O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Vem aí uma nova internet super-rápida

A internet como conhecemos hoje pode, em breve, se tornar obsoleta, segundo o Times Online. Os mesmos cientistas que trabalharam na sua criação estão agora desenvolvendo um substituto super-rápido, capaz de baixar filmes completos em poucos segundos.

Publicidade

Com uma velocidade cerca de 10.000 vezes mais rápida que uma conexão banda-larga comum dos dias de hoje, o “grid” poderá enviar, por exemplo, toda a discografia dos Rolling Stones de Londres para Tóquio em menos de 2 segundos. Com isso, ele irá proporcionar a capacidade necessária para a transmissão de imagens holográficas, possibilitar jogos online com centenas de milhares de jogadores simultâneos e vídeo-conferências em alta-definição pelo preço de ligações locais.

Internet rápida

O poder do “grid” será testado de fato até o meio do ano, quando os cientistas da CERN (European Organization for Nuclear Research) definiram o “dia do botão vermelho”, no qual eles ligarão o Large Hadron Collider (LHC), novo acelerador de partículas que trabalhará na busca pela origem do universo. O “grid” será ativado ao mesmo tempo, para capturar os dados que ele gerará.

Publicidade

A estimativa é que o LHC gere dados anuais equivalentes a 56 milhões de CDs — o equivalente a uma pilha com 65 quilômetros de altura. Desta maneira, a web como conhecemos hoje — inventada por Tim Berners-Lee no próprio CERN em 1989 — não poderá ser utilizada para tal projeto, pois poderia sofrer um colapso global.

Em comparação com a atual infra-estrutura para a internet, o “grid” foi todo concebido a partir de cabos de fibra óptica e centros de roteamento modernos, eliminando quaisquer componentes desatualizados que possam desacelerar a transmissão de dados. Já existem 55.000 servidores instalados e o número deve subir para 200.000 nos próximos dois anos.

Publicidade

A novidade nos fazer pensar em algo que já foi levantado por aí, há algum tempo. No futuro, com um projeto como o “grid”, as pessoas deixarão de usar seus computadores para o armazenamento local de informações, pois todos os dados estariam na rede, acessíveis de qualquer lugar.

Inicialmente, é claro, a nova tecnologia não estará disponível para usuários domésticos — pelo menos não diretamente. Muitas operadoras de telefonia e grandes negócios já estudam a sua adoção. Outra área de bastante interesse é a de pesquisas acadêmicas, incluindo astrônomos e biólogos moleculares. O “grid” já está sendo usado para a criação de novas drogas contra a malária, por exemplo. Pesquisadores o utilizaram para analisar 140 milhões de substâncias — uma tarefa que demoraria cerca de 420 anos via uma conexão comum atual.

Quanto tempo até isso se disseminar? Deus sabe…

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Momento humor: mulher sem noção fazendo review do iPhone

Próximo Artigo

Confira novas screen-shots do software iPhone 2.0, agora com buscas em contatos

Posts Relacionados