O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Todo mundo agora tem sua App Store: necessidade ou pura moda?

Tudo começou em julho do ano passado, com a Apple e a sua App Store. Logo depois, várias outras companhias no mundo dos dispositivos móveis fizeram o mesmo e, aos poucos, foram lançando espaços próprios para hospedar e controlar a compra/download de aplicativos para seus principais dispositivos móveis: o Google fez isso em outubro, junto da Research in Motion e o seu Application Center para BlackBerries. E a Palm entrou no meio disso logo depois, em dezembro, com a sua Software Store abrigando mais de 2.000 aplicativos e 1.000 jogos para Palm OS e Windows Mobile.

Publicidade

App Store no iTunes 7.7

Ah claro, não podemos esquecer da Nokia Ovi Store e do Windows Mobile Marketplace, que deram o ar da graça ontem durante o GSMA Mobile World Congress 2009. Enfim, todas as grandes fabricantes de celulares e smartphones agora têm um lugar centralizado para hospedar aplicativos para os seus modelos mais populares, o que me faz voltar ao título deste artigo: elas precisam mesmo ou só estão querendo pegar onda no sucesso da Apple?

Não, caro leitor, não estou aqui para criticar nenhuma delas e favorecer aquela que teve a ideia primeiro — ou não, levando em consideração tentativas esporádicas de outras companhias em desenvolver algo do tipo no passado, inclusive a própria Microsoft. É sério: também apoio a ideia de que essas novas lojas apareceram porque as empresas que as idealizam acharam necessárias. No mundo móvel, acredito que um único local onde você possa escolher e comprar aplicativos para usar no seu telefone faz todo sentido, independente da plataforma. A inspiração dessas novas lojas na App Store mostra que elas estão seguindo o sucesso da Apple, não há como evitar. Mas isso não está acontecendo em vão: é uma inspiração em um projeto pioneiro nessa área que deu certo.

Publicidade

Paremos para pensar: há mais de 20 mil aplicativos na loja da Apple para iPhone OS, que também atingiu o seu meio bilhão de downloads há algum tempo. Desconsiderando quem a comanda, é fato que a sua estrutura é bem idealizada: quem compra obtém informações e escolhe o que quer facilmente, paga com segurança (se for o caso) e recebe na hora, ou seja, o usuário final conta com meio fácil de usar e seguro para adicionar novas funcionalidades ao seu iPhone ou iPod touch.

No lado de quem vende — não a Apple, mas sim quem desenvolve o que vai na App Store — a facilidade e a segurança também entram como diferencial. Qualquer aplicativo lá presente — caso não tropece em alguma das regras controversas da Apple — é capaz de ganhar a atenção de um interessado com facilidade: seja por meio de comentários, de listas de mais vendidos ou simplesmente em review ou outro feito por um bom site/blog ou publicação impressa, que geralmente traz impressões positivas. Por isso que vemos vários desenvolvedores fazerem pequenas fortunas: se alguém faz algo de qualidade, é quase certo que será reconhecido por isso de forma positiva.

Publicidade

Quando nos voltamos ao que outras companhias vêm fazendo nesse mesmo sentido, é óbvio que elas estão acompanhando o sucesso da Apple, porém elas também adaptam o conteúdo da melhor forma possível para seus usuários. E uma iniciativa dessas sempre é bem-vinda para quem busca tirar o maior proveito possível do seu celular/smartphone, mesmo que ele não seja um iPhone — é o meu caso, e não me envergonho em dizer isso. E quando lembro que quem sai ganhando nessas situações sempre é o usuário final, projeto ideias sobre como esse modelo de negócio evoluirá no futuro, com tantos trabalhando ao redor dele para torná-lo melhor em vários aspectos.

Por fim, acredito que a estrutura adotada pela Apple na App Store poderia ser aplicada para outras áreas, inclusive na própria forma como compramos/baixamos aplicativos e outros utilitários para nossos Macs — mas sem nenhuma restrição ou NDA, pelo amor de Deus!! 😛 Acho que esse tipo de projeto pode favorecer muito usuários e desenvolvedores em qualquer plataforma e abriria oportunidades para conhecermos melhor o trabalho de uma comunidade que sempre traz coisas interessantes para nossa vida digital. E você, sugeriria algo? 🙂

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Cinco brasileiros são finalistas da Orquestra Sinfônica do YouTube

Próximo Artigo

Studio Motion realiza workshop sobre câmeras RED em São Paulo

Posts Relacionados