eu ainda ache cedo demais para Woz fazer uma avaliação dessas, considerando que só assistimos a um minuto de toda a produção. Ainda assim, acho que não cabe a ele ficar apontando erros e criticando a coisa dessa forma; ou vocês acham, por exemplo, que Mark Zuckerberg apoiou totalmente o roteiro de A Rede Social?

Atualização

Respondendo ao feedback de vocês nos comentários, queria esclarecer o que eu quis dizer no finalzinho do artigo.

É claro que Woz tem todo o direito de falar o que quiser sobre o filme e inclusive de detoná-lo de cabo a rabo, se assim quiser. Não é essa a questão.

Meu comentário diz respeito a uma crítica precipitada baseada em apenas um minuto de todo o filme e ao posicionamento de Woz de querer que JOBS retrate exatamente a coisa como aconteceu. Se fosse essa a vontade dele, que tivesse participado do desenvolvimento da produção como consultor.

Ainda assim, acho também injusto Woz poder se posicionar e sugerir correções para essa ou outras passagens do filme enquanto Jobs não está mais entre nós para fazer o mesmo. Quem garante que Jobs não rebateria alguns dos questionamentos feitos hoje pelo próprio Woz? Lembre-se de que já são quase 40 anos desde essa época…

Repito: isso não é um documentário.

Posts relacionados

Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: