O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

O novo MacBook Pro dá gosto! Agora, a tela glossy…

Na última semana, testei uma unidade do novo MacBook Pro para o MacMagazine cedida gentilmente pela Apple Brasil — via sua assessoria de imprensa — e pude, finalmente, conferir todas as novidades — algumas odiadas; outras, amadas — e trazer para vocês uma análise do que a Maçã oferece para os exigentes usuários profissionais do portátil. 🙂

Publicidade

A caixa já chama a atenção pelo tamanho reduzido e fácil transporte. Ao tirar o MacBook Pro dela, então… É a certeza de que a Apple levou ao máximo a definição de portátil: fino e leve, o MBP tem espessura de apenas 2,4 centímetros e pesa 2,5 quilos! É inacreditável como os engenheiros conseguiram colocar mais potência num espaço já tão reduzido.

Está tudo aqui, com os conectores apenas na lateral esquerda: entrada para o adaptador de força, portas Gigabit Ethernet, FireWire 800, duas USB, uma Mini DisplayPort (padrão nos novos Macs), slot ExpressCard, entrada/saída de áudio, Bluetooth e Wi-Fi. Na lateral direita, fica o SuperDrive. Com tudo isso, é de se pensar se o Pro pode ficar ainda mais fino (uma versão Air Pro? Vai saber!)…

Publicidade

Os furos feitos a laser no corpo monobloco do MBP são sutis — o botão de liga/desliga agora é um detalhe escondido no canto superior direito. O poderoso trackpad inteiriço de vidro com tecnologia multi-touch e alta sensibilidade é um espetáculo à parte, pois numa peça única são várias as possibilidades de comando, que — acreditem, eu sou um zero à esquerda em comando nos portáteis — se mostrou super intuitivo e de fácil aprendizado. Bastou uma horinha apanhando para usar da forma correta e com tudo a que temos direito. Claro que foi depois dessa uma hora que descobri, nas Preferências do Sistema do trackpad, um vídeo que explica todas essas possibilidades de comando multi-toque — com um, dois, três e quatro dedos. 😛

A tela com acabamento glossy… Bom, vou falar do que acho o mais controverso assunto relacionado aos novos MacBooks: essa bendita tela reflexiva. Entenda: ela é legal e tem um brilho superior (tanto que tive que trabalhar com menos brilho do que normalmente deixo nas configurações), mas ela limita _onde_ você pode usar seu MacBook! Sim, sim, porque para fugir dos reflexos você deve trabalhar num espaço interno e nunca de costas pra uma janela aberta — esqueça a idéia de ir à varanda com “Olha que legal, isso!!”, porque ninguém vai enxergar nada.

Publicidade

Falando de portáteis para uso profissional, então, o assunto deixa muitas dúvidas. É triste pensar que, enquanto isso, ela está dominando toda a linha de produtos da Apple, portanto acho complicado dizer que voltarão atrás nessa decisão. Bye, bye, matte! Então, como dizia aquele “moço” da nossa seleção: vamos ter que engolir!

No quesito bateria, fiquei cerca de três dias usando a placa gráfica mais potente — a NVIDIA GeForce 9600M GT — e ela realmente “seca” a bateria. Tanto que o máximo que pude ficar sem conectar o cabo de força foram duas horas. Era gritante, o gasto, mas mais ainda a qualidade gráfica em todos os aplicativos, com cores mais vivas e nítidas.

No Energy Saver (dentro das Preferências do Sistema), você tem duas opções na seção “Gráficos”: Melhor tempo de bateria (que usa a NVIDIA 9400M) ou Melhor performance (com a 9600M GT, a poderosa). Ao habilitar o melhor tempo de bateria e efetuar o logout, pude sentir a diferença que existe entre elas: a tela ficou um pouco opaca.

detalhe-graficos-mbp

É visível a diferença no uso entre as duas placas gráficas, mas é ótimo ter a escolha entre controlar o uso para o quê e quando precisamos: tratar imagens ou apenas trabalhar com textos e navegar na internet. O processamento do MBP é bem superior, principalmente usando alguns programas da Adobe — InDesign, Photoshop e Illustrator, todos CS4 —, em que pude comprovar a velocidade que ganhei em todas as etapas do trabalho.

Pude observar, também, que o MacBook Pro esquenta bem menos que os anteriores. Instalei o iStat aqui para conferir e, mesmo enquanto a bateria carregava, as temperaturas do HD, GPU e CPU variavam entre 32 e 50 graus Celsius.

Publicidade

Agora vamos à pergunta que não quer calar: “O MacBook Pro vale esse investimento?” É, né, porque pelo preço com que ele chegou a terras brasileiras, temos que encarar como “investimento”: cerca de R$9.000 — e, infelizmente, nada indica mudança nesse panorama de preços altos para os novos produtos Apple.

Respondendo à pergunta acima, portanto: vale sim! Considerando os ganhos em mobilidade, rapidez na produção do trabalho e pensando no MacBook Pro como ferramenta de ponta, vale muuuito investir no novo MBP. Posso ficar com ele pra mim?

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Amarok 2.0 é oficialmente lançado; versão para Mac OS X ainda é beta

Próximo Artigo

VLC Remote possibilita controle do aplicativo multimídia homônimo no iPhone/iPod touch

Posts Relacionados