O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

MM na WWDC: keynote de Steve Jobs

O MacMagazine está em San Francisco cobrindo a Worldwide Developers Conference 2008, a convite da PlayTV.

Publicidade

Depois de cerca de duas horas e meia de espera e ansiedade, entramos no auditório principal do Moscone West quase 20 minutos antes da hora prevista para o início da apresentação de Steve Jobs na abertura da Worldwide Developers Conference 2008.

MacMagazine na WWDC 2008 (6/28)

MacMagazine na WWDC 2008 (10/28)

Publicidade

Consegui um lugar na 6ª fila, bem no centro — estava realmente de camarote! Logo atrás de mim, por exemplo, estava Walt Mossberg, famoso colunista de tecnologia do The Wall Street Journal.

MacMagazine na WWDC 2008 (12/28)

Publicidade

Enquanto esperávamos o início da keynote, ao som de músicas dos anos 50 e 60 (belas escolhas!), avistei Tim Cook, COO da Apple; Al Gore, ex-candidato à presidência dos Estados Unidos, integrante da diretoria da Apple; Ron Johnson, vice-presidente sênior de lojas de varejo da Apple; Phil Schiller, vice-presidente sênior mundial de produtos da Apple; e Scott Forstall, vice-presidente sênior de softwares para iPhones.

MacMagazine na WWDC 2008 (14/28)

MacMagazine na WWDC 2008 (17/28)

Publicidade

Às 10h, pontualmente, um locutor pediu que todos desligassem seus iPhones, telefones celulares, PDAs e pagers — motivo de risadas, claro. Menos de 5 minutos depois, Steve Jobs — bastante magro, por sinal — subiu no palco sob muitos aplausos.

Esta WWDC 2008 conta com a participação de 5.200 participantes, um recorde na história do evento, que teve seus ingressos esgotados. Serão 147 sessões no total: 85 sobre Macs e 62 sobre iPhones. Haverá 169 laboratórios práticos durante o evento, que conta com mais de 1.000 engenheiros de software. iFund e Intel são dois grandes nomes que realizarão palestras durante esta semana.

MacMagazine na WWDC 2008 (19/28)

A Apple é hoje constituída de 3 grandes “pernas”: Mac, Music (iPod + iTunes) e iPhone. A keynote se focou apenas nesta terceira. Os desenvolvedores participantes, porém, contarão com uma demonstração especial do Mac OS X “Snow Leopard” (está confirmado!) 10.6 ainda hoje, mas certamente estarão sob NDA, o que significa que não poderão divulgar nada sobre o novo sistema.

Faz apenas 96 dias que a Apple apresentou pela primeira vez o software iPhone 2.0 e seu SDK e, neste período, a companhia contabilizou 250.000 downloads do SDK. Foram 25.000 inscritos no programa beta (pago) lançado pela Apple, mas apenas 4.000 foram aceitos pela empresa. O foco da nova versão são corporações e o desenvolvimento do SDK, além de trazer alguns novos recursos bastante bem-vindos.

O iPhone 2.0 proporciona integração total com o Microsoft Exchange, via push mail, push contacts, push calendars, auto-discovery, global address lookup e remote wipe. A Apple implementou, também, tecnologias de criptografia de dados da Cisco e atendeu a todas as demandas de segurança de corporações para o novo iPhone. Steve Jobs revelou que 35% das empresas da lista Fortune 500 já estão trabalhando em soluções móveis para iPhones.

MacMagazine na WWDC 2008 (22/28)

Scott Forstall foi convidado por Steve para fazer a apresentação do SDK. Segundo ele, a Apple quer que todos tenham acesso às APIs e ferramentas que ela própria utiliza na criação de aplicativos móveis para iPhones. Para os que já desenvolvem para Macs, tudo fica mais fácil, já que o OS X iPhone compartilha muitos dos mesmos componentes e tecnologias do OS X Leopard: Core OS, Core Services, Media e Cocoa Touch.

Desenvolvedores contam com um completo grupo de ferramentas para a criação, desenvolvimento e testes dos seus aplicativos: Xcode, Interface Builder, iPhone Simulator e Instruments. Citações de executivos da Walt Disney Company, InfoWorld, FOX e de David Pogue, do The New York Times, corroboram as qualidades e funcionalidades proporcionadas pelo ecossistema criado pela Apple.

Diversas empresas que já estão com projetos avançados para iPhones foram convidadas para rápidas apresentações durante a keynote: a SEGA apresentou o jogo Super Monkey Ball, que usa o acelerômetro dos iPhones para controlar um macaquinho e estará disponível na iTunes App Store no seu lançamento por US$10; o eBay demonstrou seu software de leilões, gratuito; a Loopt falou sobre seu aplicativo social, também gratuito, que explora profundamente os recursos de localizações do iPhone; a TypePad proporciona mobile blogging gratuitamente; a Associated Press criou uma rede de notícias para iPhones que sabe onde você está e lhe proporciona informações locais, também grátis; a Pangea Software trará dois jogos de US$10 cada para iPhones, Enigmo e Cro-Mag Rally; Cow Music, uma entrante no ramo, desenvolveu um sofisticado software de música com instrumentos virtuais para iPhones; MLB.com proporcionará notícias, resultados e vídeos de jogos de baseball da MLB; MODALITY chega com um software perfeito para estudantes, que explora tudo sobre a anatomia do corpo humano; MIMvista apresentou um software médico ainda mais complexo, perfeito para análise de imagens; e, finalmente, a DIGITAL LEGENDS Entertainment demonstrou um jogo 3D muito bacana, criado em apenas 2 semanas e com previsão de estar 100% até setembro.

Um dos grandes pedidos de desenvolvedores e usuários para iPhone são processos rodando em plano de fundo. A Apple acha que isso não é legal, porque consome bateria em demasiado e compromete a performance dos aplicativos executados em primeiro plano. Para contornar a necessidade, Scott anunciou um novo serviço push de notificações da Apple que, através de uma conexão IP única e persistente, proporciona alertas via badges, sons e popups de texto para os mais diversos programas para iPhones, incluindo softwares de mensagens instantâneas, por exemplo. Estará disponível até setembro.

O iPhone 2.0 trará também buscas em contatos, suporte total ao iWork (Pages, Numbers e Keynote) e ao Microsoft Office (agora também PowerPoint), remoção e movimento de emails em massa, possibilidade de salvar imagens de emails, calculadora científica em modo horizontal, controles parentais, novos idiomas (incluindo português e tecnologia de reconhecimento de escritas chinesa e japonesa — “é a vantagem de se utilizar um teclado virtual”, brincou Steve) com recurso de troca em tempo real, entre outros. Ele estará disponível no início de julho gratuitamente para usuários de iPhones; houve um desconto no preço para “iPod touchers”: custará apenas US$10.

A iTunes App Store promete levar aplicativos para todos os usuários de iPhones, via Wi-Fi, rede de celulares ou iTunes. Apenas aplicativos que pesem mais de 10MB não poderão ser baixados via redes de celulares. Além da App Store, a Apple está desenvolvendo outras duas formas de distribuição de softwares, uma para corporações e outra via ad hoc. Administradores podem filtrar acesso por unidades e disponibilizar certos aplicativos específicos para iPhones.

O MobileMe chegou para substituir o .Mac, como esperado. Ele proporciona o “Microsoft Exchange para o resto de nós”, segundo Phil Schiller, integrando-se com Macs (Mail, iCal, Address Book), PCs (Microsoft Outlook) e iPhones, via push mail, push contacts e push calendars. Todos os dados são atualizados automática e instantaneamente, pelo ar. A interface do serviço — que continua custando US$99 por ano — é totalmente baseada na web, mas proporciona uma incrível experiência desktop. Ele conta ainda, é claro, com galeria de fotos e um iDisk com 20GB de armazenamento. Com previsão de lançamento para o início de julho, a Apple oferecerá uma versão de testes grátis por 60 dias. Atuais usuários do .Mac serão “atualizados” automaticamente, continuarão com suas contas @mac.com e poderão migrar para o @me.com quando bem entenderem.

No próximo dia 29, o iPhone completará 1 ano de vida. Ninguém pode negar que foi um grande lançamento, certamente a maior revolução no mercado de telefones celulares desde — sei lá! — o primeiro aparelho com câmera fotográfica embutida. Dos 6 milhões de iPhones vendidos até hoje — esgotaram-se todas as unidades, no mundo, há algumas semanas –, 90% dos consumidores estão muito satisfeitos com o produto, 98% navegam na internet, 94% utilizam email, 90% trocam mensagens e 80% utilizam 10 ou mais recursos oferecidos por ele — estes são simplesmente números altíssimos!

Para comemorar tais marcas, a Apple anunciou hoje o tão esperado iPhone 3G, com GPS integrado. Mais fino nas laterais, sua parte traseira é totalmente de plástico. A frente continua praticamente idêntica, com a tradicional tela de 3,5 polegadas. A entrada para fones de ouvido agora é a padrão do mercado e seus falantes melhoraram bastante.

A tecnologia 3G proporciona uma conexão sem fio muito mais rápida que a EDGE, notável principalmente em navegações pelo Safari e no recebimento de emails com anexos. Steve Jobs mostrou um vídeo comparativo, lado-a-lado, da página inicial do National Geographic em carregamento: via 3G, o iPhone demorou 21 segundos para terminar. Via EDGE, foram 59 segundos, isto é, o 3G foi 2,8x mais rápido. Apenas em vias de comparação, via Wi-Fi o mesmo aparelho levou 17 segundos; isso significa que, aos poucos, o 3G alcançará a velocidade de conexões Wi-Fi convencionais, a diferença já é pequena atualmente.

O que era um problema há um ano, agora foi solução. A Apple otimizou ao máximo a autonomia das baterias dos novos iPhones, que proporcionarão até 300 horas em modo standby, de 8 a 10 horas em conversação 2,5G, 5 horas via 3G, 5-6 horas de navegação, 7 horas de reprodução de vídeos e 24 horas de áudio. Muito, muito bom!

Aplicativos que exploram os recursos de localização dos iPhones estão bombando. Por isso, com seu GPS integrado, o telefone celular da Maçã conta agora com 3 formas de identificação geográfica para os usuários: triangulação via redes de celular, bases Wi-Fi e GPS. A precisão deste último é tão grande que Jobs mostrou um vídeo de um carro descendo a sinuosa Lombard St., aqui em San Francisco. Deu para ver claramente as curvas para a direita e esquerda do carro em movimento. Demais!

Atualmente, o iPhone é vendido em apenas 6 países, apesar de já estar disseminado — “não-oficialmente” — em todo o mundo. A meta inicial da Apple para o lançamento do iPhone 3G era de chegar a 12 países, com uma possibilidade de esticar o número para 25. Pois ela acaba de anunciar que 70 países o receberão ainda este ano, incluindo o Brasil. Só que nós não o teremos, por enquanto, no próximo dia 11 de julho, quando ele chegará em 22 desses 70 países.

MacMagazine na WWDC 2008 (23/28)

Uma pesquisa da Apple mostrou que 56% dos consumidores achavam o iPhone caro demais, e evitaram comprar o produto. Ela quer acabar de vez com essa insatisfação, e este talvez seja o maior dos anúncios de hoje. O modelo de 8GB agora custa metade do preço anterior: foi de US$399 para US$199. Já o de 16GB sairá por US$299, e contará com um modelo com traseira branca, além da nova preta.

Detalhe: este preço será mundial, de acordo com a equivalência monetária de cada país. Isso significa dizer que, quando aterrissar por aqui, os iPhones de 8 e 16GB custarão, respectivamente, R$349 e R$499, segundo minhas estimativas. Digamos que no Brasil as coisas sejam diferentes (não duvido muito), mesmo pensando em (exagerando bastante) R$699 e R$899, eu só digo uma coisa: o iPhone irá bombar.

MacMagazine na WWDC 2008 (25/28)

Mais tarde tem um videocast para vocês, aqui no BLOG.MACMAGAZINE, fiquem ligados!

Confira todas as fotos da WWDC 2008 no meu Flickr.

MacMagazine na WWDC 2008 (27/28)

MacMagazine na WWDC 2008 (28/28)

MacMagazine e PlayTV

Realização: MacMagazine e PlayTV

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Site da Apple Brasil já foi atualizado com as novidades de hoje

Próximo Artigo

Vídeo da keynote da WWDC 2008 já está disponível no site da Apple

Posts Relacionados