Apple nega-se a compensar mulher cujos headphones Beats explodiram em seu rosto, alegando falha nas pilhas do aparelho


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
19/05/2017 às 16:11

Imagine a sensação: você está tranquilo(a), relaxando nas alturas (o máximo que é possível num assento de classe econômica, isto é) e curtindo uma música enquanto cruza os céus a 900km/h. De repente, uma pequena explosão e uma sensação de calor no seu rosto — não, não é um ataque terrorista: foram só os seus headphones que resolveram dar um… piti.

Foi por esse tipo de pesadelo que passou uma mulher australiana, a qual preferiu permanecer anônima, em fevereiro último, num voo de Pequim (China) para Melbourne (Austrália). Como informou o jornalístico Adelaide Now, a mulher estava cochilando enquanto utilizava seus headphones Beats no voo quando foi acordada pelo som de uma explosão e uma queimação no seu rosto — tudo por conta do acessório. Seu rosto e suas mãos sofreram queimaduras, bem como o seu cabelo, e várias peças de roupa foram danificadas.

Mulher australiana com o rosto queimado por explosão dos seus headphones Beats

A mulher, junto a seus advogados, pediu compensação à Apple — dona da marca Beats. Os fones (ou melhor, o que sobrou deles) foram enviados à Maçã para análise, quando descobriu-se que a falha deu-se não no funcionamento interno do acessório em si, mas num componente que, como nós bem sabemos, pode ser deveras volátil: as pilhas.

Os headphones não funcionam sem pilhas, e ainda assim em nenhum lugar nos headphones — ou na sua embalagem — foi especificado que marca de pilhas deveria ser utilizada.

Antes que você se surpreenda — eu mesmo não sabia disso até hoje —, alguns modelos mais antigos da Beats requerem a inserção de duas pilhas AAA para o recurso de cancelamento ativo de ruído; era o caso da unidade explosiva. A Apple, então, concluiu que o incidente foi causado por um componente que não era de sua responsabilidade — pilhas de baixa qualidade — e declarou que não iria compensar a vítima de nenhuma forma.

A australiana, que declarou ter comprado os headphones num duty-free e as pilhas numa loja comum do seu país natal, como era de se esperar, não gostou nem um pouco da resposta: “Os headphones não funcionam sem pilhas, e ainda assim em nenhum lugar nos headphones — ou na sua embalagem — foi especificado que marca de pilhas deveria ser utilizada.”

Nenhuma das partes quis comentar o caso, mas, presumivelmente, a mulher deve entrar com uma ação contra a Apple — resta saber se sua acusação será aceita perante os juízes australianos ou não. O que vocês acham?

via 9to5Mac

Posts relacionados
Comentários
  • Leonardo Caldas

    Não é o smartphone que tem má recepção. Você é que não sabe segurá-lo…
    Não são os fones que deram defeito. Você é que não soube comprar as pilhas…

  • Eu acho que os dois lados estão certos.
    Realmente a Apple não pode ser acusada por uma pilha de marca ruim… porém, ela também não especifica quais marcas são boas e quais são ruins… então, acho que ela deveria ganhar essa causa e a Apple, mudar sua embalagem com marcas que ela considera “de boa qualidade”.

  • Vitor C

    Creio que se as pilhas estavam sendo vendidas elas deviam ser regulamentadas, testadas e aprovadas, caso contrario não estariam disponíveis, ainda mais na austrália que é um país sério.
    Quanto a apple, normal não admitir um erro, já que ela não especificou que pilhas devem ser usadas no produto.

  • Antonio Fonseca

    Se as pilhas não foram fabricada pela empresa, ou fornecidas junto com o aparelho ou se não existe explicitamente uma marca e modelo recomendadas pelo fabricante, a responsabilidade por problemas com as pilhas não é do fabricante do fone. Não sei detalhes do caso e não serei leviano em afirmar, mas tomando como base o que se você comumente no mercado, muita gente não se preocupa em comprar acessórios e componentes de qualidade para usar com seus dispositivos. É muito comum ver por aí gente usando pilhas das mais baratas e vagabundas, assim como cabos e carregadores, infelizmente.

