O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Agora que os iMacs estão melhores que nunca, faz sentido comprar um Mac Pro?

Mac Pro aberto, visto de cima

Marco Arment, desenvolvedor do aclamado Instapaper, ontem levantou a seguinte questão em seu blog: já que é possível ter um iMac quase tão poderoso quanto, mas bem mais barato que um Mac Pro, por que comprar a torre em vez do tudo-em-um? A pergunta é pertinente, principalmente se você puser lado a lado as configurações abaixo.

Publicidade

A tabela acima leva em consideração que o Mac Pro poderia ser facilmente customizado para
adicionar SSD e RAM de terceiros, em vez das opções oferecidas pela Apple.

Vendo esta comparação, fica nítida a diferença: o Mac Pro sai sempre uns US$1.200 mais caro que um iMac, na maioria das configurações. Isso quer dizer que todo usuário médio deve preferir o tudo-em-um, certo? Não sem antes levar em conta algumas coisas.

Marco e sua esposa, Tiffanny, têm um Mac Pro e um iMac, respectivamente, ambos comprados em 2008. A diferença entre as máquinas, hoje, é brutal: enquanto a torre “envelheceu” graciosamente, o iMac já está dando sinais de cansaço. Se levarmos em conta as necessidades especiais de Tiff, então, aí a coisa fica feia mesmo.

Publicidade

Ela é fotógrafa de casamentos e precisa manter arquivos RAW gigantes salvos, além de, é claro, editá-los constantemente. Isso resultou em duas coisas: o iMac já foi maximizado em RAM (4GB) e a mesa onde ele fica está atulhada de drives externos (inclusive um SSD ligado via FireWire para compensar a lentidão do HD padrão do iMac). Só alegria. 😛

E o Mac Pro de Arment, como vai? Suas quatro baias para HDs dão conta de tudo o que é preciso (exceto eventuais backups off-site, pro caso de a casa alagar ou pegar fogo). Todos os discos são mais silenciosos e rápidos, pois estão ligados diretamente em compartimentos internos do gabinete.

A hora de trocar de máquina também vai apresentar diferenças gritantes: junto com o iMac da Tiff vai o monitor de 24 polegadas (o mesmo que, se der algum problema, leva o computador junto). O disco interno, idem. A mesma coisa não acontece com o Mac Pro — o pior que pode ocorrer é de os monitores que ficam precisarem de adaptadores para se ligar à máquina nova. E o preço de revenda? Uma torre da Apple de 2006 ainda é vendável por US$900, hoje. Um iMac de 2008… arrecadaria uns US$600.

Publicidade

Conclusão: para um usuário que depende de força bruta, o extra que se paga por um Mac Pro é recompensado na forma de mais valor, versatilidade e vida útil. No fim das contas, o iMac não usa apenas componentes de um notebook: ele se comporta praticamente igual a um, em muitas situações. Portanto, leve isso tudo em consideração na hora de escolher seu próximo desktop Apple*.

O iMac pode ser charmoso, mas o ralador de queijo gigante tem muitos truques guardados na manga.

* E o Mac mini? Ah, café-com-leite: ele virou um Apple TV que vem com um Mac de brinde. Não dá mais pra dizer que ele é um desktop. 😛

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Bodega para Mac OS X promove oportunidade para a compra de softwares populares pela metade do preço

Próximo Artigo

Saiba mais detalhes e veja mais imagens do Magic Trackpad

Posts Relacionados