Há pouco tempo nós noticiamos que a Apple entrou em acordo com o governo italiano para pagar uma multa de R$1,3 bilhão por conta de uma investigação de fraude fiscal. No artigo, falamos que tal acordo poderia abrir um precedente já que outros países também se sentem lesados.

Pois agora a Bloomberg informou que, por conta de uma investigação aberta em 2014 pela Comissão Europeia, a Apple poderá desembolsar US$8 bilhões (atualmente cerca de R$32,2 bilhões) em vez do US$1,1 bilhão (~R$4,4 bilhões) já pagos referentes a impostos retroativos.

Tudo isso gira em torno de uma prática “comum” lá fora, na qual empresas utilizam suas subsidiárias na Irlanda para evitar o pagamento de impostos sobre receitas geradas fora dos Estados Unidos.

A CE afirma que a manobra corporativa da Apple na Irlanda faz com que ela consiga calcular seus lucros usando métodos de contabilidade mais favoráveis (os quais envolvem baixos custos operacionais, uma medida que diminui drasticamente o que a empresa paga para o governo irlandês). Levando em conta que a Apple gera cerca de 55% de sua receita fora dos EUA e que a taxa de imposto europeia (por conta do esquema) é de cerca de 1,8%, a cenário é ótimo para a Maçã. Mas, se a Comissão decidir impor um padrão contábil mais duro, a companhia poderá pagar uma taxa de 12,5% em cima dos US$64,1 bilhões que lucrou entre 2004 e 2012, de acordo com o analista Matt Larson (da Bloomberg Intelligence).

Vale notar que a Apple não é uma exceção quanto à utilização dessa manobra fiscal na Irlanda. Outras empresas como Starbucks, Amazon.com, McDonald’s, etc. também fazem isso e estão passando pelos mesmos questionamentos.

Tim Cook, CEO da Apple, já disse inúmeras vezes — a mais recente numa entrevista para o jornalista Charlie Rose — que o sistema fiscal atual está completamente desatualizado e que precisa ser revisto para a era da economia digital.

O resultado dessa investigação da CE poderá sair em março deste ano.

[via MacNN]

  • Gustavo Jaccottet

    Para recuperar o prejuízo é simples: basta contar com o mercado brasileiro! Aqui ninguém é multado por sonegar, aqui todo mundo consome a preços absurdos, aqui não há incentivo para a aquisição de eletroeletrônicos… e a lista segue.

  • E aqui no máximo as pessoas culpam / se surpreendem com os preços do iPhone. O resto se resume a um simples comentário seguido do pensamento compartilhado “a vida está fácil pra ninguém”.

  • Gaius Baltar

    Eu achava estranho o fato de todos os iTrecos que comprei na Apple Store Online vinham da Irlanda. Agora não acho mais…

  • Volta Jobs!

  • Gabriel Moura

    Aqui tinha incentivo fisca para produtos de até 1500 reais…

  • Gustavo Jaccottet

    O incentivo de R$1.500,00 valia para Smartphones. Para Computadores o incentivo era limitado a devices de preços igual o inferior a R$4.000,00. Já para os tablets não lembro se havia valor limite, pois a lei era confusa nesta parte.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.

O MacMagazine faz parte do grupo iMasters, mantido pelas seguintes empresas: