O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Revendas Apple traçam um cenário da venda de computadores da empresa no Brasil

Logo da Apple com bandeira do Brasil

A Folha de S. Paulo publicou hoje uma reportagem feita com base nos relatos de alguns distribuidores afiliados à Apple Brasil, mostrando um pouco dos planos da empresa para o nosso país — às vezes não fica muito claro, mas eles existem. Embora a matéria ainda ressalte o foco da Maçã nas classes A e B (pois Macs praticamente não exercem nenhuma influência sobre PCs de R$1.500 ou menos), suas parceiras no território brasileiro esperam conseguir maior participação no mercado nacional em 2010.

Publicidade

Tecnicamente, isso permitiria à Apple reduzir os preços das máquinas, nivelá-los com os da concorrência e até fazer com que ela assumisse o quinto lugar no mercado nacional de computadores nos próximos anos; daí a estratégia de muitas revendas da empresa em abrir novas filiais das suas lojas Premium — a exemplo da iTown e da iPlace, abertas recentemente em Salvador e em Porto Alegre, respectivamente. Já a MyStore, segundo a Folha, também possui planos de expandir a distribuição de computadores Apple em outras duas novas lojas, inspirada por vendas acima da média.

De acordo com o dono da rede, Marcelo Sé, algumas lojas chegam a superar as metas de venda em 20%, o que mostra que os computadores da Apple realmente estão começando a se espalhar com maior força no mercado brasileiro. Enquanto isso, Saraiva e Fast Shop também afirmaram à Folha que passam por um bom momento nas vendas de Macs, garantindo bons números perante outras marcas de computadores que vendem.

Publicidade

No entanto, isso aparenta estar surtindo pouco efeito nas vendas da empresa para justificar um futuro aumento na sua participação de mercado. Alguns analistas dizem que esse valor não chega a 2% (com base na venda média de 50 mil computadores/ano), o que torna difícil a vontade de chegar aos 3% — algo que exigiria a venda de pelo menos 180 mil máquinas por ano. Sem impor preços mais agressivos, eles duvidam que a Apple Brasil consiga resultados maiores do que esses.

De qualquer forma, é fato que a situação da empresa por aqui melhorou nos últimos anos, coincidindo curiosamente com a chegada do iPhone. A Folha afirma que suas vendas são um fracasso para operadoras (ou não?), mas ele tem feito um bom trabalho ao abrir o conhecimento de vários compradores para o Mac — sem falar que hoje, até loja online da Maçã nós temos à disposição. São iniciativas espontâneas já previstas, mas que merecem ser aplaudidas por quem conhece a marca há muito tempo no Brasil.

[via Gizmodo Brasil]

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Vocês disseram e aqui está: o que ainda falta ao iPhone OS 4.0

Próximo Artigo
Snow Leopard rodando em MacBook Pro

Apple começa a limitar disponibilidade de MacBooks Pro com a possível chegada de novos modelos

Posts Relacionados