Destaques e pontos abordados na conferência de divulgação dos resultados financeiros do Q2 de 2009 da Apple

Conforme anunciamos antecipadamente, a Apple realizou agora há pouco uma conferência ao vivo para divulgar e comentar seus resultados financeiros do segundo trimestre fiscal de 2009 — bastante variados, com uma excelente receita e ótimas vendas de iPhones, porém com uma baixa nas vendas de Macs pela primeira vez em seis anos.

Publicidade

Apple Financial Results - Q2 2009

Leia abaixo tudo sobre o que foi falado na ocasião.

Segmentos de negócios regionais da Apple

  • As Américas representaram vendas de 809 mil Macs e uma receita de US$3,517 bilhões. Do último trimestre para cá, as quedas foram de 11% e 22%, respectivamente, porém comparando com o mesmo período de 2008 as unidades caíram 8% e a receita subiu 8%.
  • Europa: 658 mil Macs e US$2,097 bilhões em faturamento. Queda de 17% e 24%, respectivamente, em relação ao período de festas de final de ano, mas um crescimento de 5% e 18% anualmente.
  • Japão: 109 mil Macs e US$500 milhões em receita. Ambos cresceram em relação ao primeiro trimestre fiscal de 2009: 10% e 4%, respectivamente. De 2008 pra cá, porém, as unidades caíram 8%, enquanto a receita subiu 18%.
  • Ásia/Pacífico (e FileMaker Inc.): 202 mil Macs e US$578 milhões em faturamento. O número de unidades vendidas foi praticamente o mesmo tanto sequencial quanto anualmente, mas a receita caiu 14% em relação ao último trimestre e 2% contra o início de 2008.
  • O segmento de “Outros Produtos e Serviços Relacionados com Música” gerou US$1,049 bilhão em receita, um crescimento de 4% do último trimestre e 19% ano após ano.
  • “Periféricos e Outros Hardwares”: mais US$358 milhões em faturamento, uma queda sequencial de 5% e anual de 13%.
  • “Vendas de Softwares, Serviços e Outros”: geraram US$625 milhões em receita, um ganho de 3% sobre o trimestre de dezembro e uma subida de 18% comparado ao trimestre de março de 2008.

Negócio de Macs

  • A Apple vendeu um total de 818 mil desktops no trimestre, o que equivale a US$1,05 bilhão em receita. Ambos cresceram 12% e 1% respectiva e sequencialmente, mas caíram 4% e 22% ano após ano.
  • Em notebooks, a Apple comercializou um total de US$1,398 milhão de unidades no trimestre, totalizando US$1,895 bilhão em faturamento. Os números caíram bastante em relação ao último trimestre: 22% e 25%, respectivamente. Todavia, considerando o mesmo período do ano passado, a queda foi de apenas 2% e 12%.
  • O inventário de canais da Apple está abastecido para três ou quatro semanas.
  • As vendas das suítes iLife ’09 e iWork ’09 têm sido muito boas.
  • Houve uma “aceleração” nas vendas de desktops depois que a Apple atualizou todas as suas linhas no final do trimestre, o que ajudou a melhorar relativamente os seus resultados.
  • A Apple continua “positiva” acerca da performance dos Macs, que caíram menos que a média da indústria: 3%, contra 7%. É difícil comparar as vendas com as do ano passado, que foram imensamente beneficiadas pelo lançamento do MacBook Air.

Negócios de iPhone e Apple TV

  • A Apple vendeu 3,793 milhões de iPhones no trimestre, produzindo US$1,521 bilhão em faturamento. Houve uma queda de 13% em unidades comparadas ao período de festas de final de ano, mas a receita subiu 22%. Ano após ano, o crescimento foi de 123% em unidades e de 302% em faturamento.
  • Mais de 21 milhões de iPhones foram vendidos até hoje.
  • iPhones estão sendo vendidos em 81 países e em mais de 50 mil lojas. A Apple tem 100 mil unidades de demonstração disponíveis para todas elas, que são contadas como inventário de canais mesmo se não puderem ser revendidas.
  • A Apple finalizou o trimestre com 1,83 milhão de iPhones em seu estoque, contra 1,75 milhão no trimestre de dezembro.
  • Somando iPhones com iPods touch, a Apple já colocou no mercado cerca de 37 milhões de dispositivos com o OS X iPhone.
  • A Apple não divulga a porcentagem de downloads da App Store entre apps pagos e gratuitos, nem os divide por categorias. Todavia, ela confirmou que a maioria dos downloads populares são jogos.
  • A App Store continua “um grande sucesso”, com mais de 35 mil apps. Em “poucas horas” a Apple baterá o primeiro bilhão de títulos baixados na loja.
  • A AT&T ainda é vista como “uma ótima parceira”, mesmo com consumidores negando-se a comprar iPhones por causa de sua rede. A Apple não planeja mudar isso. Por uma perspectiva tecnológica, a Apple quer oferecer um telefone para todo o mundo, por isso não pode suportar a Verizon (ou Sprint), que usam CDMA.
  • A empresa continua com seus planos de levar o iPhone à China até o ano que vem, mas não trouxe novos detalhes sobre o assunto. Ela nota que, dos países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), o único que falta é o último, mesmo.

Negócio de iPod

  • Mais de 11,013 milhões de iPods foram vendidos neste trimestre, resultando num faturamento de US$1,665 bilhão. A queda sequencial é a maior de todas: 52% e 51%, respectivamente, porém, comparados aos de 2008, os números mostram um crescimento de 3% em unidades e uma redução de 8% em receita.
  • A Apple registrou um novo recorde de unidades vendidas num trimestre fora das festas de final de ano.
  • O inventário de canais atual está abastecido para quatro a seis semanas.
  • As vendas de iPods touch estão fortes e consumidores responderam bem ao iPod shuffle de terceira geração.
  • O market share da Apple entre tocadores de mídias digitais (PMPs) nos Estados Unidos continua acima de 70%, segundo dados do NPD Group. Ela também registrou ganhos na Austrália, China, França, Japão e no Reino Unido.

Negócio de lojas de varejo (Apple Retail Stores)

  • Combinadas, as lojas da Apple venderam 438 mil Macs e geraram US$1,471 bilhão em receita, números estes 15% menores que os do trimestre passado. Anualmente, o segmento retail registrou uma baixa de 4% em unidades, porém 1% a mais em faturamento.
  • Metade dos compradores de Macs são novos na plataforma.
  • Houve 39,1 milhões de visitantes às Apple Retail Stores, contra 33,7 milhões do mesmo período de 2008. A margem do segmento de varejo foi de US$308 milhões.
  • A Apple só abriu uma nova loja no trimestre, o que leva o seu total a 252. A média de faturamento por loja caiu de US$7,1 milhões no início do ano passado para US$5,9 milhões atualmente.
  • A Apple tem planos de abrir 25 novas lojas em 2009 — metade delas fora dos EUA.
  • O preço médio de vendas de MacBooks caiu, devido à atualização no MacBook branco de US$1.000, que ganhou as mesmas características internas do modelo unibody de alumínio mais básico.
  • A companhia acredita que o mercado doméstico se sustentou bem mais em relação à crise econômica mundial, visto que os segmentos educacionais e profissionais tendem a cortar suas verbas. Todavia, estes só estariam adiando suas compras, ao invés de desistindo ou migrando para fabricantes concorrentes.
  • A Apple não está preocupada com fatia de mercado nua e crua, afirmando que continua comprometida a criar os melhores computadores do mundo, e não a maior quantidade de computadores no mundo.

O lado financeiro

  • Sem considerar a contabilidade de assinantes que a Apple precisa fazer para iPhones e Apple TVs, as vendas foram de US$9,06 bilhões, enquanto o lucro líquido chegou a US$1,66 bilhão.
  • Sua margem operacional foi a maior da história: 20,4%.
  • A margem bruta foi de 36,4%, ajudada por custos de componentes mais baixos do que o esperado e vendas acima do previsto de produtos de margens largas e menores custos de despacho.
  • As vendas diretas representaram 48% do negócio da Apple.

Próximo trimestre fiscal: Q3 2009

  • A companhia prevê um faturamento para o próximo trimestre entre US$7,7 bilhões e US$7,9 bilhões, com ganhos por ação diluída na faixa de US$0,95 e US$1,00.
  • As finanças da Apple estão “bem robustas”, com US$28,9 bilhões em caixa e valores imobiliários comercializáveis. A empresa planeja guardar o dinheiro para manter o seu capital.
  • A Apple está “bastante empolgada” com os produtos que vêm aí.
  • O preço de peças ainda é muito favorável para ela, mas a Apple estima uma elevação nos custos de memórias NAND flash, à medida que fabricantes diminuírem suas produções visando à lucratividade e redução de estoques. A Maçã não espera que os preços caiam como no último trimestre.
  • Escolas deverão iniciar suas compras no trimestre de junho, o que deverá contribuir com a performance da Apple.
  • A Apple não trouxe detalhes sobre o desenvolvimento do seu novo escritório em Cupertino.
  • Steve Jobs deverá voltar ao comando da empresa no final de junho.

Citações diversas

  • Sobre netbooks, isso foi o que disse o CFO da Apple, Peter Oppenheimer: “Eu vejo teclados prejudicados, softwares terríveis, hardwares trambolhudos e telas muito pequenas. Isso não é uma experiência de consumidores e algo em que colocaríamos a marca do Mac, sinceramente. Não é um segmento que nos traz interesse e não acreditamos que consumidores estejam interessados.”
  • Tim Cook, COO da Apple: “Um consumidor que quiser comprar um computador pequeno para emails e navegação na web pode querer comprar um iPod touch ou um iPhone. Se acharmos uma forma de entregar um produto que traga uma contribuição inovadora, a Apple poderá entrar no mercado, se um grupo de consumidores potenciais se materializar.”
  • A linha de produtos Mac “é fantástica”.
  • “Temos um plano que acreditamos que continuará a fazer da nossa companhia uma líder no segmento de smartphones.” Além disso, a Apple promete que não deixará o “guarda-chuva de preço”, permitindo que consumidores entrem numa briga sem sentido.
  • A Apple se vê “anos à frente” de competidores e não está preocupada com o Palm Pre, lembrando da grande gama de softwares disponível na App Store. Segundo eles, isso tudo é só a ponta do iceberg.
  • Questionado sobre violação de propriedade intelectual pelo Pre, a Apple disse: “É difícil falar algo sobre um produto que ainda não chegou ao mercado. Acreditamos que as inovações da Apple lideram a indústria há anos, e consideramos que concorrência é ótimo… enquanto outras companhias inventarem suas próprias coisas.”

Posts relacionados

Comentários