Depois de anos, iPhone finalmente voltará a ser vendido de forma oficial na Argentina

Imagem de destaque


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
30/03/2017 às 19:12

Nem todos vocês devem saber, mas os nossos hermanos não conseguem comprar iPhones de forma oficial na Argentina desde 2009. Na época, a então presidente Cristina Elisabet Fernández de Kirchner estabeleceu uma regra que forçava fabricantes de smartphones a produzir tudo localmente ou, então, sair do mercado argentino. A Samsung, por exemplo, optou por produzir alguns aparelhos lá; já a Apple pulou fora. Por conta disso, há oito anos ninguém encontra um único iPhone sendo vendido — ao menos não de forma oficial — pelas operadoras Telefónica, América Móvil e Telecom Argentina.

Agora, conforme informou a Bloomberg, o atual presidente Mauricio Macri resolveu abrir novamente o mercado, permitindo que empresas como Apple possam voltar a vender aparelhos no país mesmo sem uma fábrica local. É claro que nem tudo são flores: haverá, obviamente, uma boa taxa de importação para esses produtos — o que, de acordo com a matéria, fará com que os dispositivos importados custem cerca de 25% a mais do que os com produção local.

Mas como sabemos que preço para dispositivos da Apple — ao menos aqui abaixo da linha do Equador — não é algo que segue lá uma regra comum, as operadoras estão mirando aqueles clientes que não se incomodam em pagar um pouco mais para ter esses produtos. E, para os que ligam, a opção de parcelar até perder de vista existirá.

É difícil explicar como eu estou feliz. Já estou recebendo os novos [iPhones] para venda e ao mesmo tempo recebendo reservas de clientes que ainda não sabem o preço final [do aparelho].

A declaração acima é de Hector Goldin, dono de uma revendedora Apple em Buenos Aires que não vende iPhones há sete anos. Sua loja, a Maxim Store, venderá os cinco modelos de iPhones atualmente disponíveis (6s, 6s Plus, SE, 7 e 7 Plus) a partir de 7 de abril. Goldin prevê que filas se formarão mesmo sem o pessoal saber exatamente quanto custará cada modelo. Uma coisa é certa: serão caros. Possivelmente o dobro do que custam hoje nos Estados Unidos.

Somando isso ao fato de que a Apple poderá abrir a sua primeira loja no país, quem sabe em breve as coisas não comecem a melhorar por lá…

[dica do “Craig Federighi”]

Posts relacionados
Comentários
  • Rafael Arnaldo Scheid

    Bacana! Mas sobre a Apple abrir loja por lá, deve causar a mesma coisa que aqui: NADA! Na verdade pioraram muito os preços haha, mas como benefício nenhum apareceu, ficamos com “nada” como resposta.

  • Thiago Queiroz

    Será que vai ter assitencia aqui na Argentina? Porque to com um problema no meu iPhone 6s Plus e talvez tenha que voltar para o Brasil, só para poder resolver e não perder a garantia.

  • Paulo Ricardo

    A regra é clara: Nação que se fecha achando que vai proteger a indústria e economia local, afunda sozinha.

  • Flavio Billig

    mano, aqui na argentina tem assistência, só não vende mesmo. vai la na iplace que eles dao um jeito…

  • Gustavo Jaccottet

    Macri é o Presidente que eu queria para o Brasil! Mas falando sobre os preços, a Argentina deverá ter o iPhone mais caro do mundo.

  • A Apple vai abrir sua primeira loja em um pais q até ontem nem podia vender iPhone? Q doidera!

  • Gustavo Jaccottet

    Mas que recebe mais turistas do que muita cidade brasileira… espera, principalmente de Brasileiros.

  • Pior eh qdo soubermos q mesmo assim os iPhones do Brasil ainda continuarem sendo os mais caros mesmo depois disso…

  • Verdade… é mais barato o ano todo ir pra Buenos Aires do que pros lençóis maranhenses…

  • Gustavo Jaccottet

    Eu moro a 10 horas de carro de Buenos Aires, fui uma vez para lá, espero não voltar. Gosto da Argentina, detesto Buenos Aires.

