Performance dos novos iPads Pro frente ao novo MacBook Pro de 13″ — configurado “no talo” — impressiona


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
15/06/2017 às 11:17

Ano a ano, a Apple se gaba bastante dos avanços que tem conquistado no desenvolvimento dos chips que equipam iPhones e iPads. E ela tem razão e todo o direito de fazer isso, porque os saltos realmente são fenomenais.

Prova disso está num comparativo feito pelo Bare Feats entre os novos iPads Pro (tanto de 10,5 quanto de 12,9 polegadas) e o novo MacBook Pro de 13″ — este configurado “no talo”, com processador Intel Core i7 de 3,5GHz (com Turbo Boost até 4GHz), 16GB de RAM LPDDR3 de 2.133MHz e 1TB de SSD. A maquininha sai por US$2.900 lá fora, o suficiente para comprar três(!) iPads Pro de 10,5″ Wi-Fi com 512GB de capacidade e ainda sobrar um trocado.

O Bare Feats também jogou no comparativo o MacBook Pro de 13″ anterior (modelo de 2016), com processador Intel Core i7 de 3,1GHz, e os dois iPads Pro anteriores (o de 9,7 polegadas tinha sido lançado em 2016; o de 12,9 polegadas, em 2015).

Mas vamos, finalmente, aos testes:

CPU no Geekbench 4

Este talvez seja o teste “mais justo” de todos, visto que estamos falando de um MacBook Pro sem GPU dedicada (e sim a Intel Iris Plus Graphics 650). O laptop ainda fica na frente dos tablets, mas não com uma margem lá tão folgada; no teste multi-core, então, os iPads encostaram legal.

Bare Feats - iPad Pro vs. MacBook Pro

Bare Feats - iPad Pro vs. MacBook Pro

Compute (Metal) no Geekbench 4

Aqui os iPads Pro já superam bem o MacBook Pro, ainda mais considerando que os ganhos dos chips da Apple na parte gráfica são bem mais significativos do que em processamento. Seria curioso, é claro, colocar nesse comparativo também um MacBook Pro de 15″ com GPU dedicada.

Bare Feats - iPad Pro vs. MacBook Pro

GFXBench Metal

Neste teste, então, os iPads Pro dão realmente um banho.

Bare Feats - iPad Pro vs. MacBook Pro

Bare Feats - iPad Pro vs. MacBook Pro

·   •   ·

Isso tudo mostra que sim, são grandes as chances de vermos a Apple adotando processadores próprios em Macs num futuro não muito distante. A Intel que se cuide…

Sem falar, é claro, que junto às novidades que o iOS 11 trará está mais do que provado que o iPad Pro tem agora total capacidade para substituir PCs/Macs para muita gente.

via Laptop Mag

Posts relacionados
Comentários
  • Carlos Henrique Nunes

    O que mais me impressiona não é o fato de o desempenho do A10X estar próximo ao do processador da Intel, mas sim pensar que provavelmente em setembro será lançado o A11.

    A Intel deu uma diminuída no ritmo de inovação nos últimos anos e seus concorrentes diretos (AMD e IBM) e indiretos (Apple, e outros fabricantes de CPUs ARM) estão se aproximando!

  • Junior

    Impressionante. Acho que o único obstáculo para a Apple não colocar seus chips nos macs é a arquitetura ARM, devido as compatibilidades.
    Mas imagino que com o microsoft portando o W10 para ARM, isso vai acabar ajudando a própria Apple, pois terá mais “força” com as desenvs fazendo sistemas para essa arquitetura.

  • Junior

    Pois é….a Intel “sentou” no seu próprio sucesso…..isso fez dar uma parada no tempo.

  • A Apple já teve ter um macOS para ARM sendo desenvolvido em paralelo há anos tal como fez na transição PowerPC»Intel. Acho que o mais importante é justamente o que você citou do Windows, para que não haja a perda do Boot Camp e de soluções de virtualização como Parallels e VMware. Voltar a ter que emular seria ruim.

  • Junior

    Sim…..também acho que a Apple tem um macOS para ARM no “forno”. Porem muitos usuários necessitam dos sistemas da M$ (Windows….Office), e com ela fazendo a portabilidade, a Apple acaba ganhando, além da força que a arquitetura ARM ganhara no mundo do desenvolvimento, pois fazer sistemas ARM acabará sendo um mercado mais forte, sendo que ja temos Android / iOS nisso.

    Eu particularmente torço muito para isso….imagino a computação móvel muito mais potente e eficiente com essa movimentação.

  • jaciok

    O iPad Pro é mais potente que o meu MacBook Pro 2016? Caralho, eu tô muito assustado KKKK

  • Luciano Andre

    A Micro$soft já está brigando com a Intel para poder emular a arquitetura X86 dentro de processadores ARM. Isso facilitaria a vida de todo mundo e permitiria a migração do Windows é do macOS para processadores ARM. Se lembrarmos da migração para x86, existia a Rosetta para garantir a compatibilidade usando emulação, o que permitiu vender os novos equipamentos mesmo sem ter Applicativos criados na nova arquitetura. Sem isso a transição seria bem mais complicada. A questão é que a Intel não é boba e nao permite isso.

  • Lee

    Ainda mais ansioso para comprar o iPad Pro de 10.5″. Alguém sabe quando estará disponível?

  • No Brasil? Em julho.

  • Alexander

    O ipad pro realmente impressiona na força bruta. Um detalhe deixado de fora e que confunde muitos leigos que comparam o i7 do mbp de 13″ com o i7 de um desktop é que o i7 do mbp 13″ é apenas um dual core enquanto no desktop (e no mbp 15″) é quad core. De qualquer modo, só mostra que o ipad pro, mesmo o 2015, poderia rodar o macos fácil, potência não falta

  • Caso num futuro haja a possibilidade de um macOS rodando em ARM, quais as chances de vermos aplicativos do iOS nos computadores da maçã?

  • Marcio Vianna

    Essa possibilidade já está sendo construída.
    Sistemas e softwares em 32 bits já estão em via de serem descontinuados.
    O compilador, Clang, já é um compilador multiplataforma – arm64 e amd64.
    A Apple já usa um framework multiplataforma, o UX, há dois anos em seu aplicativo Fotos – o mesmo código-fonte e o mesmo código-gráfico é usado em ambos os sistemas iOS e macOS.
    As API estão anualmente tornando-se unificadas.
    Perceba que é uma construção.

  • Marcio Vianna

    Boa tarde, me permite a discórdia?
    A Apple não tem e nem tampouco terá um macOS para ARM.
    A Apple tem trabalhado na linha de equivaler e unificar seu framework.
    Senão, vejamos:
    Framework – desde a WWDC de 2013 a Apple apresenta a Sessão “State of Union” em que é demonstrada a relação entre o macOS e o iOS. Se fizer hoje um estudo das API disponibilizadas quase 80% já são unificadas e esse número tem crescido anualmente.
    Compilador – o Clang já nasceu multiplataforma – arm64 e amd64. Todo código-fonte, repita-se o mesmo código-fonte sem qualquer alteração, pode ser compilador nativamente para as duas arquiteturas de processamento.
    Framework gráfico – há dois anos a Apple já possui um framework gráfico unificado, o UX, que é utilizado pelo Fotos, o mesmo app é usado tanto no macOS quanto no iOS.
    Códigos para arquitetura 32 bits estão sendo descontinuados – tanto no iOS (agora) quanto no macOS(julho – 2019).
    Perceba que em poucos anos a infraestrutura entre os dois sistemas será equivalente e bastará uma pequena modificação no SDK para que os softwares e os recursos do sistema operacional sejam universais, disponíveis a ambas arquiteturas de processamento, tanto arm64 quanto amd64. Não haverá necessidade de “fazer um macOS para ARM, pois os códigos poderão ser compilados nativamente para ambas arquiteturas. Telas e sistemas com suporte a toque apenas exibirão a mesma interface só que em modo “tela cheia”. Essas modificações já podem ser desfrutas hoje quando você programa um Game para iOS, a única alteração necessária é que altere as referencia para o controlador do jogo (teclado – toque) pois o controlador via joystick já é unificada. Essa é a tendência: menos (distinção entre sistemas) é mais (ganho de mercado).

  • Dersão Rodrigues

    Será que esse é o preço que a Intel irá pagar por negar ao Steve Jobs o desenvolvimento de chips para o iPhone? De anos em anos os smartphones ganharam um poder de fogo incrível e vendo isso a Apple estaria focando em desenvolver seus chips não somente para rodar iOS mais rodar outro sistemas como o MacOs e consequentemente até um aprimoramento maior na realidade virtual?

  • Marcio Vianna

    Capacidade de processamento em arquitetura CISC – amd64 já é um ponto superado. A Intel e mesmo a AMD são capazes de produzir uma unidade de processamento que facilmente rodaria a seis ou mesmo oito GHz.

    Agora que código utilizaria essa capacidade?

    Atualmente um código não utiliza mais do que 60 a 80% da capacidade disponível e aumentar ainda mais a capacidade de processamento seria um investimento desnecessário.

    A tendência é de as unidades RISC – arm64 encostarem, não por incapacidade da outra, mas por desnecessidade.

    Eu não vejo esses números com qualquer espanto.

  • Pedro Cohn

    Pessoal comparando com Intel, válido..Mas acho que o segredo não é o processador que é melhor, mas sim a compatibilidade. Os AX são feitos especificamente para rodar em um sistema operacional. E o sistema operacional é feito para rodar em um sistema de chips. Ai que está o pulo do gato. Não é que a Intel está fazendo chips menos potentes, é que o sistema fechado da Apple mais uma vez se mostra superior!!

  • Eu só queria que os iPads não precisassem mas de um notebook para fazer a sincronia com iTunes..
    Poderia tudo ser feito no próprio iPad…!!
    O que falta pra isso se realizar?

  • Victor Moreno

    Espero que estes iPads Pros que foram lançados rodem bem o iOs 13..14… por que ao contrário de um PC…. eles ficam lento com o tempo bem rápido…

  • Bacana sua explicação @disqus_oE3Va4Xt7g:disqus, mas em seu outro comentário vi que disse que a Apple não vai trilhar o caminho do macOS rodando em ARM, será? Afinal, sabemos o quanto a empresa é controladora, sempre buscando produzir a maior quantidade de componentes possíveis.

  • Como assim? O que você faz que ainda precisa do iTunes?

  • Pra salvar as fotos, músicas e docs precisa de um notebook pra sincronizar. Poderia ser feito tudo no próprio iPad, não?

  • Marcio Vianna

    Olá!

    Esse “produzir” não é bem como é disseminado pela imprensa.

    As unidades de processamento são otimizadas pela engenharia da Apple, mas são projetadas pela ARM. Esse é um ponto que sempre causa divergências nas discussões técnicas. Após essa otimização a Apple encomenda a produção de suas unidades.

    Levar essa mesma prática à uma indústria (profissional) já constituída é deveras diferente de iniciar uma prática em algo que estava sendo construído. Veja a colossal resistência que a Microsoft tem enfrentado para migrar de um modelo de plataforma aberta para fechada. Não há necessidade desse desgaste. Basta fazer o que fizeram já esse ano separando as abordagens. Na plataforma “quase aberta” amd64 (iMac) até personalização de componentes (processador – memória – disco rígido) permitiram. Na plataforma fechada arm64 (iPhone – iPad) segue como está. Mesmo porque se o código futuramente poderá ser compilado para ambos, não há necessidade de alterar sistema, o MacBook é o único mercado que ela perderá, aliás já está perdendo mesmo, e será substituído progressivamente pelo iPad linha Pro, que sejamos sinceros: não é barato.

  • Renato

    Quero ver reescrever todo o macOS em ARM e fazer rodar com esta mesma pontuação no iPad!!!!
    Na verdade nem conseguiria um boot de tao lerdo que ficaria….

  • lucaspetes

    já aconteceu.

  • Seria ótimo termos um único sistema ou até dois que se comunicam…

  • Juan

    O comentário mais elucidativo… és developer?

  • Lee

    Obrigado!

  • Marcio Vianna

    Dois que se comunicam plenamente já temos.
    Termos uma única infraestrutura de software será ótimo!

  • Marcio Vianna

    Não profissionalmente.
    Brinquei bastante disso na adolescência e na juventude e conhecimento não se perde. Sem muita dificuldade quanto se tem conceitos sólidos dá pra analisar engenharia de programação até hoje.

  • Paul

    Não, ñ é. Seu Mac tem um sistema real, o iPad Pro ñ.

  • Rob Simões 

    A última vez que eu usei o iTunes pra sincronizar alguma coisa no iPhone ou iPad foi no iOS 4.

  • Don Corleone

    Penso que, vez vez, a Apple criou um híbrido…meio notebook meio tablet…

  • paulobr

    Na verdade não é precisa.

    Mudanças feitas no Mac OS X a anos permitem que a Apple rode ele em cima de qualquer coisa, sem grandes mudanças!
    Na verdade o iOS já é um Mac OS, mas com interface touch 😉

    É que esse tipo de informação mais técnica acaba ganhando menos divulgação do que “novos icones flat”.

  • paulobr

    Não entendi.
    Salvar onde? No iCloud pode fazer tudo direto pelo iPad.

  • iCloud ou qualquer outro serviço na nuvem.

  • Renato

    Não vou nem listar os recursos que temos no macOS e não no iOS pq não caberia no post, e isto não inclui aplicativos e recursos de terceiros.

  • paulobr

    Sim, o iOS é um sistema especializado. Ou seja, é feito para rodar apenas em um dispositivo específico, e não em um vários como o Mac OS. A Apple retirou do iOS tudo que não considera estritamente necessário, como por exemplo instalação de impressoras, e outros hardwares que podem ser facilmente instalados em um Mac.

    Mas veja que a Apple retirou tudo isso do sistema para torná-lo mais leve e menor. E algumas coisas por não ter achado a melhor forma como colocar em um sistema touch. Como algo banal como copiar e colar, que no iOS só apareceu algumas versões depois do primeiro sistema, mesmo todo mundo sabendo que já deveria ter na versão 1.0.

