O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Pesquisa indica que preços de aplicativos móveis poderão subir no futuro, acompanhando sua sofisticação

Quando se trata de propor preços para aplicativos e jogos em smartphones e tablets, talvez quase todos os desenvolvedores que trabalharam com as lojas mantidas por empresas como Apple e Google adotem a filosofia “cobre agressivamente e aposte no volume”, que determina o sucesso de um produto em função de seu baixo preço, porém alta popularidade. Tal filosofia deu certo para muita gente — talvez jogos como Angry Birds e Cut the Rope sejam os exemplos mais recentes disso —, mas até quando será que essa tática vai funcionar?

Publicidade

Para os pesquisadores da Appcelerator e da IDC, a tendência é que o smartphone/tablet ideal (ou seja, o que você preferir) se tornará cada vez mais complexo e, por mais que haja esforços para facilitar o trabalho de desenvolvedores, como a criação de SDKs mais eficientes, a carga de trabalho necessária para a construção de produtos cada vez melhores também será bem maior. Como consequência, acredita-se que a complexidade trazida por novas edições de aplicativos em hardwares com tecnologias mais avançadas pesará um pouco mais no bolso dos clientes, a exemplo do que ocorre no desenvolvimento de sistemas para o setor corporativo.

Um estudo feito com uma amostra considerável de desenvolvedores apontou que quase 60% deles adotam a cobrança direta por um app como principal fonte de renda, além de tirar proveito de recursos como publicidade, conteúdos adicionais vendidos separadamente, assinaturas e outros modelos de negócio similares. Dada a possibilidade de suas condições de trabalho ficarem mais complexas e considerando o seu comprometimento em criatividade e qualidade, é possível que este número caia significativamente, ou que a grande massa de desenvolvedores cobre mais por novas versões de aplicativos para smartphones e tablets.

Publicidade

No caso da Apple especificamente, o cenário traçado pela IDC virou realidade com o lançamento do iPad — a versão, “HD”, “XL” ou “PQP” de um programa custa mais que o seu equivalente para um iPhone ou iPod touch, mas geralmente é possível constatar esforços de software houses para fazer o preço corresponder ao valor agregado à vida dos usuários. Se eles decidem pagar ou não, porém, é uma história à parte — a pirataria está aí para mostrar o quanto desenvolvedores saem prejudicados por pessoas que não conseguem compreender que dá trabalho produzir algo realmente impressionante.

Outro ponto importante constatado pela Appcelerator é o aumento da maturidade de desenvolvedores dentro do escopo atual das App Stores. No ano passado, a maior parte dos entrevistados pela empresa afirmou estar experimentando as possibilidades dela para distribuição de softwares em smartphones e tablets, mas em 2011 mais da metade (55%) busca acelerar seu crescimento com estratégias de desenvolvimento.

Appcelerator — Maturidade de Desenvolvedores

Talvez a melhor forma de alcançar mais usuários seja adotando múltiplas plataformas móveis e, por isso, não é apenas o iOS que está fazendo sucesso, mas também o Android, mesmo para tablets. Falando nelas, o entusiasmo pela chegada do iPad 2 já é evidente e motiva desenvolvedores a escolher os itens de hardware que farão a diferença nos seus projetos para o futuro.

Appcelerator — Funções esperadas no próximo iPad

Existem ainda muitos profissionais entusiasmados com a possibilidade de contar com um canal de distribuição desses no Mac OS X, agora que a Apple abriu uma App Store para seus computadores. De 1.585 entrevistados pela Appcelerator, quase 40% estão muito interessados em deixar de lado a exclusividade para plataformas móveis e escrever programas para Mac.

Appcelerator — Expectativa por Mac App Store

Outras informações sobre o mercado móvel podem ser encontradas no último relatório completo da Appcelerator e da IDC sobre o mercado móvel, disponível aqui [PDF, 4,7MB]

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Apesar de rumores, um projetor ainda não é um recurso apropriado para uso em iPhones

Próximo Artigo
PlayBook e iPad

RBC Capital: apesar do desinteresse de consumidores e desenvolvedores pelo PlayBook, tudo vai bem

Posts Relacionados