Testes indicam que “novos” MacBooks Pro são 3-5% mais rápidos que os anteriores

Apesar de terem recebido algumas mudanças internas não comentadas pela Apple, a principal novidade recente em MacBooks Pro com tela Retina foi o aumento de 100MHz em seus processadores — e as reduções de preços, é claro.

Mas vale notar que a Apple não simplesmente alterou o clock dos chips. De acordo com o Primate Labs, todos agora são versões mais recentes da linha “Ivy Bridge” da Intel. O MacBook Pro Retina de 15″ de entrada usava antes um Core i7-3615QM de 2,3GHz, agora foi para um Core i7-3635QM de 2,4GHz; já o topo-de-linha tinha um Core i7-3820QM de 2,6GHz, passando para um Core i7-3840QM de 2,7GHz.

Conforme mostra o gráfico a seguir, isso tudo proporcionou um ganho médio de 3-5% em performance para os laptops:

Benchmark dos novos MacBooks Pro

No caso dos modelos de 13″, o pessoal do Primate Labs apurou mais ou menos a mesma coisa usando a sua ferramenta de benchmark (o Geekbench). O modelo de entrada tinha um processador Core i5-3210M de 2,5GHz, passando para um Core i5-3230M de 2,6GHz; já o melhor usava um Core i7-3520M de 2,9GHz, pulando para um Core i7-3540M de 3,0GHz.

Eis o gráfico deles:

Benchmark dos novos MacBooks Pro

A Apple não fez grande alarde justamente pelo que mostram esses números: a diferença não foi estrondosa e pouco deve ser sentida no dia-a-dia. Um pulo mais significativo deverá chegar no próximo upgrade das máquinas, quando os chips já deverão passar para a nova linha “Haswell” da Intel.

Quem quiser pode comparar esses com outros resultados no Geekbench Browser.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.