O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Review: Mikogo proporciona compartilhamento de tela gratuito para reuniões online, mas…

No começo deste mês, fui convidado a conhecer e experimentar um serviço gratuito do qual nunca tinha ouvido falar antes. Trata-se do Mikogo; sim, o nome é estranho (ainda mais no nosso idioma), mas isso não é motivo para o ignorarmos. Como ele se descreve: “Mikogo é uma ferramenta multiplataforma e fácil, para desktop sharing, webconferências, reuniões virtuais e suporte remoto.”

Publicidade

Logo do Mikogo

Antes de mais nada, vamos aos dois pontos realmente fortes do Mikogo: 1. ele é multiplataforma e funciona da mesma forma em Macs e PCs com Windows, e 2. é totalmente grátis, seja para uso pessoal ou profissional. E não, ele não é suportado por propagandas também. Para saber mais sobre essa decisão da empresa, veja esta página.

A função principal do Mikogo é ser uma solução de compartilhamento de tela, ótima para reuniões virtuais, webconferências, demonstrações de produtos, apresentações web, suporte remoto, webinars, entre outros. Até dez pessoas podem se conectar a uma conferência simultaneamente, bastando entrar numa “reunião” através do Session ID, cedido por quem a criou.

Mikogo para Mac OS X

Mikogo para Mac OS X

Dentro de uma conferência, a qualquer momento o apresentador pode alternar a sua tela com outro participante, bem como ceder controle de sua tela para quem quiser. Além disso, o aplicativo oferece uma agenda de reuniões embutida, gravação de sessões, quadro-branco e indicador de partes importantes na tela, transferência de arquivos e suporte a copy & paste.

Mikogo para Mac OS X

Mas nesse descritivo todo que eu fiz do Mikogo, até agora, quem sabe algum de vocês já sentiu falta de uma coisinha: pois é, ele não oferece áudio, que dirá videoconferência. Na primeira vez em que o rodei por aqui, fiquei que nem um besta falando comigo mesmo, até descobrir que esse recurso não está embutido no programa. Só depois, navegando no site do produto, fiquei sabendo que eles oferecem um “serviço de conference calling nem sequer disponível no Brasil. Pois bem, para conversar com o Laert Yamazaki, que me ajudou nos testes, tivemos que abrir um chat de áudio separado no Skype.

Mikogo para Mac OS X

Vale ressaltar que ambos estávamos conectados à internet por ótimas conexões: as duas GVT, a minha de 15Mbps, a dele de 10Mbps. Ainda assim, transferir toda a imagem da tela na conferência não ficou lá muito suave. A qualidade gráfica era total, mas os movimentos/animações, não. Até mesmo o cursor do mouse demorava um pouco para se mexer. Quando tomei controle de sua tela, mal consegui clicar em algo e arrastar, devido ao enorme delay.

Mikogo para Mac OS X

Por outro lado, no quesito compartilhamento de tela o Mikogo se sai muito bem e, apesar de não ter uma interface lá muito bonitinha, é absurdamente simples e rápido de configurar. Em cinco minutos, eu estava com a minha conta gratuita criada e pronto para me conectar a uma reunião online ou criar a minha “sala virtual”. No papel de controlador, você pode conferir a lista dos usuários conectados e expulsar quem quiser, a qualquer momento. A transferência de arquivos também funciona, apesar de, na primeira vez em que tentei fazer isso, o programa ter fechado na minha cara.

Mikogo para Mac OS X

Considerando que a solução é grátis e multiplataforma, o Mikogo tem lá a sua utilidade — e, vale notar, é bastante seguro, criptografando com AES 256 bits todos os dados trafegados em sua rede. Para todos os outros casos, eu ainda fico com o iChat, que oferece audioconferência simultânea e uma experiência muito mais suave — pelo menos no Mac OS X.

Na plataforma Apple, o Mikogo requer o Mac OS X 10.4 ou superior, somente em Macs com processadores Intel. No mundo PC, ele é virtualmente compatível com todas as versões do Windows, do 2000 pra cá.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Segurança no PayPal

PayPal agora faz transferências para bancos brasileiros e quer ter nosso país como base de operações

Próximo Artigo
iPhone com jailbreak (corrente)

Acusação de caso judicial relacionado a jailbreaking quer o código-fonte do iPhone OS 1.1.1

Posts Relacionados