O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

O iPhone 3G está mesmo caro no Brasil?

Não serei hipócrita: é claro que eu gostaria de poder pagar quaisquer R$199 pelo iPhone de 8GB aqui no Brasil, compreendo a esperança que todos tinham de boas notícias da Claro e/ou da Vivo, mas a coisa não funciona assim e, me desculpem, mas nós sofremos com os impostos sim.

Publicidade

Pensando positivamente, qualquer eletrônico que chega de fora tem uma incidência de taxas de pelo menos 60%. Some aos impostos, também, os custos de transporte, lucro da operação nacional, distribuição interna, repasse para fornecedores/distribuidores e o preço final de revenda e aí sim estamos falando de algo realista.

Quem compara o preço daqui com os US$199 dos Estados Unidos está cometendo uma grande burrada. Este preço refere-se ao valor que o consumidor norte-americano pagará pelo aparelho (altamente) subsidiado pela AT&T. E, caso você não saiba, lá a lei permite contratos de fidelidade de 2 anos; aqui, o máximo são 12 meses. A estimativa é de que o modelo de 8GB custe pelo menos US$500 para ela.

Publicidade

É engraçado como, há cerca de três meses, ninguém falava do Nokia N95, que custava R$1.299 no plano Vivo 300. O Nintendo Wii sai por US$250 nos Estados Unidos, mas aqui chega por quase R$2.000. Compare, por exemplo, preços de câmeras digitais Cyber-shot, da Sony.

Se preferirem, podemos comparar o iPhone 3G com outros produtos da própria Apple, vendidos sem contrato de fidelidade e sem subsídio de operadoras. O novo iPod touch de 32GB (US$399) nem tem preço definido para o Brasil ainda, mas seu irmão antigo e defasado sai hoje, aqui, por R$1.449. O Mac mini de 1,83GHz, que lá fora custa US$599, chega aqui por R$1.699.

Publicidade

No final das contas, independente disso tudo, o que ambas operadoras fizeram foi explorar um novo mercado da mesma forma que qualquer um de nós faríamos na liderança de uma delas. A demanda para o iPhone é absurda e o Brasil tem pessoas que pagariam o dobro do que é cobrado por ele, tenham certeza. Estamos no país de terceiro mundo em que mais se gasta com futilidades e itens de luxo — paga-se pela marca, pelo status.

Sem entrar no mérito, neste artigo, de discutir os planos de voz/dados em si, o iPhone 3G não está caro no Brasil. Aliás, sendo o Brasil, está é barato. Resta a cada um ter senso crítico e definir a hora certa de investir no aparelho; não tenho dúvida alguma de que, daqui a seis meses (a TIM demorou, mas vem aí), o cenário estará bem diferente. Enquanto isso, estou vendo como trazer um desbloqueado da Itália pra mim.

[Artigo escrito com a colaboração de Marcos Ribeiro Fernandes.]

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

IDesk, mais uma mesa feita para Mac users

Próximo Artigo

Patente revela extensão do Quick Look para o cursor do mouse no Finder e para o Safari

Posts Relacionados