  • Mas pra quem nunca foi, pela propaganda q fazem nas agencias dá até vontade de ir la bailar um tango!
    PS: tbm ja fui la e foi só uma vez pra nunca mais.
    PS2: sim, dancei tango com os artistas de rua e fui em um daqueles shows q nao acabam nunca…

  • Gustavo Jaccottet

    Sei não… os preços na Argentina para produtos “raros”, como iPhone vai ser muito alto. No Uruguai é raro de se encontrar iPhone, pois os estoques são muito pequenos, na Argentina vai começar mais ou menos assim, pois o país se restringe a Província de Buenos Aires (que é gigantesca), Córdoba, Entre Ríos e Mendoza. O resto é deserto, cultivo de grãos ou pecuária, que sobra é montanhoso. Conheço bem a Argentina e não consigo imaginar um iPhone mais barato do que aqui no Brasil, salvo se o Macri fizer milagres (pior de tudo é que vem fazendo), mas para quem é de fora de Buenos Aires a situação é crítica, ainda. As reformas implementadas vão demorar a chegar aos flancos do País.

  • Como disse, se mesmo com toda essa situação o iPhone no Brasil continuar sendo mais caro, ai é a certeza que somos bem troxas mesmo e pagamos valores estratosféricos cegamente… tá certa a Apple, se tem quem pague, tem é que ganhar dinheiro facil!

  • Gustavo Jaccottet

    Quando eu fui foi 2010, estava voltando da primeira viagem de carro até Santiago (depois fiz mais três vezes o caminho, mas evitando Buenos Aires). Não fui ver Tango, nem El Caminito, nem na Recoleta. Lembro só de fazer compras adoidado por causa do valor do Peso em relação ao Real, foi o auge da desvalorização. Uma caixa com 6 vinhos Carmine y Granata Gran Reserva por menos de 300 dólares, uma Garrafa de El Grán Equilibrista (900 garrafas apenas) por 40 dólares. Tenho alguns até hoje.

  • Gustavo Jaccottet

    O câmbio aqui é o primeiro problema, depois temos os tributos e por fim a alta demanda.

  • Ah vah q vc não entrou nas lojas de rua com aquele povo gritando na porta “cuero!”, “cuero!” E não comprou uma jaqueta de couro q nunca mais usou na vida!! kkkkkk

  • Knot Root – Mask Off

    Argentina é boa mesmo em cidades turísticas como Bariloche e arredores por causa da beleza exuberante. O resto….

  • Gustavo Jaccottet

    Entrei sim… mas em Mendoza estava mais barato, daí deixei para comprar em Montevidéu.

  • Gustavo Jaccottet

    Um bom exemplo para o Brasil que insiste em atender ao chamado dos “donos do campinho” e proteger e desenvolver a “nossa indústria eletroeletrônica”. É uma lição do liberalismo clássico, não se precisa de fronteiras ou barreiras, é uma pena que se usam os tributos, pois com o mercado se auto-regulando se expurgar-se-ão as empresas “de menor qualidade” e se terá um plus com o incremento da qualidade da oferta no mercado interno. Sonho com a chegada desse dia, quem sabe com o Dória como Presidente isso não ocorra.

  • Gustavo Jaccottet

    Que anda, a Argentina é fantástica. Mendoza é maravilhosa, Córdoba, Rosário, La Plata, San Miguel de Tucumán, Salta, La Rioja, San Juan… os pacotes turísticos restringem a Argentina a Buenos Aires, Mendoza (e Santiago), Los Lagos (Bariloche, quando muito com uma visita a Villa la Angostura e deixam de lado San Martín de Los Andes, a cereja do bolo) e a Terra do Fogo, além de El Chaltén, para quem curte algo bem raiz, com caminhadas na Patagônia e avistar o Monte Fitz-Roy. O país é muito mais do que isso, muito mais mesmo… povo educado, simples, bons vinhos (especialmente Malbec em Mendoza e os Brancos de Salta e La Rioja), azeites, carnes maravilhosas (de Rês, Cordeiro, Trutas, Cervo).

  • Knot Root – Mask Off

    Verdade, Gustavo. Restringi demais este belo país em meu comentário anterior. Disse tudo!

