O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Fala, Hagge! O Bicho da Maçã: o péssimo pós-venda da Apple Store

Maçã com minhoca

Maçã com minhocaComo alguns de vocês já sabem, moro próximo a Zurique, na Suíça. Logo que cheguei aqui, em setembro do ano passado, configurei e comprei o então recém-lançado MacBook Pro na Apple Online Store. O processo todo foi simples e rápido, e como pedi minha máquina customizada e com teclado americano, demorou quase um mês para recebê-la.

Publicidade

Porém, após algum tempo de uso, percebi que a ventoinha fazia um barulho irritante, baixinho, durante 80% de tempo de uso. Fiquei encucado e comecei a pesquisar pela internet sobre mais pessoas com o mesmo problema. Não foi surpresa encontrar muitas delas — nos fóruns oficiais da Apple US, inclusive. Era fato: os novos MBPs esquentavam demais e tinham problemas nas ventoinhas. Scheiße!

Como não falo alemão e gasto vinte francos (cerca de R$35) todas as vezes que vou a Zurique de trem, convivi com o problema. Enquanto escutava música trabalhando, o barulho não incomodava. Além disso, instalei o Fan Control para deixar as ventoinhas sempre no máximo e não deixar o laptop esquentar demais. Há controvérsias quanto à temperatura ideal de trabalho para computadores, mas é sempre bom não arriscar.

Publicidade

Semana passada, lembrei que minha garantia iria expirar em outubro, então pensei: “É agora ou nunca!” Foi aí que tive a infeliz ideia de levar o Mac para a mais nova Apple Retail Store de Zurique, inaugurada há pouco tempo. Quanta decepção!

Pra começar, quando entrei na loja e contei que tinha um problema com meu notebook, o atendente quis verificá-lo ali mesmo, no balcão da porta da loja, praticamente na rua. Como bom brasileiro, me senti extremamente exposto e inseguro. O cara ligou meu Mac, fuçou em algumas coisas, fez perguntas básicas e disse que iria verificar se havia algum “Genius” disponível. Me passou para outro atendente, aparentemente mais experiente, que fez o favor de me informar que eu não poderia ser atendido por um gênio, pois eles atendem apenas com hora marcada.

QUÊ?!?!

Publicidade

Fiquei tiririca da vida! Como assim? Tenho um problema com meu Mac e tenho que marcar hora para ser atendido? E se eu não tiver acesso à Internet? E se a máquina não ligar? A Apple me obriga a voltar à loja outro dia, caso tenha um problema? O atendente não sabia o que fazer. Ele não entendia de Mac. Não tanto quanto os leitores deste site, por exemplo. Na Apple Store, quem não é gênio, é mané. Está lá só para vender, não para atender.

Genius Bar: bonitinha, mas ordinária
Genius Bar: bonitinha, mas ordinária

Por fim, fui indicado a, em caso de emergência, andar dois quarteirões e levar o MacBook Pro à Data Quest, antiga e maior revenda Apple da Suíça antes da chegada das Apple Retail Stores oficiais. Fui atendido na hora. O técnico manjava e me fez sentir muito mais confiante em deixar meu amado computador nas mãos de um estranho. Infelizmente terei que esperar cinco dias úteis para tê-lo de volta — com os devidos reparos, se forem necessários.

Agora eu pergunto: pra que os brasileiros querem tanto uma loja da Apple no Brasil? As antigas revendas e assistências técnicas manjam muito mais do negócio do que os manés que atendem as pessoas na Fnac e, mais recentemente, pelo telefone com o novo atendimento do AppleLine terceirizado para empresas de telemarketing.

Vivam as revendas antigas! Abaixo os manés e o pós-venda fraquíssimo nas Apple Retail Stores.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Produtos da Apple são destaques na Fnac e mostram como os tempos mudaram

Próximo Artigo

Estará Steve Jobs presente na keynote do evento musical da Apple?

Posts Relacionados