Reunião de acionistas da Apple: atraso do novo campus, novos produtos, conselho reeleito, Brasil, market share e mais!

Conforme comentamos mais cedo nas redes sociais [Twitter, Facebook e Google+ — não deixe de nos seguir para ficar por dentro do que acontece no mundo Apple], rolou hoje, às 14 horas (pelo horário de Brasília) a reunião anual de acionistas da Apple. Nada de muito impactante foi revelado mas, como sempre, algumas detalhes interessantes foram comentados.

Vamos a eles:

Futuro campus

Campus Apple

Tim Cook (CEO da Apple) revelou que as obras do futuro campus da Apple — aquele, em formato de nave espacial — realmente atrasarão e ficarão prontas apenas em 2016.

Dinheiro em caixa

Muitos estão preocupados com a pilha de dinheiro que a Apple tem em caixa e o que ela fará com ele. Cook afirmou que os executivos estão sempre conversando sobre o que fazer, mas não revelou nenhum plano além disso, o que ainda deixou investidores querendo mais transparência com relação aos planos da empresa.

Eu não sou investidor da Apple, mas se fosse não cobraria algo do tipo. Uma das coisas positivas da empresa é justamente a incerteza de qual será o próximo produto/mercado que ela atacará. Se a Maçã começar a revelar o que planeja fazer com seu dinheiro, estará dando pistas para que outras entendam seus planos, o que com toda certeza poderá atrapalhá-la.

Além disso, Cook disse que a empresa está sempre avaliando a questão de dividendos, recompra de ações e emissão de ações preferenciais.

Propostas negadas

Algumas propostas, como uma que visava oferecer ainda mais opções de ações para executivos da empresa — assim eles ficariam mais alinhados/preocupados com o desempenho da companhia, como os acionistas — foram negadas. No caso desta, os salários e bônus atuais, além de opções/ações que vencem com o tempo, já são suficientes para gerar preocupação e interesse dos executivos, segundo a empresa.

Também foi negada a proposta de criação de um comitê de direitos humanos — a Apple argumenta que seu atual código de conduta é suficiente nessa questão.

Sobre o processo da Greenlight Capital contra a Apple, o qual gerou bastante burburinho, Cook disse que ainda acha isso tudo uma besteira, independentemente da decisão do juiz que forçou a Apple a cancelar votação da proposta que poderia eliminar a emissão de ações preferenciais.

Novas categorias de produtos

Se analisarmos a posição atual da Apple, ela está muito, muito bem. O problema é que alguns (acionistas, analistas e palpiteiros) estão preocupados com o futuro dela, ou seja, a capacidade da companhia de manter o mesmo crescimento atual. Para eles, Cook disse:

Nós não estamos com as nossas cabeças enfiadas na areia. Estamos nessa [pensando] no longo prazo.

Ele afirmou que a Apple está trabalhando em produtos de novas categorias — resta saber se eles lançarão ou não, afinal, pode ter de tudo dentro dos laboratórios da Maçã.

Conselho de administração reeleito

O conselho de administração da Apple foi todo reeleito. Arthur D. Levinson (ex-CEO da Genentech), Bill Campbell (ex-CEO da Intuit Corp.), Tim Cook, Millard Drexler (CEO da J. Crew), Albert Gore Jr. (ex-vice-presidente dos Estados Unidos), Robert A. Iger (CEO da Disney), Andrea Jung (ex-CEO da Avon) e Ronald D. Sugar (CEO da Northrop Grumman) continuam desempenhando seus papéis.

Brasil

iPads de terceira geração com a bandeira do Brasil

Cook mencionou o Brasil na reunião quando o assunto foi crescimento da empresa no mercado de smartphones e tablets. Ele afirmou que a Apple está crescendo rapidamente em países como China e Brasil, onde mais de 50% dos compradores de iPads são primeiros compradores de iProducts — Cook tem convicção de que o “Efeito Halo” fará o seu papel e que esses mesmos consumidores voltarão a adquirir aparelhos da Maçã, seja iPhones ou Macs.

É isso mesmo que vocês leram: Cook afirmou que a Apple está crescendo bem no Brasil. Não precisa nem explicar por que os preços estão lá em cima… :-(

Market share

Falando sobre mercado, Cook pontuou coisas bem interessantes. O executivo disse que o sucesso não quer dizer diretamente vender mais. Para a Apple, cota de mercado só é importante no sentido de obter uma massa crítica necessária para criar um ecossistema poderoso. Isso, como sabemos, a Apple tem. Ele foi além e disse que a empresa poderia rapidamente adotar estratégias para ganhar ainda mais mercado, mas que isso não seria bom para a Apple.

·   ·   ·

Como podemos ver, nada de bombástico foi revelado — e nem existia motivo para isso. Contudo, é sempre bom acompanhar essas reuniões pois elas indicam o caminho, a diretriz da empresa. E como a desconfiança anda pairando Cupertino, é sempre bom ver que Cook está muito coeso em seu raciocínio.

[via Bloomberg, AppleInsider, The Verge]

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.