  • Gustavo Jaccottet

    Às vezes falta diesel nos postos de gasolina no deserto da patagônia… isso causa pavor!

  • Leopoldo Pereira

    Diga isso ao Trump, então KKKK

  • Leopoldo Pereira

    Ironicamente, é o que o Trump está fazendo. Os yankees sempre defenderam o made in USA. Tal atitude é visto como bolivarismo por aqui. Estranho…

  • p_churros

    É que ele é o dono do parquinho, aí fica difícil mesmo…

  • p_churros

    A Apple vai abrir a loja na capital do Brasil, Buenos Aires, não pera.

  • Leopoldo Pereira

    E nós, suas marionetes. Entendi…

  • p_churros

    Mas é a pura verdade, não quer depender dele? Fácil, não compre iPhone e nada que é de lá, comece a tomar dolly e comer no podrão da esquina.
    Esqueça Coca-Cola, McDonald’s e etc…
    Fica difícil né?!
    Só não entendo toda essa raiva que alguns tem do EUA e do capitalismo, mas continua a consumir os frutos do capitalismo, mesmo se intitulando esquerdista.

  • até ontem não podia vender iPhone por causa de uma tal de Kretina Kirschner… essa mulher é um câncer e está sendo investigada por receber muita proprina brasileira de um político q tem 9 dedos e da anta q o substituiu. Que morra na prisão, ela mandou matar até o Moro daqui na época que estava no poder, e até hoje falam que é histórinha que o marido dela morreu, pois não tinha corpo no enterro do véio!

  • o resto é maravilhoso. Ushuaia, Vila Gesell, Villa Carlos Paz, Mendonza, El Calafate, etc. Aqui a educação é pública (meu filho estuda francês, inglês na escola… os hospitais são maravilhosos e a segurança funciona). O salário mínimo é 4 vezes maior que no Brasil e infelizmente só está na miséria quem vive do governo anterior! 50 pesos e um copo de cerveja para fazer protesto em frente ao Congresso.

  • cesar 1989

    massa

  • Paulo

    Também sonho com esse dia…. 🙁

  • Tiago Celestino

    A Apple abriu uma loja aqui e não melhorou nada para os consumidores…

  • Murilo Herrmann

    Não posso me basear em uma amostra tão pequena, mas aqui no blog tá cheio de brasileiros morando na Argentina. WOOOOW

  • Thiago Queiroz

    Eu moro em Rosario e amo isso aqui! <3

  • Thiago Queiroz

    Não dá amigo, já conversei com a Apple… e só tem assistencia pro Mac, para iPhone não tem. E me deram uma opção: de ir ao Uruguay e resolver la. hahahaha até parece q eu vou.

  • Bruno Silveira

    quanto é o salario minimo ai, convertendo para reais?

  • em torno de 2000 reais pelo cambio oficial…

  • João Sem Braço

    inveja de vc…. queria deixar essa esculhambação pra trás….

  • no começo é muito difícil: idioma, comportamento, cultura… depois de 4 meses que estava “morando aqui” voltei ao Brasil e já não queria mais estar alí. Fui obrigado na época que a Cristina Kirchner bloqueou a entrada de dinheiro do exterior para cá a deixar o país novamente.

    Voltei para o Brasil (Rio de Janeiro) e vivi os piores 3 meses da minha vida. As pessoas estão tão acostumadas com aquilo q não se dão conta de como está. Tiroteio comendo solto e minha mãe tranquila, meus amigos tomando cerveja numa rua cheia de barzinho, confusão pancadaria, crakudos, gente pedindo grana e todo mundo tranquilo.

    Catei minha família, fui para o Paraguai pq tenho um grande amigo que vivia lá, dono do iPadDicas. Gostei bastante do país, mas quando descobri q o Macri já tinha reestabelecido tudo e liberado inclusive o dólar, voltei.

    O país é outro em menos de 2 anos senti uma mega diferença. Tudo ficou muito caro, mas a qualidade de vida aumentou. Os que reclamam fazem parte da mafia opositora que está cada dia q passa perdendo mais força. Enfim, não me arrependo e faria tudo novamente!


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: