O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

iPhone controlando aeronaves não-tripuladas?

E o prêmio de dispositivo móvel mais versátil vai para… o iPhone! 😛 A cada dia, eu fico mais impressionado com as possibilidades novas nas quais este smartphone pode ser utilizado. A mais nova é o resultado de um estudo realizado por Missy Cummins, uma professora do Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Publicidade
Projeto do HAL-MIT
Projeto do HAL-MIT testado em Raven do exército.

Durante o seu período na marinha norte-americana, Missy costumava pilotar jatos Hornets F/A-18 e se perguntava frequentemente quem teria sido o idiota que desenhara o cockpit dessa aeronave. Para que você entenda a reclamação dela, é preciso saber que o espaço destinado ao piloto é repleto de controles e telas, além de apertado. Mas vamos ao que interessa!

Após sair da marinha, ela foi ao MIT obter o título de Ph.D. em Engenharia de Sistemas Cognitivos, o que a conduziria a ser contratada pela instituição para dirigir o Humans and Automation Lab (ou simplesmente HAL). “Há uma piadinha no nome”, ela gosta de ressaltar.

Publicidade

Com uma equipe de 30 estudantes de graduação e pós-graduação, ela procura desenvolver novas tecnologias e ideias que facilitem a interação entre máquinas e seres humanos. Em contraste a amplas pesquisas que já atendem projetos em larga escala, Missy quer soluções mais simples. E em suas palavras: “O que poderia ser mais simples que um iPhone?”

A ideia de utilizar o smartphone da Apple foi de um dos alunos da professora, basicamente porque usá-lo como controle de unidades robóticas significaria a compra de novos aparelhos para todos os alunos. No tempo recorde de seis semanas — eles receberam os iPhones em junho —, a ideia saiu do papel e foi para o laboratório, como demonstra o vídeo abaixo.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=YlbEbQ6TJMc[/youtube]

O iPhone não foi alterado, visto que o controle é basicamente uma aplicação que envia coordenadas de comando e informações sobre posicionamento através do GPS. O corpo robótico (que pode ser um Raven, como mostrado na foto) seria ainda capaz de conter sensores de aproximação e enviar vídeos ou fotos de volta para o smartphone.

Publicidade

Missy Cummings acredita que UAVs (veículos aéreos não-tripulados) são mais espertos que costumamos acreditar e não precisam ser telecontrolados: basta informar o ponto de partida e o ponto de chegada. Para ela, o ser humano tem coisas mais importantes para se preocupar que bancar a babá de robôs.

[Via: Wired.]

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Grandes gravadoras estão no comando do desenvolvimento de um novo formato para álbuns digitais

Próximo Artigo

Microsoft lança Remote Desktop Connection for Mac 2.0.1

Posts Relacionados