O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Ciência tornada fácil: Bill Nye explica a tela oleofóbica do iPhone 3GS

Bill NyeEm um (ótimo) artigo escrito especialmente para o Gizmodo, Bill Nye (aka The Science Guy) explicou de forma adoravelmente didática os princípios científicos por trás da nova tela oleofóbica do iPhone 3GS. Claro, o texto completo está em inglês, por isso abordarei aqui os principais pontos (e adicionarei uns toques da minha experiência como professor). Aos que puderem se aventurar lendo o artigo completo, eu recomendo muito: é uma leitura agradável e enriquecedora!

Publicidade

Medo de óleo

Aos que curtem etimologia, o sentido de “oleofóbico” é bem óbvio: “que tem medo/ódio de óleo”. (Nas aulas de Química, você certamente já ouviu o equivalente hidrofílico, que acaba resultando na mesma coisa.) Com tal propriedade, em vez de uma substância gordurosa (ou apolar) espalhar-se pela tela do novo iPhone, as moléculas procuram se aglomerar. O princípio é o mesmo que faz com que azeite não se misture à água — adivinha: ela também é oleofóbica!

O grande lance foi pegar uma substância dotada de tal propriedade e cobrir a tela do iPhone com ela. Para tanto, era preciso fazer com que algum composto unisse firmemente o revestimento oleofóbico ao vidro (já pensou, se a proteção descasca?).

Ligando os pontos

A solução que Nye imagina ter sido empregada (a suposição se deve ao fato de o método de fato usado ser propriedade intelectual secreta — e cara — da Apple e/ou de outros) é uma terceira molécula, ambivalente. Tipo detergente, que se liga, ao mesmo tempo, à água e a gorduras (uma molécula anfótera). No caso, poderia ser o silano: um composto capaz de se ligar ao silício inorgânico do vidro de um lado e ao polímero de carbono orgânico do outro. Muitas aplicações para ele já envolvem “grudar coisas”, então a aplicação faz pleno sentido.

No fim das contas, o que temos? Uma maravilha da ciência aplicada que faz com que, em vez de aderir ao vidro, a gordura da sua pele seja repelida — resultando numa facilidade de limpeza sem precedentes: passou paninho, tá limpo! Para quem tem a pele oleosa, agora nem dói tanto atender uma ligação num iPhone, né? Só espero que, no futuro, _tudo_ tenha esse revestimento. 😀

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Push do iPhone OS 3.0 não funciona tão bem em iPods touch

Próximo Artigo

Walt Mossberg elogia autonomia das baterias seladas nos novos MacBooks Pro

Posts Relacionados