    Então não se trata de reescrever tudo, e sim ver a utilidade em um aparelho que nem tem porta USB, e a melhor forma de utilizar no touch.

    Ainda acho que as coisas estão sendo implementadas muito lentamente no iOS. Só agora na versão 11 teremos um Finder, e ainda assim, me parece que faltará algumas funções importantes nele. Mas isso não tira o fato de que a Apple pode migrar para qualquer processador, apenas com poucas alterações em seu sistema.

  • Paulo Magrani

    Porque o iPad e o iPhone não podem acessar os arquivos do Aiport Time Capsule? Será que no iOS 11 será possível?
    Ele deveria estar se referindo a salvar em HDD local e ao invés de serviços na nuvem, não?

  • Paulo Magrani

    Ok e se capassem o macOS e rodassem o comparativo??? E incluíssem o MBP15 2017″
    O Surface deve utilizar um sistema bem capado tbm, certo? Deve ser um comparativo mais real entre os dois

  • Paul

    O q? Realmente ñ entendi seu comentário. O que os Surfaces tem a ver aqui, já que os msms rodam o Windows 10 FULL?
    Como capariam o macOS, já que o msm é um sistema ”real”?
    Essas comparações são artificiais, pois como já falei o iPad Pro roda iOS, e o msm é um SO Mobile CHEIO de limitações.
    Não acredite em tudo que a Apple ou esses benchmarks mostram, são só testes genéricos.

  • Paul

    ”Na verdade o iOS já é um Mac OS, mas com interface touch…”

    Não cara! O iOS já mais limitado que o Android, imagina o macOS. O msm ñ passa de uma variação extremamente capada do macOS. Que comparação é essa? Vc ñ sabe do poder que o macOS e Windows (sistemas DESK) têm pra falar uma coisa dessas, só pode.

  • Mavericks

    O iOS é uma versão simplificada do MacOS, sim.

  • Paulo Magrani

    Então não da para comparar alhos com bugalhos, certo?
    O iOS nunca será um macos.
    E não tem como comparar o A10X e o próximo iPhone com A11 será ainda melhor e deixará o A10 no chinelo e por aí vai…
    E comprar o A10X com o Core i7 dual core e com quad core dos MBP 13 e 15… não tem nada haver!!!
    Verdade que o iOS 11 pode ser o começo de um avanço em soluções mais profissionais

  • Bruno

    Depois dessa o caminho está aberto para um possível novo MacBook Air com CPU ARM A10X !

  • Bruno

    Já foi feito há muito tempo ! E se você tiver um iPhone ou iPad, já está na sua mão ! 😉

  • Renato

    Partiu vender meu MacBook já que posso usar um iPad para executar todas as tarefas que executo no Mac. Sqn 😉

  • Jaime Camargos

    Meu velho iPad 3 já substituiu meu MacBook Air há muito tempo. Ele serve apenas para rodar o Windows 10. Agora… substituir o iMac 27 i7 rodando FCPX, Motion e fazendo um montão de filtros no Lightroom? Kkkkk, vai demorar muito, mas muito ainda. O i7 atolado de memória engasga! Sem chance. Contudo, vou colocar as mãos no novo 10.5 logo logo. É a maquininha que estou esperando à tempos desde de que comprei o iPad 3. Agora sim… Vale a pena trocar.

  • O núcleo dos dois é o mesmo, o Darwin. A interface gráfica dos dois é diferente, um otimizado para mouse/teclado e outro para toque dos dedos.
    Assim como o OS X foi compilado em x86 e PPC durante anos, você acha mesmo que não há nenhuma versão do macOS compilada para ARM nos laboratórios da Apple rodando em notebooks com CPUs dessa arquitetura?
    Olha para o Windows 10 ARM rodando no Qualcomm Snapdragon 835 abrindo o Photoshop CC 2017 compilado para X86-64 com performance honesta e depois repensa seu comentário.

  • Os núcleos são os mesmos, o Darwin. O que está em volta é o que muda. Em essência, são sim o mesmo sistema.

  • Então imagina o macOS otimizado para rodar em CPUs ARM personalizadas da Apple como não vai ficar mais rápido ainda que rodando em Intel.

  • Pedro Cohn

    Eu chuto o famoso 2X! Já até posso ver no Keynote os gráficos com o triangulo recheado de um 2x ////
    https://uploads.disquscdn.com/images/5e506c8fa2a191e39e10a4f503df007fd0f28b153ff4d53c1db72d477983ab41.jpg

  • Paul

    Então, seguindo essa linha, podemos dizer que o Windows Phone é o msm Windows do PC. Para né…

  • Paul

    Vc sabe que ñ é ”Windows 10 ARM” né? É o Windows 10 normal rodando via emulação no SD 835. A Intel já tá no cangote da MS e da Qualcomm, pois as patentes são da msm.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: