O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Engenheiro contesta metodologia dos experimentos da Consumer Reports sobre antena do iPhone 4

Problema de recepção solucionado

A internet é o ambiente democrático definitivo (ao contrário da App Store, mas explicar isso é motivo pra um post à parte). Praticamente tudo o que é veiculado na grande rede de computadores é posto à prova e contestado de maneiras que há 20 anos nem o mais contestador dos revolucionários imaginaria.

Publicidade

Problema de recepção solucionado

A controvérsia cercando os problemas da antena do iPhone 4 não poderiam deixar de ser foco de debates, e um engenheiro especializado em eletromagnetismo usou seu blog para pôr em cheque a cientificidade dos experimentos realizados pela Consumer Reports. Bob Egan contesta as condições nas quais os testes foram feitos, alegando que, para ser algo rezoavelmente científico, o iPhone precisaria estar num pedestal não-metálico dentro de uma câmara anecoica, com o emissor de rádio fora deste ambiente e uma antena calibrada dentro dele.

“Pelo que vi nos relatos, a Consumer Reports repetiu os mesmos experimentos não-controlados, não-científicos que muitos blogs já fizeram”, disse Egan. Contudo, ele ratifica que há algo errado com o hardware e/ou software do aparelho, mas pondera se, não fosse o problema reconhecido pela Apple, as pessoas estariam falando tanto no Death Grip®. Por fim, ainda não dá pra saber onde começaria a responsabilidade da Maçã pelo problema e onde terminaria a da AT&T, ou se colocar o dedo no “Ponto 3G” do iPhone 4 tira de sintonia a antena ou o receptor.

Publicidade

Adicionalmente, em emails enviados ao AppleInsider, Egan foi além e apontou mais uma falha na forma como os testes da CR foram conduzidos: segundo ele, você não pode medir a qualidade de recepção da antena monitorando a saída de força, como fizeram.

Ligar as partes da antena para tornar o celular surdo (ou mais surdo) normalmente faria a saída de força aumentar, para compensar, e não cair. Isto é, o celular pensaria que está mais longe da torre. Se o que vimos no vídeo for verdade — a força do sinal recebido caiu —, isso sugeriria duas coisas: 1. tocar aquela região na verdade torna o celular mais sensível (e não menos); 2. o problema não é uma questão de calibração da força do sinal, como a Apple admitiu. Na verdade, isso sugere que há um mau funcionamento do sistema de controle de força do celular, ou alguma outra coisa ferrada. Claro, se a Consumer Reports tivesse feito um trabalho no mínimo razoável para controlar as condições do teste, haveria alguns dados de peso. Como eu disse, o trabalho deles não foi competente e está no nível de muitos testes feitos por blogueiros, incluindo os meus próprios testes com latas de lixo que foram citados por aí.

Enquanto isso, a Consumer Reports ratificou seu posicionamento em relação ao iPhone 4: o problema existe e por conta dele, a organização não adicionará seu selo de “compra recomendada” — mas vale frisar que isso é diferente de “recomendar que não compre” (uma confusão comum). Segundo ela, a correção definitiva para o problema deverá vir da Apple e ser completamente gratuita.

A organização sugere que os consumidores afetados usem fita isolante para cobrir os pontos de contato da antena e neutralizar o Death Grip®. Algo, diga-se, nem um pouco Apple-like, quase tanto quanto ser forçado a usar um Bumper. Já pensou se os iPods dependessem daquelas meias pra tocar música? :-/

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Um passarinho me contou que o Scott Forstall agora está no Twitter…

Próximo Artigo
iPhone 4 deitado de lado

Recall de iPhones 4 custaria US$1,5 bilhão à Apple; novos compradores acreditam que houve mudanças no hardware

Posts Relacionados