Confirmado: App Store e outras lojas de conteúdo/serviço da Apple passarão a cobrar em reais no início de 2018 [atualizado 3x: preços do Apple Music]


Um rumor de longa data acaba de ser confirmado pela Apple: as lojas de conteúdo da empresa (App Store, iTunes Store e iBooks Store), bem como seus serviços (Apple Music e espaço no iCloud) passarão a ser cobrados em reais, em vez de em dólares, no início de 2018.

Conforme podemos ver na imagem abaixo, a própria Apple começou a disparar emails para usuários avisando sobre a mudança — que, aparentemente, ainda não tem uma data exata para ser implementada.

Aviso da Apple sobre lojas e serviços sendo cobrados em reais

A mudança era mais do que esperada. No começo do ano, Eddy Cue (vice-presidente sênior de softwares e serviços para internet) afirmou que o Apple Music passaria a ser cobrado em reais até o fim do ano. Obviamente, uma mudança dessas não afetaria apenas o Apple Music, e sim todo o ecossistema da empresa (conteúdos e serviços) que hoje são cobrados em dólares.

Em agosto passado, descobrimos que a Maçã havia aberto uma nova empresa (intitulada APPLE SERVICOS DE REMESSAS LTDA), registrada no mesmo endereço da Apple Brasil. A descrição da atividade econômica principal, descrita como “atividades de cobranças e informações cadastrais (código 8291-1/00)”, não deixou dúvidas: o plano estava mesmo sendo implementado e era apenas uma questão de tempo até que tudo se tornasse público.

Um detalhe importante, porém, ainda é um mistério: a Apple ainda não revelou qual será a conversão do dólar para o real nas lojas/serviços. Não sabemos, portanto, por quanto compraremos, em reais, um app que hoje custa US$0,99. A partir da mudança, periodicamente também deverão ocorrer reajustes (para mais ou para menos, é claro) no valor dos conteúdos vendidos pelas lojas online da Apple em nosso país — tal como já ocorre em vários países que operam em suas respectivas moedas locais.

Outro ponto que vale ressaltar é que, mesmo que (hipoteticamente) um app de US$0,99 passe a custar R$4,99 (previsão otimista?), nesses casos a Apple oferece a desenvolvedores a possibilidade de trabalharem com um patamar mínimo de preços inferior ao que é equivalente a US$0,99. Mas isso é algo opcional e cada desenvolvedor precisa habilitar individualmente em suas contas e apps.

Faz muito mais sentido que tudo seja mesmo cobrado em reais, como deveria ser desde o começo. Isso, inclusive, tornará possível cadastrar um cartão de débito para efetuar as compras e assinar serviços. Agora, só nos resta torcer para que a conversão monetária não seja tão prejudicial aos nossos bolsos…

Atualização, por Rafael Fischmann 07/12/2017 às 18:50

Em um segundo email que está sendo disparado hoje, a Apple já revelou o novo preço, em reais, da assinatura mensal do Apple Music:

Preço do Apple Music em reais

Ou seja, os US$4,99 atuais do Apple Music vão se transformar em R$16,90 — nada mau, uma conversão de 3,39x. Não coincidentemente, é exatamente o mesmo valor atual cobrado pelo Spotify Premium.

Veremos se apps seguirão essa mesma taxa…

dica do Matheus Dias‏

Atualização II 07/12/2017 às 21:36

A Apple também está enviando emails para estudantes que assinam o Apple Music, confirmando que o valor de US$2,49 se transformará em R$8,50 — uma conversão de 3,41x.

O valor é praticamente metade do plano individual, de R$16,90 comentado acima. Pelos nossos cálculos, é fácil imaginar que o plano familiar custará R$26,90 (que, “coincidentemente”, é o mesmo valor do plano familiar do Spotify, maior e principal concorrente da Maçã).

Atualização III 07/12/2017 às 21:44

Assinantes do plano família agora começaram a receber o valor plano em reais que, diferentemente do apostado acima por nós, será de R$24,90 — a conversão, nesse caso, ficou em apenas 3,11x, já que o plano família atualmente custa US$7,99.

Preço do plano família do Apple Music

Nada mau, Apple!

Posts recomendados
Comentários

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.


Carregar mais posts recentes

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: