Após reunião com Donald Trump, Tim Cook explica para empregados a importância de se envolver com governos


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
20/12/2016 às 12:50

Na semana passada, Tim Cook e vários outros grandes nomes da tecnologia se reuniram com o presidente-eleito dos Estados Unidos, Donald Trump. O foco da reunião, até onde se sabe, foi a criação de empregos e assuntos relacionados ao crescimento econômico.

O histórico de Trump com a Maçã não tem tido episódios dos mais agradáveis. Por exemplo, podemos lembrar dos comentários que ele — ainda concorrendo à presidência — fez sobre o embate da Apple contra o FBI, no caso do iPhone do terrorista de San Bernardino no início deste ano. Além disso, o presidente-eleito já mostrou interesse em tornar a fabricação dos produtos da Maçã interna (nos EUA) e também “ameaçou” aumentar as tarifas de importação de produtos provenientes da China. Tudo isso acabou preocupando os empregados da Maçã, que já foram até “confortados” por seu CEO assim que Trump foi eleito.

Em um dos meios de comunicação internos da empresa, empregados perguntaram a Cook sobre o impacto da reunião. A resposta do CEO foi divulgada pelo TechCrunch:

Na semana passada, você e outros líderes do [setor de] tecnologia se reuniram com o presidente-eleito, Donald Trump. Quão importante é para a Apple se envolver com os governos?

É muito importante. Os governos podem afetar a nossa capacidade de fazer o que fazemos. Eles podem afetar de maneiras positivas ou não tão positivas. Nós nos preocupamos com as políticas internas. Algumas das nossas principais preocupações são a privacidade, a segurança e a educação. Além disso, nos preocupamos em apoiar os direitos humanos a todos e em continuar expandindo o seu significado. Estamos preocupados com o meio ambiente e em realmente combater as mudanças climáticas, algo que fazemos ao utilizar 100% de energia renovável em nossa empresa.

E, é claro, a criação de empregos é parte fundamental do que fazemos. Criamos oportunidades não só para aqueles que trabalham diretamente para a Apple, mas também para o grande número de pessoas que fazem parte do nosso ecossistema. Estamos muito orgulhosos por termos criado, só nos Estados Unidos, 2 milhões de empregos, sendo uma grande parte para desenvolvedores de aplicativos. Isso dá a todos a possibilidade de vender os seus trabalhos para o mundo, o que em si já é uma invenção inacreditável.

Também nos preocupamos com outras coisas mais focadas em negócios — como a reforma tributária — e algo que há muito defendemos: um sistema simples. E gostaríamos que a reforma na propriedade intelectual tentasse impedir que pessoas abram processos quando sequer estão operando regularmente uma empresa.

Há uma série de questões como estas que só ajudaremos a melhorar se nos engajarmos. Pessoalmente, eu nunca achei que estar fora dessas questões seria uma posição bem-sucedida. Você só pode influenciar se estiver inserido na situação. Então, seja neste país [EUA], na União Europeia, na China ou na América do Sul, nós nos envolvemos. Nos envolvemos tanto quando concordamos como quando discordamos. Esta é uma medida muito importante pois não se mudam coisas aos gritos. Você as muda mostrando a todos o porquê de seu caminho ser o melhor. Em muitos aspectos, é um debate de ideias.

Nós defendemos bastante o que acreditamos. Achamos que isto é parte essencial do que a Apple é e continuaremos no mesmo caminho.

Depois da reunião geral, Cook ainda teria se encontrado em particular com Trump para discutir mais detalhadamente os assuntos tratados.

Por tudo o que o Cozinheiro tem realizado dentro da empresa, essa declaração condiz bastante com sua postura e acredito que não teria sido diferente, mesmo não tendo apoiado a candidatura de Trump. Apenas esperamos que o seu carisma consiga conquistar o futuro presidente dos EUA a fim de trazer benefícios para a Maçã, seus clientes e seus empregados.

Posts relacionados
Comentários
  • Gustavo Jaccottet

    Por que tanto medo do Donald Trump? Puro sensacionalismo midiático. Nada vai mudar. A China e os EUA vão continuar a poluir, os produtos Apple serão produzidos na China…

  • Carlos

    É sempre bom lembrar que antes de qualquer outra coisa Trump é um empresário bem sucedido num pais capitalista. Quem produz e gera lucro não deverá perder o sono com o Trump. Concordo que há muito sensacionalismo barato na imprensa de modo geral.

  • Rangel S

    Sabe de nada esse barba azul gente

  • paulobr

    Só porque algumas pessoas acham que o Trump é essa caricatura estereotipada que a mídia tenta fazer dele.

    Mas qualquer pessoa com um pingo de dedicação e acesso a internet jamais acreditou na choradeira dos “especialistas” da grande mídia.

    É por isso que o New York Times chegou a pedir desculpas pela cobertura totalmente falha das eleições americanas para tentar reverter a enxurrada de cancelamento de assinaturas; e mais de 90% dos americanos não confiam na grande mídia hoje em dia.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: