Jimmy Iovine afirma que Apple Music teria 400 milhões de usuários caso oferecesse uma versão gratuita


É um fato: o Apple Music ainda precisa encarar uma ladeira deveras íngreme para chegar ao nível de popularidade do seu principal concorrente, o Spotify. De acordo com um dos seus chefões, entretanto, o cenário não é tão desfavorável assim para a plataforma da Maçã, não: Jimmy Iovine afirmou que a razão da dianteira do serviço sueco se dá principalmente por conta de ele oferecer uma versão gratuita, coisa que a Apple nunca cogitou fazer — embora ele opine que, se existisse, tal opção atrairia centenas de milhões de usuários ao serviço de Tim Cook e sua turma.

Esta e outras declarações intrigantes fazem parte de uma longa entrevista com o executivo e produtor musical publicada pela Music Business Worldwide — da qual reproduzimos os trechos mais importantes logo abaixo.

Jimmy Iovine

Jimmy Iovine, chefão do Apple Music

A entrevista começa com uma passagem lembrando o contexto no qual Iovine se insere: originalmente, ele era um engenheiro de som em Nova York que começou trabalhando, aos 21 anos, com ninguém menos que John Lennon. Ao longo dos primeiros anos de carreira, Iovine colaborou com artistas como Harry Nilsson, Bruce Springsteen, Stevie Nicks e o U2. Assim foi até que, em 1989, Iovine criou o selo Interscope Records, que revelou grandes nomes como Dr. Dre, Eminem e Lady Gaga.

Em suma: Iovine tem a música na veia, e talvez isso possa explicar a sua paixão ao falar sobre artistas e as dinâmicas financeiras da indústria musical. O executivo afirmou que é totalmente contrário à ideia de “música grátis” e quer que as pessoas voltem a pagar por conteúdo musical após anos de combate à pirataria e aos serviços de compartilhamento gratuitos.

Segundo ele, serviços como o Spotify ou o YouTube, que oferecem acesso a milhões de músicas de graça operando apenas com anúncios, são prejudiciais aos artistas e não os pagam como deveriam. Iovine opinou que, se o Apple Music oferecesse uma versão gratuita, como seu principal concorrente, chegaria facilmente a 400 milhões de usuários no mundo todo e tornaria o trabalho dele muito fácil — entretanto, esta não é a visão que ele, Cook ou Steve Jobs têm (ou tinha, no caso do último) de um serviço de streaming.

Nós acreditamos que os artistas devem ser pagos. É por isso que eu fui para a Apple. Os artistas estão sendo lesados. Ponto. Eu não vejo como alguém poderia apoiar isso. É a nossa responsabilidade mudar este cenário.

Iovine afirmou ainda que “as pessoas que pagam por assinaturas devem ter vantagens”, e, em outro trecho, elogiou o CEO do Spotify Daniel Ek, dizendo que “ele está fazendo um trabalho fabuloso”, explicando que vários dos seus concorrentes na área musical também são seus amigos e que a indústria musical, se quiser sobreviver neste mundo pós-Napster, precisa da colaboração dos artistas e das pessoas que possuem os direitos das músicas.

A entrevista completa pode ser lida no site da Music Business Worldwide.

via MacRumors

Posts recomendados
Comentários

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: