Relatório da Apple compartilha iniciativas da empresa na criação de embalagens mais ecológicas para seus produtos


Caneta Para notificar nossos editores de um erro no post, selecione o texto e pressione Ctrl + Enter.
Por
10/10/2017 às 17:39

De tempos em tempos, a Apple gosta de lembrar ao mundo o quanto é uma empresa — ao menos na sua face pública — preocupada com o meio ambiente e sempre disposta a desenvolver iniciativas para tornar seus produtos e operações mais ecológicos. Dessa vez, a Maçã resolveu tornar suas atenções a um aspecto que, muitas vezes, no nosso afã de pegarmos nas mãos os novos produtos, nos esquecemos: as embalagens.

Caixa do iPhone SE

Em um relatório [PDF] compartilhado hoje, denominado Apple’s Paper and Packaging Strategy (Estratégia de Embalagens e Papel da Apple), a empresa fala um pouco sobre as evoluções que tem posto na sua criação dos invólucros para os seus produtos, compartilhando dados sobre a diminuição do emprego de materiais não-biodegradáveis.

Em um dos primeiros tópicos do documento, a Apple aborda as suas três prioridades para guiar seus esforços na área de embalagens:

  1. Reduzir o impacto na mudança climática usando fontes de energia renovável e priorizando a eficiência energética nos produtos e instalações;
  2. Conservar recursos preciosos empregando materiais com eficiência, usando mais materiais recicláveis e/ou renováveis nos produtos e reavendo estes materiais no final do ciclo de vida dos produtos;
  3. Identificar, desenvolver e utilizar materiais mais seguros nos produtos e processos.

Em um ponto interessante, a empresa fala especificamente da evolução das embalagens do iPhone, o produto mais vendido da Apple e, portanto, aquele que mais produz lixo com embalagens. Enquanto a caixa do iPhone 6s utilizava duas bandejas de plástico empilhadas (uma para posicionar o próprio aparelho e outra para os acessórios), o invólucro do iPhone 7 teve uma mudança de design que permitiu que todos os componentes fossem posicionados com apenas uma peça, diminuindo o uso de material. Além disso, o próprio material utilizado mudou, passando do plástico para uma fibra biodegradável.

Considerando essa mudança, a da peça que envolve os EarPods (que deixou de ser de plástico e passou a ser de papel-cartão) e da fibra que envolve as caixas, a Apple conseguiu evoluir bastante o seu emprego de materiais em apenas uma geração do iPhone, como mostra o gráfico abaixo:

Evolução do emprego de materiais nas embalagens do iPhone 6s e 7

Em seguida, o documento ainda detalha os esforços da Apple em manter florestas sustentáveis para exploração de materiais em dois países: nos Estados Unidos, por exemplo, essa iniciativa está ligada ao The Conservation Fund, como já detalhamos neste post. Já na China, a Maçã fechou uma parceria com a WWF (World Wildlife Fund, uma das maiores ONGs ambientais do mundo) para desenvolver técnicas locais de sustentabilidade.

Tudo muito bonito, mas ainda há espaço para melhora — e a própria Apple reconhece isso, afirmando que continua buscando soluções para tornar as suas embalagens ainda mais eficientes e menos prejudiciais ao meio ambiente. Contanto que a empresa não nos entregue iPhones em sacos de padaria, eu dou meu total e completo apoio a isso; o planeta e as futuras gerações, claro, agradecem.

via 9to5Mac

Posts relacionados
Comentários
  • Allison Macambira

    “Contanto que a empresa não nos entregue iPhones em sacos de padaria…”
    Como Engenheiro Ambiental e Sanitarista, não podia deixar passar essa observação.
    É nesse momento que nós vemos o quanto os consumidores se importam com aspectos pequenos, e até mesmo irrelevantes, para o uso final do produto. Esse pensamento de que produtos luxuosos devem acompanhar embalagens mais luxuosas é o que leva as empresas a criarem esse monte de resíduos totalmente desnecessários, mas que trazem um “que” a mais para o “uso” final do produto.
    Ainda temos muito a evoluir nesse quesito. Mas fico feliz em saber que a empresa pelo menos busca reduzir a quantidade e o impacto de resíduos produzidos nas suas embalagens.
    Um dia a gente chega lá!

  • Bruno Santana

    O que eu quis dizer (que foi, evidentemente, uma piada) não tem nada a ver com luxo ou ostentação, e sim com proteção do produto. Obviamente não dá pra fabricar um iPhone na China e enviá-lo pro outro lado do mundo em segurança num saco de padariaa.

    Se desenvolverem um saco de padaria que proteja totalmente o aparelho e não agrida o meio-ambiente, sou totalmente a favor dele. Vai ficar até estiloso.

  • meduza

    “Contanto que a empresa não nos entregue iPhones em sacos de padaria, eu dou meu total e completo apoio a isso” To chorando aqui kkkk… Boa Bruno!!!

  • meduza

    A embalagem evoluiu mais que o próprio iPhone…

  • Allison Macambira

    Evidentemente sacos de padaria jamais seriam a melhor forma de se armazenar um produto, ainda mais um tão frágil quanto um celular. Não subestime minha inteligência.
    O que quero dizer é que, pelo que compreendi, ao seu dizer, uma caixinhas menos luxuosa, portanto com menos itens, seria uma falha da empresa. Enfim, parece que entendi errado o que você quis dizer, mas a indagação ainda permanece.

  • Allison Macambira

    E que fique claro, quando eu te citei não foi com a finalidade de culpá-lo, e sim, para observarmos o quanto nossos apelos como consumidores influenciam no que nos é entregado, do produto até as embalagens.

  •  knewitz_doug

    Aham que é por sustentabilidade tudo isso, ela economiza muito mais usando essa fibra que com o plástico dos fones. Esse negocio de meio ambiente é muito lindo, mas na prática tudo se resume a dinheiro. Ela gera energia suficiente pra vender com Park, reaproveita toneladas de material de ex iPhones, materiais preciosos como o ouro. E tudo bem, ela fazer isso, contanto que a qualidade não caia.

  • Luiz Fernando

    Mais é lógico que é por dinheiro, nenhuma empresa vai substituir o plástico por outro material se não é economicamente viável para ela. O interessante dessa história é que a iniciativa partiu da própria Apple, em ter um produto “ecologicamente correto” e visualizar justamente os resíduos como uma oportunidade de negócio. Quem sai ganhando com isso é a empresa? Sim, haverá diminuição dos custos de produção, mas o meio ambiente também, uma vez que os resíduos serão reciclados.

  • Patrick Dill

    Nem sempre usar materiais reciclados é mais barato, na maioria das vezes é até mais caro.

  • Luiz Fernando

    Por isso que existe o estudo de viabilidade

  • Pedro Gabriel

    Nego vem comentar coisa óbvia como se fosse um insight, pelo amor zzz


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: