Apple esclarece que iPhones mais recentes nem sequer possuem chip receptor de rádio FM; entenda a polêmica


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
29/09/2017 às 09:20

A polêmica não é nova — nós falamos sobre o assunto aqui no site em fevereiro, quando o presidente da FCC1 sugeriu a ativação de receptores de rádio FM embutidos em iPhones.

A alegação dele gira em torno de que muitos smartphones têm a capacidade de receber transmissões de rádio FM através de receptores embutidos em seus modems LTE — mas por algum motivo, as operadoras e as fabricantes preferem manter esse recurso desativado, deixando apenas a opção de ouvir rádio via streaming (online). Na época, Ajit Pai comentou existe uma gama de benefícios em ativar os receptores, como economizar tanto bateria quanto os dados do celular, além de também poder usá-los em situações de emergências quando não há sinal de operadora/internet.

Nesta semana, por conta das passagens dos furações Harvey, Irma e Maria (que devastaram Porto Rico e partes do Texas e da Flórida), o executivo voltou a bater nessa tecla, praticamente implorando para que a Maçã ative a função de rádio FM nos iPhones soltando uma atualização de software para os dispositivos.

O apelo faz sentido? Faz. Muito. A Bloomberg noticiou, por exemplo, que o DJ Nio Fernandez transmitiu informações sobre o furação Irma por 19 horas seguidas, em espanhol, nos estúdios da rádio Maxima (92,5) em St. Petersburg (na Flórida), a fim de manter as pessoas presas em suas casas — e sem energia elétrica ou sinal de operadora/internet — devidamente atualizadas sobre as condições locais. Ou seja, nesse caso, a rádio era a única forma de comunicação disponível para você ficar por dentro dos acontecimentos à sua volta.

A Apple, engajada do jeito que é [1, 2, 3], não poderia negar algo tão fácil quando soltar uma atualização para ajudar milhares/milhões de pessoas numa hora de aperto dessas, não é mesmo? Mas não é bem assim…

Passagem do furacão Irma em Bonita Springs, na Flórida | Imagem: Daniel Acker / Bloomberg

Passagem do furacão Irma em Bonita Springs, na Flórida (Imagem: Daniel Acker/Bloomberg)

A empresa deu a seguinte declaração ao iMore:

A Apple se preocupa profundamente com a segurança dos nossos usuários, especialmente em tempos de crise, e é por isso que criamos soluções modernas de segurança em nossos produtos. Usuários podem discar para serviços de emergência e acessar informações do cartão de identificação médica diretamente da Tela de Bloqueio, e nós habilitamos notificações de emergência do Governo, que vão desde avisos meteorológicos até alertas AMBER2. Os iPhones modelos 7 e 8 não possuem chips de rádio FM nem antenas projetadas para suportar sinais FM, portanto, não é possível habilitar a recepção FM nestes produtos.

Essa resposta, por si só, já acaba com a ideia de Pai pelo simples fato de serem os smartphones mais recentes da empresa. Contudo, Rene Ritchie, editor do iMore, ainda levantou outras questões importantes que envolvem essa simples liberação de uma atualização para ativar a transmissão de rádio FM em iPhones mais antigos.

Mesmo que fosse possível simplesmente ligar uma chave e ativar o recurso, há muita coisa a ser ponderada como: esses chips podem não estar conectados de maneira que a transmissão de rádio FM seja possível; se estiverem, tal mudança provavelmente exigiria uma atualização no firmware do chipset sem fio. Levando em conta que isso poderia mesmo ser feito, a funcionalidade de rádio teria que passar por diversos testes a fim de garantir que não interferisse na recepção celular, no sinal Wi-Fi, no Bluetooth e no NFC. Aí, sim, depois desse processo todo, poderíamos ver uma atualização focada no recurso sendo liberada para iPhones.

Isso mesmo, iPhones; pois, se analisarmos o cenário Android, as dificuldades seriam ainda maiores. Algo que para a Apple é “simples” (uma liberação de atualização de firmware) é complicadíssima para fabricantes do mundo Android. Resumidamente, elas dependem diretamente de parceiras como Broadcom, Qualcomm, Intel ou alguma outra empresa responsável pelo chip em si para que essa atualização seja feita, bem como de operadoras do mundo todo para que updates sejam disponibilizados para usuários.

Uma outra opção seria, num momento de desespero como esse, conectar um acessório com um antena para receber os sinais FM. Mas até isso atualmente é complicado quando estamos falando de smartphones como iPhone, Pixel 2 (que será lançado na semana que vem), Essencial e outros que não contam mais com a saída de áudio de 3,5mm (era por ela que esses acessórios se conectavam facilmente).

Que é possível, é — não nos novos aparelhos, como a Apple deixou bem claro. Mas definitivamente não é algo tão trivial como imaginávamos…

Notas de rodapé

  1. Federal Communications Commission, ou Comissão Federal de Comunicações, o equivalente à nossa Anatel.
  2. Acrônimo para America’s Missing: Broadcast Emergency Response, ou Desaparecimento na América: Transmissão de Resposta de Emergência.
Posts relacionados
Comentários
  • Jhonatham Matos

    Na minha opinião o que na verdade seria obrigatório ter em todos os celulares seria um sistema PTT HDX, pois isso sim pode salvar uma vida.

    Agora um sistema de rádio simplex nunca permitirá alguém pedir socorro, ou informar sua localização. Se estiver em um local isolado, ou ferido o simplex só irá colaborar em criar pânico e desespero na vítima.

    Ainda mais com esses doidos ameaçando guerra nuclear todo dia quase, um sistema PTT HDX sem necessidade de operadora mudaria tudo. O problema é que não colocam isso nos smartphones porque as operadoras perderiam rios de dinheiro.

  • Eliézer Madeira De Campos

    “(…) muitos smartphones têm a capacidade de fazer transmissões de rádio FM (…)”. No caso, capacidade de receber transmissões de rádio FM. Quem faz a transmissão do sinal é a antena da rádio.

  • Cassio Eskelsen

    Colocar o Android no meio da discussão apenas para apontar o dedo ficou meio estranho já que a maioria absoluta dos Androids tem FM, sendo que alguns nem precisam conectar o fone de ouvido para funcionara como antena.

  • Cassio Eskelsen

    Cara, botar qualquer PTT HDX em um Smartphone deixaria ele gigante, independente se ele for em frequência faixa do cidadão ou VHF/UHF. Smartphones só são diminutos pois podem contar com uma antena da operadora em distância curtíssima e com isso também podem trabalhar em frequências mais altas o que exige uma antena diminuta
    Comunicação peer to peer via RF é muito mais complicado, exige circuitos de potência com componentes maiores e uma antena maior também.

    Quem vive em áreas com constantes desastres como aqui em Blumenau sabe que ter informações via AM ou FM ajuda muito sim a coordenar a população, isso não é nenhuma fonte de boato já que não é qualquer um que tem acesso à uma FM, ao contrário da internet onde qq um pode falar bobagens e assustar a população. Nos últimos eventos catastróficos tenho visto a Defesa Civil tendo que perder cada vez mais tempo para desmentir boatos que circulam na internet durante a crise.

  • Dion Lima

    Ia comentar a mesma coisa…

  • Jhonatham Matos

    Convenhamos, essa área hoje só não possuiu uma tecnologia muito mais avançado porque ela cada vez mais é deixada de lado.

    Se houvesse investimento nessa área, assim como teve na área de smartphones, daria sim muito bem pra ter ambos unidos (isso se as operadoras permitissem).

    Se olharmos com uma olhar básico, lógico que seria ficção… Assim como a 15 anos atrás era ficção imaginar os devices que temos hoje.

  • Dion Lima

    Isso aí, inviável para um smartphone

  • Cassio Eskelsen

    Sim, realmente, não existe uma Apple ou Samsung da comunicação CB/VHF e pode ser talvez tivéssemos componentes ao menos um pouco menores mas mesmo assim, esse tipo de comunicação ainda é muito utilizada para fins militares e rola muita grana nesse mercado. O suficiente para termos muitos avanços.
    Hoje é possível ter um rádio quase completo em um circuito relativamente pequeno como DRA818 (dá uma googlada) mas ainda é necessária uma antena e esse circuito fornece menos de 900mW de potência

    Talvez, com casos como o de Porto Rico que está completamente sem celular o pessoal acorda para a vida e deixa de achar que o sistema de celular é confiável nesses casos e retoma o investimento em RF “pura”

  • Isso, corrigimos.

  • Jose Paulo

    Pensei que ela fosse reclamar que a tecnologia tem uns 100 anos e ela não curti.

  • Marcos

    Opa, temos mais de um Blumenau aqui no Macmagazine uhullll

    Pior q o povo inventa cada coisa que só atrapalha. Em 2008 na região do Progresso ficamos 4 dias sem energia, só as rádios q ajudavam.

  • Não é a maioria. A começar pela maior fabricante de todas, a Samsung, que não ativa o receptor FM desde o S3.

  • Jhonatham Matos

    Isso seria realmente muito bom. Imagina pegar uma empresa do tamanho da Samsung e investir pesado nessa área. Tenho certeza que em questão de anos teríamos dispositivos incríveis.

    As empresas só precisavam pensar um pouco menos em grana e um pouco mais em realmente ajudar as pessoas, que desta forma elas fariam coisas incríveis.

  • Cassio Eskelsen

    No caso da Samsung ele está lá, basta instalar a APP. Mesmo os mais novos tem.

    As demais marcas LG, Lenovo, Xiaomi, HTC tem. O Google Pixel não tem mas o market share dele é irrelevante.

  • Cassio Eskelsen

    Pois é, em 2008 aqui na região só mesmo as rádios salvaram e os radio-amadores para coordenar. Lá na região do Baú até hoje não tem sinal de celular em algumas áreas e em caso de emergência só rádio.

    Quando mais montanhosa a região mais crítico fica isso.

  • Não fico sem FM no celular, nunca. E o meu atual Motorola Moto G5 Plus que transmite FM pelo auto-falante sem precisar nem de antena (ie: fone de ouvido) é sensacional.

    Aliás o curto período que fiquei com o iPhone 7 antes de pegar o G5 foi o que mais senti falta, de longe.

  • Alexandre Souza

    Ponderando, comprar um rádio a pilha para emergências é tão oneroso assim? Ter um smartphone com rádio em uma catástrofe vai adiantar muito, duração de bateria de 24hs(to chutando lá em cima) depois disto fazemos o que?

    Montamos um para-raios e contamos com um relâmpago para nós fritar, ops digo carregar o aparelho?

    Opa, mas podemos ter um destas baterias de carga extra, eu tenho quatro, nunca lembro onde pus estas merdas, já o radinho eu lembro………

  • Renato

    Se quiser rádio pague AppleMusic (Ou outro serviço) seja no iPhone ou Quase todos Androids.
    Todos só se importam com lucros, fato!

  • Igor Flores

    Então os iPhones 11 terão rádio? Não. Isso impactaria certamente o consumo de musicas na loja e também do Apple Music. É por isso que o iPhone nunca teve rádio.

  • Cassio Eskelsen

    Eu também sou favorável a ter devices dedicados (por isso tenho GPS da Garmin, por exemplo) e com certeza um rádio FM dedicado é muito melhor, até pq carregar uma pilha AAA é possível até com um carregador girado com uma manivela.
    O problema é que por incrível que pareça está cada vez mais difícil de achar um rádio para comprar. Dias atrás, antes do Furacão Maria eu estava lendo um post de um americano que teve que ir em muitas lojas para achar um e não era nem questão de estoque esgotado, não havia mesmo.
    E outro detalhe, celular sempre está com você e você sempre (ou quase sempre) lembra onde deixou ele,rs.

  • Lucas Henrique

    Ta, mas todo Android tem rádio FM, ou não?

  • Bruno Martins Mendes Vieira

    Sim, pode não ter o app instalado como no S8, mas é so baixar um oficial.

  • Lucas Henrique

    então foi um erro do Eduardo

  • raul ruiz júnior

    no mercado livre tem um monte de radio de pilha pra comprar

  • Saulo Tadeu

    Raramente ouço rádio FM pelos apps via streaming. Tenho um celular mais simples que uso com um fone velho.

  • Mavericks

    ME desculpe Eduardo, mas Rene Ritchie não, né? Se amanhã a Apple decidir que vai prover suporte FM nos iPhones ele já muda de opinião.

    Falando em opinião, na minha ele é um puxa saco imenso.

  • Luciano Tallada Sato

    Bom, mesmo tendo AM/FM no iphone, o dispositivo não é nada útil em um contexto de desastres naturais onde achar uma tomada funcionando para carregar o device é praticamente impossível. A não ser que o sujeito tenho um painel solar portátil nas costas.

  • Luciano Tallada Sato

    É por isso que eu tenho todos os episódios de Man vs Wind no meu iPhone catalogados por topicos, assim consigo sair de qualquer problema antes de acabar a bateria hahaha

  • Luciano Tallada Sato

    Moro no Japão e aqui vc nunca deixará de ver radios sendo vendidos. Aqui tem esses radios 3 em 1 com dinamo, bateria USB e Led. O problema de uma catástrofe e que todo mundo quer usar os celulares ao mesmo tempo, com isso fica praticamente impossível ligar e receber dados. Outro ponto que se deve verificar é que um radio a pilha dura meses se usado pouco e um iphone não dura nem 1 dia. Implantar isso no aparelho de qualquer jeito pensando em catástrofes não vai ajudar em nada.

  • Cassio R Eskelsen

    Depende bastante da situação. Energia elétrica é algo que é rapidamente restabelecido, enquanto que uma torre de celular demora até pq o terreno onde ela estava antes pode não mais existir.
    Além disso é cada vez mais comum as pessoas terem powerbanks, o que pode estender em muito a autonomia.
    Nenhuma solução é garantia de 100%, o lance aqui é ter à mão todas as ferramentas possíveis.

  • Marcos Porto

    Mesmo aqui, funciona muito bem!

  • M7

    Pois é, até meu antigo celular Nokia de 2005 tinha rádio, agora aparelhos de mais de R$ 6.000,00 não tem, sacanagem!!!

  • Eduardo Pires

    jovens que consomem FM no smartphone é nicho puro.
    Não vale a pena pra Apple colocar um chip somente para esse publico.

  • Marcos Porto

    A opção está lá, mesmo que não use, está la. E pode ser usada pelo nicho ou pela exceção catastrófica.
    Talvez tenha virado nicho em muito lugar mas por aqui ainda não.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: