Apple amplia o uso de “privacidade diferencial” para obter dados úteis que poderão melhorar seus produtos/serviços

Imagem de destaque


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
07/07/2017 às 16:55

Há pouco mais de um ano, na Worldwide Developers Conference (WWDC) 2016, a Apple anunciou que passaria a usar uma técnica desenvolvida há cerca de uma década, chamada de “privacidade diferencial” (“differential privacy”).

Acredite você na Apple ou não, há anos a empresa orgulhosamente se gaba de não violar a privacidade dos seus usuários de forma a obter dados que a ajudem a aprimorar produtos/serviços. E essa técnica vem justamente para “resolver” isso, já que funciona de forma totalmente anônima e ainda é opcional.

O uso da técnica pela Apple começou cobrindo apenas quatro áreas e, no iOS 10.3, passou a incluir também (de novo: opcionalmente) dados do iCloud.

Agora, conta o Wall Street Journal [matéria fechada para assinantes], a Apple está de novo expandindo o uso de privacidade diferencial para incluir também histórico de navegação na web e dados gerais de saúde.

Mas uma coisa que achei particularmente interessante, na reportagem do WSJ, foi este graficozinho que explica bem como funciona a tal da privacidade diferencial:

Como funciona a privacidade diferencial

Eles basicamente usam um exemplo fictício de um condomínio de 100 moradores onde precisa-se fazer uma pesquisa usando privacidade diferencial. Dos 100 questionários, 10 têm a pergunta “Você fuma maconha?” trocada por “Jogue uma moeda e responda ‘sim’ se der cara”. Ou seja, imaginando que o questionário por exemplo pergunte também a cor do carro do morador e que aconteça de haver apenas um único carro azul no condomínio, não há como saber se o dono dele recebeu o questionário trocado ou não.

E não é só a Apple; empresas como Microsoft e Uber (e até o Google, em menor escala) também já têm feito experimentos com privacidade diferencial, até porque, se você for perguntar para usuários, eu até imagino que muitos diriam não se importar em ter sua privacidade violada em prol de melhores produtos/serviços, mas tenho certeza de que eles prefeririam que isso não fosse necessário.

Aos interessados, as configurações referentes a isso, no iOS, ficam dentro de Ajustes » Privacidade » Análise:

Ajustes de privacidade (diferencial) no iOS

Imagem: Placeit

E você aí, o quanto se preocupa com isso?

via iDownloadBlog

Posts relacionados
Comentários
  • Guilherme

    Legal.

  • Minha preocupação com privacidade é moderada, restrinjo de todas as formas possíveis nas configurações do Google, facebook, no navegador, etc, mas também não fico paranoico. Sou cidadão de bem, não faço coisas erradas, mesmo que eu não consiga evitar que espiem algumas coisas, não tem nada que possa me prejudicar.

  • Uma coisa disso que me irrita é pesquisar sobre algo na internet e em seguida começar a inundar de propaganda sobre aquilo.
    Já vi relatos de amigos dizendo que receberam publicidade de coisas relacionadas à conversas deles no WhatsApp.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço acima é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido). Em caso de insistência, o usuário poderá ser banido.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: