10 anos de iPhone: mais sobre os primeiros protótipos; Tony Fadell conta como quase perdeu um

Histórias sobre o anúncio do primeiro iPhone é o que não faltam. Com o aniversário de dez anos desta belezinha, nós mesmos já lembramos nesta semana algumas reações que apareceram pela mídia, relatos de Phil Schiller e até um protótipo do aparelho com uma Click Wheel virtual — cortesia de Sonny Dickson.

Pois, ainda nesta mesma vibe, Dickson publicou mais imagens e um vídeo com um segundo protótipo. De acordo ele, o P1 seria o protótipo defendido por Tony Fadell (mais conhecido como “o Pai do iPod”), com um sistema operacional similar ao do… iPod! O outro, o P2, seria o protótipo criado por Scott Forstall (que trabalhava com Steve Jobs desde que estavam ainda na NeXT).

Aparelhos de série P são a primeira etapa de qualquer produto. Eles são o primeiro estágio da prototipagem real, quase nunca saem da Apple e são os dispositivos mais difíceis de se encontrar. […] Estes iPhones, por serem protótipos, têm telas de plástico, cantos e botões de Início inacabados e geralmente não funcionam da mesma forma que o projeto completo.

Apesar de os dois terem o sistema “Acorn OS”, o protótipo de Fadell é mais rápido — até porque demandava menos do aparelho; já o de Forstall era “o primeiro conceito de celular realmente sensível ao toque”. E, como nós já sabemos, o conceito de Fadell foi logo descartado. Ele mesmo contou em uma entrevista que deu para a BBC, dizendo: “Nós estávamos o transformando em um telefone de disco dos anos 1960. Nós pensamos ‘Isso não funciona! É muito difícil de usar.'”

Nesta mesma entrevista, ele lembra como Jobs apresentou a primeira intenção do projeto a ele, que era — curiosamente — um grande Mac com tela sensível ao toque.

Eles estavam trabalhando nisso em segredo. Era do tamanho de uma mesa de ping pong. Steve me mostrou e disse: “Eu quero pegar isso e colocar em um iPod.”

Fadell ainda relata que tinham muitas pessoas trabalhando no “projeto secreto” para que conseguissem lançar a tempo. Ele diz que Jobs ameaçou demitir qualquer um que abrisse a boca para falar sobre o iPhone. Então, imagine você o pânico que Fadell não deve ter ficado quando achou que tivesse perdido um protótipo no avião! Ele conta a história na entrevista, dizendo que “suou bicas” até que, para seu alívio, o encontrou entre os assentos. 😓

Além dessas histórias, ele ainda disse que havia um debate sobre o aparelho funcionar ou não com uma stylus. Como sabemos, Jobs não queria isso, mas Fadell disse que trabalhou mesmo assim em um conceito que aceitava a canetinha; ele brinca: “Nos bastidores, fizemos mesmo sem o seu conhecimento. Ele teria arrancado minha cabeça.”

Toda a entrevista pode ser lida (em inglês) neste link.

[via 9to5Mac: 1, 2]

  • O título de perder protótipos vai apenas para a Razer que é roubada toda vez !!

    Hahaahaha

  • Fabricio

    Muito bacana relembrar essas coisas e ter noção de como um aparelho tão “banal” nos dias de hoje teve seu nascimento, e são poucos as invenções que em tão pouco tempo conseguem criar uma nova variante de mercado que movimenta bilhões e bilhões de dólares no mundo.
    Eu tenho um iPhone 2g 100% operacional com caixa, doc, manuais etc guardado. Volta e meia dou carga nele para ligar. Passados 10 anos ainda é um belo aparelho. E o mais divertido é conectar ele no Wi-Fi e navegar na net, acessar o app tempo, o bolsas, a App Store e ver que tudo Ainda funciona.

  • E a história do iPhone 4 encontrado numa lanchonete e depois vendido ao blog Gizmodo?!? Será que foi “perdido” mesmo ou foi mais uma jogada de marketing de Cupertino?!? Dou um “All-in” na segunda opção! 😉

  • E tem quem ache os processos da Apple idiotas, né… Se até ela fez essas cagadas até chegar no modelo certo, imagina o que seria do Android sem o iOS… 😛

  • Incrível d+, que bom participar desses momentos.
    Eu curti muito a interface do Scott, só o Ive e o Cook que não #vaientender

  • Alexander

    Minha remington rand model 1 de 1933 funciona 100%. Quero ver um iphone funcionar após esse tempo todo. Lá para 2090 nem vai haver mais wifi, nem net, nem tempo, nem bolsa de valores, nem app store, nem apple (a disney vai comprar a apple, todo mundo vai usar um disneyphone e todo sujeito moderno que se preza vai usar aqueles relógios de ponteiros com os braços do mickey e gravata do ursinho puff – e a remington rand vai voltar com tudo)

  • Rudimar Serves

    Vende ele prá mim!?

  • Fabricio

    Bom dia. Agradeço interesse, mas por enquanto ele vai ficar ali guardado mesmo. Abs ✌️

  • Wrecked Machines
  • Bruno Sousa

    Tenso. O cara teve até bloqueio mental.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.