Review: iPhone SE


Há seis meses a Apple apresentou ao mundo um novo iPhone com tela de 4 polegadas, batizado carinhosamente pela empresa de iPhone SE. Sabemos que muito em breve o “iPhone 7” estará entre nós; por outro lado, o iPhone SE certamente continuará firme e forte como opção de smartphone da Apple.

Sendo um híbrido do iPhone 5s com o 6s, o iPhone “Special Edition” teoricamente não tem nada a mais (que já não conheçamos) para falarmos em um review. Mas é justamente aí que ele pode triunfar, já que esta junção proporciona ao usuário uma opção bastante potente com a carcaça, o design e o tamanho de tela que muitos já conhecem e amam.

Eu utilizei um iPhone SE de 64GB ouro rosa por quase quatro semanas, fazendo um comparativo com o meu iPhone 5s de 32GB cinza espacial. Abaixo você confere o review oficial do MacMagazine do aparelho. 😊

Por fora: de volta ao passado

Nadando contra a maré de todo o mercado que aumenta cada vez mais o tamanho da tela dos smartphones, a Apple lançou esta edição especial com exatamente as mesmas dimensões — e design — do aparelho lançado em 20131, o iPhone 5s. A tela de 4 polegadas (com 1136×640 pixels; 326 pixels por polegada2) faz com que ele seja o único dispositivo à venda no mercado com esse tamanho — ou seja, o único que ainda dá para utilizar com uma mão só, alcançando todos os cantos do aparelho, mesmo se você tem uma mão pequena.

Para não dizer que “nada” mudou por fora, uma cor a mais foi adicionada às que já estavam anteriormente disponíveis (prateada, cinza espacial e dourada), a ouro rosa. Adotada também em outras linhas de produtos da empresa, essa cor ficou muito bonita na carcaça do que seria anteriormente um 5s. Nunca fui muito fã da cor rosa, mas a Apple parece ter acertado nessa junção de tons dourados pois a torna bem elegante e agradável aos olhos.

Deixando o ouro rosa de lado, como distingui-lo do 5s? Além da cor, o indicativo “SE” se encontra na parte traseira do aparelho. Outro detalhe que pode passar despercebido por muitos são os cantos chanfrados foscos, em vez de brilhosos.

O pequeno que pensa grande

Em inglês, o termo escolhido para designar o novo aparelho foi “A big step for small” (algo como “Um grande passo para o pequeno” — o que, convenhamos, não fica tão interessante no nosso idioma). Por isso, admiro quem pensou na localização “O pequeno que pensa grande” pois a frase expressa exatamente o que é este aparelho.

Se existe uma combinação que deu certo foi a tela menor (que exige menos do processador) e as especificações mais robustas presente no irmão maior, o iPhone 6s. O processador A9 de 64 bits e o coprocessador de movimento M9 permitem que o SE passe muuuito à frente do 5s, um smartphone equipado com a dupla A7/M7. A CPU3 é duas vezes mais rápida enquanto a GPU4 é três vezes mais veloz (segundo a Apple). O SE conta ainda com a grande ajuda dos 2GB de RAM — o dobro do iPhone 5s.

iPhone SE review

Deixando de lado os termos técnicos, o que importa para o usuário comum é saber se há realmente uma diferença expressiva ao comparar com aparelhos anteriores. Pois a resposta não poderia ser mais afirmativa. Colocando lado a lado o SE e o 5s, fiz alguns testes para constatar as diferenças.

Na inicialização dos aparelhos, o SE conseguiu cumprir a tarefa em 14 segundos, contra 25 segundos do 5s. São “apenas” 10 segundos de diferença, mas que na prática parecem uma eternidade. Eu também resolvi abrir todos os 55 aplicativos que tinha instalado nos aparelhos, inclusive jogos bem pesados. Sem exceção, o SE se saiu muito melhor em todos eles — sempre com diferenças de 2 a 5 segundos.

Conectividade

As tecnologias sem fio do SE não são tão rápidas quanto as do 6s, porém há um avanço quando comparado com as do 5s. O SE conta, por exemplo, com um chip Wi-Fi padrão 802.11ac, que proporciona uma experiência melhor — contudo, por conta da maior velocidade do próprio aparelho em si, parece que a diferença é ainda maior (comparando com o 5s). A tecnologia de conexão móvel é a 4G LTE, diferente da 4G LTE Advanced presente no 6s. Na prática, no Brasil, isso pouco importa — os meus testes, por exemplo, foram feitos em conexões 3G.

Mesmo com a última geração do Bluetooth, a 4.2, muitos usuários reclamaram de problemas envolvendo a qualidade do áudio do SE ao realizarem chamadas sem fio. Pouco tempo depois, a Apple soltou uma atualização para corrigir o problema. Portanto, precisei testar e “ver para crer”.

Com o sistema devidamente atualizado, eu fiz ligações utilizando uma caixa de som da JBL GO e o carro Hyundai HB20, tanto com o iPhone SE quanto com o 5s. A verdade é que não notei nenhuma distorção ou qualquer outro tipo de problema. Ainda assim, alguns usuários parecem continuar enfrentando dificuldades com isso.

iOS

O iOS 9.3 foi lançado no mesmo evento do iPhone SE. Apesar de não vir com expressivas mudanças, ele traz algumas boas melhorias. Por exemplo, a adição do recurso Night Shift, que torna a tela mais quente/amarelada para que a leitura no aparelho fique mais confortável aos olhos em ambientes escuros/à noite. Agora também é possível proteger as notas com senha ou com o Touch ID e sincronizar os títulos/PDFs do iBooks pelo iCloud. A lista completa de melhorias você pode ver aqui. No momento em que fiz este review, o iOS está na versão 9.3.5 e funcionando perfeitamente, sem travamentos ou erros.

Bateria

Opa, bateria! Quem é que não torce por uma bateria melhor a cada novo iPhone? Apesar de todo ano ser anunciado que a bateria melhora, muitas vezes isso sequer é perceptível ao usuário. Mas, testando o SE, pude constatar que o que noticiamos é realmente verdade.

iPhone SE desmontado pela iFixit

A capacidade da bateria do SE fica entre a do 5s (1.560mAh) e a do 6s (1.715mAh), oferecendo 1.624mAh. Apesar desse número, a tela menor ajuda a consumir menos energia, fazendo com que a bateria seja melhor que a do 6s.

No teste, deixei os dois aparelhos (SE e 5s) com a tela ligada ininterruptamente e com os seguintes ajustes: brilho no máximo, dados móveis ligados (3G) e um jogo que “sugasse” a bateria. O resultado? Uma hora a mais de autonomia (enquanto o SE aguentou 6 horas, o 5s desligou com 5 horas). Obviamente esse tempo varia dependendo dos ajustes (por exemplo, se você deixar o 4G ligado). De qualquer maneira, o teste feito por mim envolve uma situação não tão típica assim (uso contínuo, com a CPU/GPU sendo bastante exigida). É claro que, ao utilizar o aparelho de forma normal (mesmo com o 4G ligado), a duração da bateria será bem melhor. E, comparando com muitos outros smartphones do mercado, isso é um ótimo feito.

Novos recursos

Há ainda alguns recursos que chegaram junto ao iPhone 6 no ano retrasado e que, felizmente, também estão presentes no iPhone SE. Um deles é o chip NFC5, que permite a utilização do famigerado Apple Pay — isso, é claro, se você estiver em um dos países onde o recurso já está disponível (infelizmente não é o caso do Brasil).

Recurso "E aí Siri" no iPhone SE

Outra função que está disponível para o usurário do SE é a possibilidade de chamar a assistente virtual falando “E aí Siri” (“Hey Siri”) sem que ele esteja ligado à energia elétrica. Eu, que não usava muito a Siri, fiquei brincando com isso por horas; mal posso esperar para que ela se torne mais “inteligente” e comece a conversar (é realmente chato falar “E aí Siri” a cada dois segundos).

Câmeras

O pequeno elegante chegou com uma câmera iSight (traseira) de 12 megapixels, assim como a do 6s. Esse foi realmente um salto grande se compararmos com os “meros” 8 megapixels do 5s. Infelizmente, o SE passou longe de ter a estabilização óptica que está presente no iPhone 6s Plus. O flash True Tone permanece, assim como a abertura de f/2.2.

Foto tirada com o iPhone 5s à esquerda; iPhone SE à direita

Você pode ver as diferenças em cores, brilho e saturação no comparativo acima.

iPhone SE review

Já na câmera FaceTime HD (a chamada “câmera de selfies“), o decepcionante 1,2 megapixel do 5s se mantiveram, em vez dos 5 megapixels do 6s. Uma opção de flash na tela Retina também foi adicionada mas, para quem usa óculos (☝️) pode não ser a opção mais legal. Com o iPhone SE, também é possível criar as Live Photos, tanto com a câmera traseira quanto com a frontal.

Para alegrar nossos corações, ótimas melhorias foram adicionadas aos vídeos. Com o SE, é possível fazer vídeos de 1080p a 60 quadros por segundo assim como — pasmem, senhoras e senhores — em resolução 4K. É claro que, se você for gravar diversos vídeos com esses ajustes, consumirá um espaço monstruoso do seu celular (e/ou iCloud) em pouco tempo; mesmo assim, é ótimo saber que é possível fazer aquele seu documentário ou curta-metragem com uma câmera de alto nível. Além disso, podemos agora escolher os ajustes da câmera lenta entre 720p a 240qps ou 1080p a 120qps.

Armazenamento e preços

São duas, as opções de armazenamento disponíveis para o iPhone SE: 16GB e 64GB — por R$2.700 e R$3.000 respectivamente (à vista há um desconto de 10%). Assim como no iPhone 6s/6s Plus, não há a opção de 32GB, o que deixou usuários insatisfeitos — e eu me incluo nessa. Muitas pessoas podem deixar de fazer o upgrade pois o modelo de 16GB hoje em dia não dá para muita coisa; já o de 64GB pode ser mais do que esses usuários precisam — e, obviamente, esse modelo é o mais caro. Tal fator pode também levar muita gente a preferir o iPhone 5s, que ainda pode ser adquirido em outras lojas parceiras da Apple por volta de R$2.200 (32GB).

Conclusão

Seja qual foi a razão pela qual a Apple decidiu lançar um novo aparelho com o design de três anos atrás e especificações atuais, o iPhone SE pode realmente ser um dispositivo maravilhoso tanto para quem quer trocar de iDevice quanto para quem está entrando nesse mundo agora. Apesar do tempo, o visual não tem nada de “antigo” e só melhorou com a nova cor.

iPhone SE review

Pelos testes de velocidade que surgem pela internet, é possível perceber que ele se sai até melhor do que o iPhone 6s em alguns quesitos. Mesmo assim, quem tem a tela maior e gosta dela assim, pode se sentir incomodado caso retroceda para uma de 4 polegadas. Se você é daqueles que prefere e/ou não abre mão de telas menores, porém, com certeza não se arrependerá do salto que dará em relação a velocidade. Acredite quando eu digo que o aparelho não “engasgou” em nenhum momento e que a fluidez dele é realmente impressionante!

Infelizmente, o iPhone SE não veio com o 3D Touch — privilégio guardado apenas para os aparelhos 6s/6s Plus. O Touch ID não também não foi atualizado para o de segunda geração6, permanecendo exatamente igual ao do iPhone 5s.

iPhone SE review

Para trazer o iPhone SE ao mundo, a Apple matou o iPhone 5s; isso quer dizer que você não encontra o aparelho lançado há três anos nas lojas oficiais da Maçã (sejam físicas ou online). O que não quer dizer, é claro, que você não o encontre para vender caso faça um garimpo por aí — basta procurar em outras lojas, como mencionei acima.

Entretanto, aqui vai um conselho de amiga que tem um iPhone 5s: quem ganha no quesito custo/benefício é o iPhone SE. Agora, se você está na dúvida entre o iPhone SE e o 6s, vale a pena dar uma olhada nas diferenças entre os dois que destacamos neste post. Ainda assim, pense que o tamanho da tela que você deseja ter é o fator mais determinante entre esses dois aparelhos.

No fim, senti ainda mais a rapidez/fluidez do iPhone SE quando precisei voltar para o meu 5s e seus longos segundos para executar tarefas simples…

Prós

  • Tela de 4 polegadas;
  • Bateria duradoura;
  • Velocidade e fluidez.

Contras

  • Câmera frontal com 1,2 megapixel;
  • Não tem 3D Touch;
  • Sem opção de 32GB.
NOTA
9,1
Posts recomendados
Comentários

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: