O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Amazon.com sai chamuscada na queima de livros de George Orwell

Amazon Kindle DXQueima de estoque na Amazon.com? Não! Foi queima de arquivo mesmo, num episódio triste que envolveu o desaparecimento das obras de George Orwell compradas por centenas de donos do Kindle, que acordaram numa bela manhã e descobriram que não tinham mais acesso aos livros.

Publicidade

Se eu não já estivesse acostumado com as idiossincrasias norte-americanas, até que estaria promovendo uma petição online para forçar o Jeff Bezos (CEO da gigante de e-commerce) a cancelar o contrato com a editora sem juízo que detém os direitos sobre as obras até 2044. Se você pagou por e recebeu algo que comprou, acredito eu que você se torne dono do objeto, certo? Parece que não!

Se já não bastassem as entrelinhas dos termos de uso — você paga e ainda querem te dizer como você vai usar — presentes em DVDs, CDs, arquivos MP3 e afins, agora com a proliferação dos livros eletrônicos nós teremos que nos acostumar com a ideia de o livro que está em nossas estantes — sejam elas digitais ou não — estarão sujeitos aos melindres dos contratos entre as editoras e as livrarias.

Publicidade

Eu gostaria de acreditar que este é um caso isolado e que a culpa é do subversivo do Orwell — que sempre nos instigou a estar de olhos abertos para quaisquer formas de totalitarismo, que nos inspirou a pensar diferente e até a comprar Macintoshes.

No entanto, a verdade é um pouco mais sorrateira, conforme nos diz o colunista David Pogue, do jornal The New York Times. Apesar de ter creditado os valores de volta às contas dos clientes prejudicados, a Amazon ao que parece privilegia o bom convívio e a “plena” atenção aos interesses das editoras em detrimento do seu relacionamento com e da satisfação dos clientes. Em uma analogia com o mundo real, é como se de repente algum editor louco resolvesse que seus livros são ilegais e ele DEVE invadir a sua casa e pegar de volta todas as obras de um determinado autor, deixando um cheque sobre a sua mesa.

O TechCrunch nos recorda ainda do famoso recurso “kill switch” que a Apple implantou nos iPhones e cuja existência foi confirmada por Steve Jobs no ano passado. Entretanto, trata-se de uma medida de segurança para evitar que aplicativos maliciosos danifiquem o aparelho — algo que definitivamente não aconteceu no caso da Amazon.

Publicidade

Mesmo que reconheça a estupidez da atitude tomada, a Amazon não deixa de sair chamuscada no final dessa história, que ironicamente se encaixa no cenário que os livros deletados retratam. Com a entrada da Barnes & Noble no mercado digital e o aquecimento das vendas, este é o pior dos momentos para que a indústria editorial seja associada a escândalos envolvendo direitos sobre posse e uso de títulos.

Bezos, é melhor ficar de olho para não encontrar com o O’Brien.

[Dica do Bruno Santos, obrigado!]

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Apple ganha mais patentes de design nos Estados Unidos, além de uma sobre a tecnologia Ink

Próximo Artigo

Advogados da Apple acobertaram casos de explosão de iPods por mais de sete meses

Posts Relacionados