O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

O futuro dos aplicativos no Mac OS X 10.7 Lion

Banner grande do Back to the Mac

por Marcsheep

Publicidade

A concepção de trabalhar com uma interface limpa e funcional deu ao iOS a mais consistente, intuitiva e bela GUI móvel do mercado — desculpem-me, mas Androids e outros sistemas ainda não chegam nem perto. Quando Steve Jobs nos mostrou um preview do Mac OS X 10.7 Lion, no evento intitulado “Back to the Mac”, a Maçã prometeu trazer de volta para o OS X o que aprendeu ao desenvolver o iOS, e também vimos um pouco disso nas novas interfaces do iLife ’11. A ordem geral é simplicidade!

Banner grande do Back to the Mac

Simplicidade é um conceito que anima alguns e enfurece muitos outros. Gosto das palavras de Oscar Niemeyer — que completou na semana passada 103 anos — para justificar o arrojo de suas obras: “Tem que causar surpresa!” Em meio ao caos urbano e formas tradicionais, Niemeyer causa, no mínimo, espanto pelo seu o arrojo técnico, design e simplicidade. Não me causa choque muitas pessoas se impressionarem com o design fino de um MacBook Air ou de um iPod touch.

Logicamente não estamos falando de arquitetura, mas sim de apps que devem ser — sobretudo — intuitivos, e através da simplicidade podemos alcançar melhores funcionalidade e experiência do usuário.

A simplicidade não é apenas espantosa como as obras de Niemeyer, vai muito além de um design futurista; ela é, antes de tudo, funcional. Desenvolvedores atolam seus aplicativos com tantos recursos que meros mortais usariam menos de 80% de suas funções, e menos é mais. Menos recursos implicam em menos explicações, menos manuais, menos treinamentos e, finalmente, mais qualidade na experiência do usuário. E é por isso que muitas APIs do iOS são bloqueadas para o desenvolvimento de terceiros. Também é por isso que muitos aplicativos são barrados na App Store porque não obedecem às diretrizes de interface do usuário, e isso gera raiva por parte de alguns desenvolvedores e fanboys do Android.

Desktops também parecem ser o ambiente perfeito para interfaces complexas e cheias de recursos. Já dispositivos móveis não podem se dar ao luxo de serem complexos, pois são limitados em espaço físico e não são manuseados por cursores — são tocados, o que exige mais espaço na tela para botões. Recentemente, encontrei um aplicativo de RSS que promete uma experiência iOS-like para o Mac OS X. Atualmente os leitores de RSS não fogem muito deste modelo:


NetNewsWire no Mac OS X
Muitos botões + legenda para cada botão = muuuita informação

Com a mesma funcionalidade, o Reeder para Mac, um leitor RSS integrado ao Google Reader, oferece as mesmas funções mas uma experiência de uso totalmente diferente:

Reeder no Mac OS X
Comparem com a imagem anterior!

O Reeder é simples desde o primeiro contato:

Login no Reeder

Não precisamos de muita atenção para entender que se trata de uma tela de login na sua conta do Google.

Leitura de feeds no Reeder
É assim que eu quero ler meus feeds!

Bastante integrado ao Mac OS X, o Reeder conta até mesmo com um browser interno:

Browser do Reeder

Costumização

Sim, as funcionalidades do app são importantes, mas como colocá-las no software sem acabar com a experiência do usuário?

Customização no Reeder

Tcharam! 😀 Nas propriedades do app encontrei as funções mais necessárias à minha experiência, costumizando a barra de ícones de acordo com as *minhas* necessidades.

Veja as diferenças:

Interface customizada no Reeder
Pra quem usa o Twitter
Interface customizada no Reeder
Pra quem usa Notes, Instapaper, Delicious, Twitter, email e browser

Multi-touch

Não brinca! Acompanhar um feed nunca foi tão legal! 😉

  • Arraste três dedos para o lado: abra o post no browser interno.
  • Arraste três dedos para cima: abra o post anterior.
  • Arraste três dedos para baixo: abra o próximo post.

Animações

Alternar entre feeds, abrir posts, carregar posts no browser interno… tudo acontece entre uma transição e outra. Uma maneira totalmente iOS de acompanhar feeds — lembra bastante as animações do Mail, da Apple.

Animações não são frescuras: elas têm uma função muito importante para a ergonomia cognitiva. Através de uma simples transição entre uma pasta dentro de outra, o usuário entenderá intuitivamente que a nova pasta está dentro da anterior, e não se trata de uma pasta totalmente nova, reforçando assim a referência de espaço — em que pasta estou.

Um ótimo exemplo de como as animações nos ajudam a ter uma melhor referência de espaço é o Time Machine. Não há aplicativo de backup mais fácil e intuitivo que ele, em grande parte devido à excelência na sua experiência do usuário.

Mac OS X Lion

Adivinhar o que vem no Lion é tarefa de rumorentos! Eu e toda uma comunidade esperamos que “Back to the Mac” signifique trazer a fantástica experiência de usuário do iOS para a nossa vida no desktop, além de um sistema instant on e novos avanços técnicos.

O Reeder e o NetNewsWire (mas poderia ser qualquer leitor RSS) mostram que a mesma funcionalidade pode ser revestida de uma experiência completamente diferente. Sinceramente, espero que os aplicativos evoluam nesse sentido, e que designers de interface unam-se a programadores para criarem experiências intuitivas, o que na maioria das vezes quer dizer simplesmente… simplicidade. 🙂

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Samsung Galaxy Player

Hallelujah! O Android vai ganhar seu próprio iPod touch, o Samsung Galaxy Player

Próximo Artigo
Adesivos NFC para iPhones 4

Operadora japonesa SoftBank cria adesivos de NFC para iPhones 4

Posts Relacionados