  • Antonio Fonseca

    Deu a entender que se trata de um fone bastante antigo, provavelmente anterior à aquisição da Beats. Esses modelos já não devem mais ser comercializados pela Apple hoje em dia.

  • Daniel Junior

    Só uma correção no texto: “num voo de Pequim (China) para Melbourne (Canadá)”.
    Troque o (Canadá) por (Austrália).

  • Guilherme

    Mas será que ela não percebeu que ele esquentou?

  • Leonardo Caldas

    Você concorda comigo que partindo desse seu raciocínio tudo que qualquer fabricante de eletrônicos precisaria fazer para se eximir de falhas desse tipo em seus produtos é não indicar fabricante nenhum de baterias? Afinal a culpa vai invariavelmente ser da bateria.

  • Bruno Santana

    Por que todo mundo sempre confunde a Austrália com o Canadá? Hehe obrigado, corrigido.

  • Antonio Fonseca

    Não concordo porque uma regra não vai se aplicar à todos os casos.

    Hoje basicamente mais nenhum equipamento Apple utliza pilhas. Já parou para pensar no porquê dessa mudança?

  • Leonardo Caldas

    Pode ser por economia de espaço… pode ser simples evolução tecnológica… pode ser maior segurança, como você sugeriu.

    Mas seu argumento implica em que as mesmas pilhas que um dia alimentaram o equipamento passam a ser automaticamente inseguras porque a empresa que fabrica o equipamento resolveu mudar a tecnologia. Isso não faz sentido.

    Eu entendo que estamos partindo do pressuposto de que sejam empresas idôneas e que não teriam a intenção de prejudicar o consumidor envolvidas, mas a Apple infelizmente tem não tem tido histórico recente muito positivo com relação a assumir erros.

  • Antonio Fonseca

    Bem, a Apple fez uma investigação e identificou problemas com as pilhas. Não tenho elementos para contestar isso, mas é claro que a moça que sofreu o acidente poderá fazê-lo se achar que a Apple está errada. Da minha experiência com a Apple não tenho também elementos para suspeitar da conduta dela com os clientes, nenhum na verdade.

  • Diego Mendes Fernandes

    “Também, com essas roupas, pediu pra ser estrupada”

  • Diego Mendes Fernandes

    “Dormindo”

  • Guilherme

    Isso que é sono profundo.

  • Guilherme

    Fiquei decepcionado com a qualidade dos fones da Beats. Esperava muito mais pelo preço. Nunca mais compro.

  • Matheus Dilon

    Ela fez certo, mandou para a Apple investigar. Ficou alegado que o problema é com as pilhas. Por que não processar a fabricante das pilhas também?!

  • Alisson Balbinotti

    Se vc vende um produto que precisa de pilhas e esta usando as pilhas pra justificar que o erro nao foi da empresa entao deveriam mandar pilhas junto com os fones e orientar na embalagem quais marcas de pilha se recomendam usar. Mas por outro lado a culpa é de quem vendeu as pilhas neh kkkkk.

  • Cristiano Matos

    Eu fiquei na dúvida agora… e se a bateria do meu iPhone explodir? Essa bateria é fabricada pela Apple ou ela vai alegar que não é culpa dela também?

  • A Apple agora tem que falar quais pilhas usar? Ai é complicado né, imagina ela só recomendar duracell, por exemplo. Obvio que ela não ganha nada por isso.

    Po, o usuario tem que saber também escolher entre uma pilha boa ou ruim.
    Se fosse assim, ela teria que recomendar qual internet utilizar para meu sincronismo do iCloud ser melhor..

  • Po, o usuario tem que saber também escolher entre uma pilha boa ou ruim.

    Se fosse assim, ela teria que recomendar qual internet utilizar para meu sincronismo do iCloud ser melhor..

  • São coisas diferentes…
    A bateria faz parte do seu produto.
    No caso ela colocou uma bateria/pilha qualquer e a PILHA explodiu e assim o fone explodiu junto.

    Caso vc utilize um carregador falso e ai explodir seu telefone por sobrecarga ai a culpa é sua, a bateria não tinha defeito vc que provocou a falha.

  • Po, o usuario tem que saber também escolher entre uma pilha boa ou ruim.

    Se fosse assim, ela teria que recomendar qual internet utilizar para meu sincronismo do iCloud ser melhor..

  • Rafael

    Pega o laudo da Apple, vai no tribunal e processa a fabricante das pilhas, e fim de mimimi.

  • Rodolfo Oliveira

    Mas ainda que a Apple não fabrique mais esse modelo de fone, a mulher comprou recentemente, quem é responsável pelos danos é a Apple. Vou falar na ótica da lei brasileira, não sei como funciona na Austrália. Mas aqui a responsabilidade do fabricante com o consumidor começa a partir do momento da compra do produto, se eu for numa loja e comprar um iPhone 4S hoje, sendo que é uma loja seria e que tenha emitido nota fiscal, a Apple é obrigada a me dar a garantia a partir do momento da compra, se houver algum problema de fabricação eles precisam resolver. Mesma coisa se por exemplo hoje eu comprar um moto g1 numa loja seria e ter nota fiscal, por mais que a Lenovo não seja a motorola , a lenovo vai ter que me fornecer suporte tecnico.

    No caso do artigo, no Brasil, a Apple seria responsável sim, por não dar instruções claras para a cliente, e a empresa que fabricou as pilhas também seria responsável.

  • Antonio Fonseca

    Quem disse que ela comprou recentemente? E mesmo isso não vem ao caso se o que explodiu foram as pilhas, não o fone.

  • Essa da foto é ela?? Aquilo é barba?

  • Thiago Ribeiro

    Realmente não deveria ter uma indicação mas se colocar cai em outro problema. As que elas não recomendar podem entrar com processo por favorecimento ou alegarem estarem sendo prejudicadas. As que ela indicar, a apple assume a responsabilidade que aquela é boa, só que ela não controla o processo de fabricação dessa pilhas ditas boas e ai pode dar problema do mesmo jeito. Entende como advogado sempre vai achar um jeito de ferrar com os caras ?

  • Thiago Ribeiro

    Mas em nenhuma momento disse que comprou recentemente, e mais, o problema alegado não foi no fone e sim nas pilhas. Pense o seguinte, vc compra um carro e o combustível usado estraga o motor ou faz vc ficar a pé na rua. A culpa é da fabricante que não te recomendou o posto que deveria abastecer???
    Entende como é complicado ??

  • Thiago Ribeiro

    Na verdade não, se você for usuário apple ( não defendendo pq da mole pacas a apple), ela da garantia de bateria as vezes até mesmo depois de terminado a garantia.
    Neste caso, vou dar o mesmo exemplo que passei ali em cima.

    Pense o seguinte, vc compra um carro e o combustível usado estraga o motor ou faz vc ficar a pé na rua. A culpa é da fabricante que não te recomendou o posto que deveria abastecer???

    Entende como é complicado ??

  • Thiago Ribeiro

    Dito perfeitamente ! Ai a fabricante de pilhas briga com a apple!!

  • Thiago Ribeiro

    Diferente mano! A bateria do seu iPhone é vendido junto.

  • Thiago Ribeiro

    Nao pode mano, imagina vc dono de uma marca de pilhas que a maior fabricante de produtos não recomendou !! O que vc faria ? Processo é fato!!
    Agora pense se a pilha recomendada da problema, o que vc faria ? Processaria a apple fato! Só que a apple não controla a linha de produção da pilha e ai ?? Tendeu como esse caso é complicado??

  • Thiago Ribeiro

    Mano eu penso seguinte! Apple pode estar sendo malandra ? Pode! O que a usuária deve fazer agora é processar a fabricante de pilhas com o laudo da Apple, a fabricante de pilhas vai brigar feio com a apple e no final a usuária recebe uma grana.
    A apple não pode recomendar uma fabricante pq imagina se da problema! Ela não tem como controlar a linha de produção de varias fabricantes de pilhas. Se ela recomendar uma ou duas, o que vai ter de usuário puto da vida perderia a conta.
    As empresas não favorecidas então!!! Ficariam putas pq a maior empresa do mundo não recomenda o produto dela dizendo entre linhas que é ruim, e dale mais processos.
    Cara é complicado muito complicado !

