Portenhos, sorriam: Argentina deverá ganhar sua primeira loja oficial da Apple em 2018


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
23/02/2017 às 15:48

Buenos Aires certamente é sem dúvidas um dos lugares mais elegantes do mundo, mas cá entre nós, admiradores de uma certa empresa de frutas, estava faltando uma coisinha para complementar o charme da capital argentina. Estava, eu digo, porque segundo informações obtidas pelo Gizmodo en Español, nossos amigos portenhos ganharão a primeira loja oficial da Apple na Argentina já no ano que vem.

Apple Retail Store na China

Ainda não se sabe em que parte de Buenos Aires localizar-se-á a nova loja, embora não seja difícil imaginar uma Maçã reluzente em uma das coloridas casas de San Telmo, ou nas ruas floridas da Recoleta, ou, mais possivelmente ainda, no centro turístico e gastronômico (ainda que sem a mesma personalidade) de Puerto Madero.

O rumor chega alguns meses após a notícia de que o governo de Mauricio Macri cortará em breve um imposto de 35% em eletrônicos importados, tentando normalizar os preços dos itens tecnológicos no país — que, até então, eram muitas vezes ainda mais caros que em terras brasileiras. De acordo com a mesma reportagem, a Apple está abrindo negociações ainda para abrir lojas próprias em Guadalajara e Monterrey, ambas no México, além de Santiago do Chile e Lima, Peru — embora estes sejam planos mais distantes que o projeto argentino.

De qualquer forma, é muito bom ver Tim Cook e sua turma dando a devida atenção aos nossos vizinhos latino-americanos. Ainda assim, não posso deixar de perguntar: e as próximas lojas no Brasil, hein, pessoal?

[dica do “nosso” Craig Federighi]

Posts relacionados
Comentários
  • Argentina é dominada por Android… hermanos…

  • Marcos Daniel Vozer Felisberto

    Bruno, uma dica pra corregir no texto. morei na Argentina nos últimos 10 anos. o preço de “itens tecnológicos” nunca foram “muitas vezes mais caros que em terras brasileiras”. os preços de eletroeletrônicos em geral sempre foram praticamente os mesmos do Brasil, com excessão dos produtos da Apple. esses sim era bem mais caros. algumas coisas até sempre foram mais baratas na Argentina que no Brasil. outra coisa que poderia discutir no texto é que esse corte de 35% nos impostos de importação vai baixar o preço de eletroeletrônicos às custas de milhares de postos de trabalho. Muita gente vai passar a estar desempregada nas próximas semanas em função desse corte. Eu pessoalmente acho um custo muito alto a pagar. Voce o que pensa? Abraço.

  • Thiago Queiroz

    É dominada por Android, pq aqui é não vende iPhones. Só por isso.

  • Gustavo Jaccottet

    O Marci vai incentivar as importações de eletroeletrônicos, não sei se é coincidência ter lido isto ontem e hoje leio que Bs.As. deve receber uma Apple Store.

  • Gustavo Jaccottet

    O corte de 35% nos tributos vai destruir a indústria eletroeletrônica argentina, mas é o preço que se paga pelo progresso.

  • Bruno Santana

    Oi, Marcos. Como meu conhecimento acerca do preço dos eletrônicos na argentina limita-se às as duas viagens que fiz para lá, preferi seguir a informação do El Pais, que no próprio título da matéria se refere aos computadores na Argentina como os mais caros do continente. Vou averiguar esta informação com mais afinco assim que tiver um tempo.

    Em relação à política de Macri, concordo plenamente com você e digo mais: acredito que as medidas dele enchem os olhos da classe média a curto prazo, mas têm potencial a trazer efeitos nefastos para o país olhando mais ao horizonte. Entretanto, como já disse, meu conhecimento acerca da situação argentina é superficial, então achei melhor não expôr esta opinião no post. Ainda assim, muito obrigado por trazer a problemática aos comentários.

  • Marcos Daniel Vozer Felisberto

    Valew Bruno. Concordo plenamente contigo. A curto prazo parecem ótimas medidas, a médio e longo prazo a bomba vai explodir e a Argentina deve entrar uma vez mais numa crise como a de 2001/2002 (crise aquela resultado das políticas dos anos 90, idênticas a que Mauricinho Macri aplica agora!). Bom, mas enfim, isso é assunto pesado demais, talvez pra outro post, ou outro blog. hehehehe.
    Cara, qualquer eletroeletronico “fabricado” (na realidade montado) em Tierra del Fuego é (era) bem barato na Argentina. Senão barato, ao menos com preços bem similares aos do Brasil. Nunca vi muita diferença.
    Valew, abraço.

  • Gabriel Moura

    Não sei dizer se essas políticas do Macri serão boas a longo prazo ou não, mas acho bom que haja diferentes caminhos percorridos por diferentes países aqui na America Latina

  • Gustavo Jaccottet

    Faz uma pesquisa nos sites de e-commerce, é tudo realmente acessível, exceto Apple e algumas outras marcas. Mas tem algo que complica: a inflação. Os cortes feitos pelo Macri podem não ser suficientes, especialmente se a demanda aumentar. Vou todo ano para lá (não para Buenos Aires), moro perto da fronteira e te digo que a realidade é a apresentada pelo Marcos. E outra dica, o El Pais não é das melhores fontes, pesquisa o Clarín e/ou grupos de Rádio e TV com notícias curtas.

  • kkkkkkkkkkk, obrigado aí pessoal! 😛

  • é verdade… eu que sou o Craig tenho 2 aparelhos do robozinho e meus iPhones de longa data! Mas o charme da Maçã sobrepõe qualquer coisa. Capaz do robozinho até enferrujar! Que realmente a Apple Argentina pratique bons preços e com certeza aposto. Puerto Madero ao lado da UCA, no galpão abandonado que hoje só serve para os trotes dos calouros da mesma. O tamanho é perfeito!

    Agora Recoleta e San Telmo, duvido… San Telmo principalmente… Belgrano e Palermo são bairros nobres e próprios para isso, já que estão ao lado do Aeroparque.

  • Eu moro aqui atualmente e já estou na Argentina há 8 anos. Aqui só Apple é caro. O resto e principalmente o que leva o selo “Hecho en Terra del Fuego” é barato.

    Comprei minha televisão 4k da Philips esses dias e paguei 1200 reais. Meu Samsung J7 então foi piada… menos de 500 reais. Agora já para pegar um iPhone 7 de entrada, guarde 4500 reais!

    Meu iMac aqui eu vendi pelo preço de um carro semi-novo de 3 anos atrás por exemplo!

  • Gustavo Jaccottet

    Só uma brincadeira quanto ao título: Porte

  • já existia o rumor há tempos, desde que houve a retirada da lei que proibia a circulação de dólares no país, inclusive saiu até no noticiário da Telefe

  • Gustavo Jaccottet

    Eu vi a mesma notícia. O problema dos Dólares vai tornar a circulação de riquezas muito parecida com a do Brasil e vai jogar os preços lá para cima. Vai continuar poupando apenas o Portenho, que vive cerca de Montevidéu e pode depositar dinheiro no BROU, pois para quem vive no resto do País as políticas do Macri vão ser boas, mas vão tirar essa cultura do ahorro.

  • Alguém sabe me dizer qual é hoje o melhor lugar na América do sul para se comprar Apple?! Não precisa ser loja oficial, basta ter os produtos originais!

  • victormargamim

    No DutyFree de Puerto Iguazu (cidade argentina na fronteira com o Brasil), há um espaço a ser inaugurado com o logo da Apple. Os funcionários de lá me disseram que será uma loja oficial. Alguém sabe algo a respeito?

  • Rafael Arnaldo Scheid

    Muito provavelmente seja o Paraguai.

  • Luiz Rodrigo

    Aqui no Brasil a política tributária protecionista, não muito diferente da Argentina, impede a chegada de produtos eletrônicos de qualidade a um preço honesto. Vi um stories de Breno Masi mostrando a quantidade de imposto que pagou no Macbook novo dele, foram quase 9 mil reais de impostos. Isso é um absurdo. O detalhe é que esse protecionismo não só aumenta os preços dos produtos importados, aumenta também os preços dos produtos “nacionalizados” em razão da reserva de mercado e, por causa dessa reserva, os produtos comercializado possuem sempre um viés de baixa qualidade. Resumindo, precisamos mudar nossa política tributária urgente, para ontem.

  • Victor Hugo

    Especificamente na CellShop

  • Victor Hugo

    Que a economia argentina se vire e alcance a concorrência. Livre mercado sempre!

  • Victor Hugo

    Eles que se virem, os únicos beneficiados desse protecionismo socialista são os empresários daquele país, assim como o dólar alto por aqui, onde apenas empresas que exportam ganham e toda a classe média é penalizada. Livre concorrência sempre!

  • Gustavo Jaccottet

    Sim, eu sou favorável ao livre mercado, mas o grande problema é se implementar uma redução de tributos em que apenas duas ou três grandes empresas serão beneficiadas. Outro ponto é acreditar que existe livre concorrência em países de terceiro mundo. Você acredita que aqui no Brasil a Apple concorra com qualquer outra empresa do mesmo segmento? Ela concorre nos EUA, na China, na Europa, no Japão e na Austrália, mas em países de terceiro mundo há um mercado direcionado.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: