O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Pinch Media também brinca de “Big Brother” com aplicativos no iPhone OS

Se você achou uma invasão de privacidade o fato de a Palm coletar dados de localização e uso de aplicativos dos donos de Pres, saiba que as coisas não são muito diferentes em certos aplicativos para iPhone/iPod touch, que contêm código proveniente da firma de métricas móveis Pinch Media. Ao incluir código dela em um aplicativo para obtenção de dados do usuário, um desenvolvedor praticamente transforma o seu aplicativo em um cliente que pode ser usado para enviar várias informações diferentes dos seus clientes à empresa, sem nenhum consentimento 100% explícito deles.

Publicidade

Pinch Media

Você pode conferir mais informações sobre esse tipo de invasão de privacidade em um artigo do iPhone Dev Team e também nesta análise completa sobre as APIs da Pinch Media. Para o usuário, a única indicação que será exibida sobre o uso dessas informações pessoais é um aviso que aparece ao iniciar o aplicativo pela primeira vez, quando ele exige uma escolha entre ceder o uso da sua localização atual ou negar.

É aqui que a brincadeira começa: de fato, a escolha entre ceder esses dados ou ignorar o aviso é sua, mas muitas vezes ele volta depois que o usuário cancela, pois existem anúncios dentro do aplicativo que estão programados para serem recarregados após um intervalo de tempo e, a não ser que você se canse e remova-o depois de se chatear, acabará aceitando a oferta de ceder sua localização.

Publicidade

Acontece que, a depender do aplicativo em que você aceita isso, o que será registrado vai bem além da sua longitude e latitude: pode ir desde a sua data de nascimento (mês e ano) até o Unique ID (UDID) do seu aparelho. Todos esses dados vão para um banco de dados SQLite, que é enviado para os servidores da Pinch Media cada vez que você reinicia o software.

Agora, pense por um segundo: você aceitou que ele registrasse essas coisas além da sua localização? É óbvio que não, e a coisa é fácil de se disfarçar com uma simples mensagem popup que, graças à nossa querida Apple, apenas é programável para pedir sua localização. Nenhuma mensagem te diz o que está sendo processado, te dá controle sobre isso, ou permite que você desative essa coleta de dados uma vez que iniciada. No fim das contas, isso não é definido como spyware?

Publicidade

A recomendação aqui é evitar adquirir aplicativos que aparentam coletar dados seus e, no caso de você identificar algum instalado no seu aparelho, remover e imediatamente relatar o caso à Apple (com os devidos detalhes, é claro). Agora, que tal lembrarmos as limitações que vimos lá em 2008, quando a App Store foi anunciada?

Limitações da App Store

Rejeitar casos que se enquadram em algumas dessas situações pode até estar sendo levado a sério, mas vocês não acham que “privacidade” está sendo ignorada há muito tempo? Para mim, esse caso da Pinch Media é tão fácil de se desconfiar quanto o da Palm e mostra que explorar o roubo de informações no setor mobile pode se tornar algo tão fácil (ou quem sabe até mais fácil) que no desktop.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Evento da Apple poderá ocorrer no dia 9 de setembro; chegada dos Beatles à iTunes Store?

Próximo Artigo

Adobe Photoshop Lightroom também deixará de funcionar em Macs PowerPC

Posts Relacionados