  • Não, é fuligem.

  • pqp, parece muito uma barba

  • Gustavo Zanandrea

    Vai ver ela comprou uma dessas pilhas xing ling no aeroporto de Pequim e deu nisso .
    Problema é dela ….

  • Arnaldo Netto

    Cuida bem do meu like seu lindo!

  • Arnaldo Netto

    Se ela vinha da China então provavelmente as pilhas são “xing ling” (falsas e de baixa qualidade).

  • Gustavo Jaccottet

    A Apple é responsável pelo produto. Responsabilidade Objetiva do fabricante. Se certificasse marcas de pilha como assim “Apple recomenda pilhas Rayovac” a história seria outra.

  • Laylson Alves

    Se ela for especificar quais pilhas são boas ou ruins vai ficar complicado arrumar uma forma de fazê-lo. Não é papel dela. No Brasil a pessoa vai num shopping popular e encontra lá uma pilha recarregáveis de 6000 mah e espera que seja boa. Compra uma pilha original e já seria de bom tamanho. Não dá é pra comprar aquelas pilhas chinesas e esperar que não aconteça isto

  • Akinaga

    “A australiana, que declarou ter comprado os headphones num duty-free e as pilhas numa loja comum do seu país natal,…”

  • Rob Simões 

    Eu tive um Beats Studio e um Beats Executive, antes da Apple comprar a Beats. Que eu me lembre, eles vieram com pilhas Duracell na caixa. Se a Beats não recomendava claramente, pelo menos uma bela indicação ela dava de qual tipo de pilha usar: alcalina de boa qualidade e procedência.

  • Rob Simões 

    Nenhum fone Beats após a aquisição pela Apple usa pilhas. Eu tive um fone Beats Studio e um Beats Executive antes da Apple comprar a Beats e ambos vieram com pilhas alcalinas Duracell na caixa. Se não é uma recomendação clara, pelo menos é uma boa indicação do que usar.

  • Rob Simões 

    Mas a Beats mandava pilhas junto com os fones. Eu tive dois fones Beats que usavam pilhas antes da aquisição da Apple e a pilha que vinha na caixa era Duracell.

  • Thiago Ribeiro

    Kkkkkkkkk

  • David Rodriguez Lima

    Beats é modismo. Compre um Sennheiser pela metade do preço e seja feliz

  • Tiago Celestino

    Ñ leu a matéria, pelo o visto

  • Ayres Dib 

    Especificar marcas boas e ruins de pilha, sério? O problema da Apple é o fone. Imagina comprar carro e receber uma lista de posto pra abastecer, imagina comprar uma casa e receber da construtora uma lista de lâmpadas boas, chuveiros recomendados. Rs.

  • Bernard Andrea

    Notem um detalhe: imaginem se a Apple tivesse que, em seu Manual de uso, listar todas as marcas de Pilhas DO MUNDO que devem ser usadas e quais devem ser evitadas. Simplesmente o Fone viria com um livro do tamanho da antiga Páginas Amarelas!!!

    Não faz sentido. A qualidade de produtos “de terceiros” colocada em um gadget é de responsabilidade do proprietário e do fabricante do “complemento” acrescido. Neste caso, as Pilhas.

  • Everson

    Deixem de ser hipócritas, se fossem com vocês também queriam um indenização da Apple

  • No caso, é em termos de parte “Jurídica”.
    Ela alegou que era uma pilha ruim, mas, o advogado dela pode alegar que a Apple não afirma, quem é boa ou ruim.

    O iCloud precisa de internet, apenas. Seu Disposito Apple, não vai explodir por isso. No máximo, você vai passar raiva.. rs!

  • Duane

    Claro! A explosão de um fone iria derrubar um avião! Kkkkkkkkkkk
    Nem se fossem todos os iPhones de todos os passageiros explodindo juntos o avião correria risco!

  • Duane

    Pois é, não leu:
    “A australiana, que declarou ter comprado os headphones num duty-free e as pilhas numa loja comum do seu país natal…”

  • Duane

    Foi você quem citou isso, não eu.

    E sim, estou mais preocupado em te corrigir.

  • Pi Beta

    Exatamente. A hermenêutica utilizada pelos advogados da Apple prece ser bastante peculiar… E um tanto conveniente também.

  • Luiz Augusto

    a Apple é proprietária da marca Beats e de suas patentes. E não é colocar a pilha de determinada marca que torna ela a recomendável pela Apple. Querer defender o indefensável dá nisso.

  • Luiz Augusto

    Em casos que houve explosão de bateria, a Apple também alegou falha da fabricante das baterias. Assim como a Samsung com o Galaxy Note 7.

  • Amauri Costa

    Se fosse para olhar para esse incidente de acordo com o nosso CDC, a mulher teria direito a indenização, porque a responsabilidade civil do fornecedor para o consumidor é objetiva (independe de culpa do fornecedor pelo evento danoso).
    O que casou dano ao consumidor foi a explosão do produto da Apple, e não explosão do produto de outra empresa. Só eximindo a responsabilidade da Apple se a previsão deste fato sem as devidas cautelas estiver no manual do produto.
    Isso é assim porque o consumidor não tem conhecimentos técnicos para evitar qualquer incidente, a não ser que a fornecedora do produto informe no manual. Como também, faz parte dos risco da atividade empresarial.
    Mas como o acidente ocorreu em outro país a solução para o problema pode ser diferente.

  • Antonio Fonseca

    Você leu a defesa? Certamente a defesa será adequada à legislação vigente.

    No entanto técnica e moralmente a Apple não é responsável, ela não pode responder pela qualidade das pilhas adquiridas isoladamente pelo consumidor e utilizadas no aparelho. E sem essas pilhas, os fones sozinhos não têm como explodir. O que explode são as pilhas.

    Mas parece que vamos ficar discutindo aqui indefinidamente, sem qualquer ganho com isso. Claro que porque você vai querer provar sua tese. Tem todo direito.

    A única coisa que concordamos sobre o seu comentário é de que na documentação do produto a Apple precisa deixar claro as características das pilhas a serem usadas e que ela não se responsabiliza por defeitos nesses elementos.

    Eu prefiro me apegar ao aspecto técnico e moral.

  • Amauri Costa

    Amigão, relaxa.
    Todos ganhamos quando a discussão mostra vários pontos de vista diferentes, e não quando um pensamento se sobrepõem aos demais.
    E ainda, o que você chama de esperteza de advogado eu chamo de competência profissional na aplicação e manuseio do conhecimento, dentro da ética, claro. Se esse profissional não tiver conhecimento ou não souber aplica-lo ele será incompetente. Você contrataria um profissional incompetente? É claro que não.
    E por fim, entendo perfeitamente que a Apple não tem culpa se um produto de terceiro provocou a explosão do seu. Condena-lá seria imoral. Mas as leis não foram criadas para exprimir a moral da sociedade, porque cada pessoa têm a sua moral. Elas foram criadas para exigir que a sociedade se relacione de forma ética. Por isso, na visão do CDC, é ético que a Apple indenize a consumidora do seu produto, e depois busque a sua indenização perante a fabricante de pilhas.
    Mas isso é na visão das regras brasileiras. Lá eu não sei como é.
    Agora, se você não concorda que a solução se resolva assim no Brasil, apenas tolere. Mas, se você não concorda mesmo, vá lá pro Congresso e convença as pessoas a mudarem a lei.

  • Antonio Fonseca

    Continuo defendendo que trata-se apenas da sua tese, mesmo no Br. 🙂

  • Antonio Fonseca

    É interessante que você tocou no caso brasileiro, na minha modestíssima opinião por aqui existe uma verdadeira indústria do dano moral que onera desnecessariamente o judiciário.

    Muitos advogados instruem de forma temerária seus clientes, interessados tão somente em cobrar honorários para acompanhá-los à algum juizado especial. Não importando se existem ou não elementos suficientes para uma reclamação.

    Mas é claro, aqui é apenas a minha opinião.

  • Alexandre Weimar

    Imagina processar o fabricante do carro por ter estragado por causa de gasolina ruim…


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: