O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Aos 21 anos, Steve Jobs foi chamado de brincalhão e já mostrava algumas de suas características

Bilhete escrito por Mike Rose
Clique na imagem para ampliar

“Brincalhão” (“joker”) — foi assim que Mike Rose, dono de uma agência, referiu-se a Steve Jobs em junho de 1976. A história é a seguinte: Jobs e Wozniak estavam prestes a lançar o Apple I e procuravam uma empresa para supervisionar a impressão do manual do computador. Foi aí que Regis McKenna recomendou Rose, e a reunião entre os cofundadores da Apple e o empresário/publicitário aconteceu.

Publicidade

Após o término do encontro, Rose escreveu um bilhete para seu sócio. Nele, informou que o “brincalhão” iria ligar, e que alguém da McKenna os havia recomendando. Disse também que se tratava de dois jovens que montavam kits em uma garagem e que queriam um catálogo, pagando bem pouco por isso. Rose afirmou que tentou ver o que eles estavam construindo, mas que Jobs não confiou nele.

Bilhete escrito por Mike Rose
Clique na imagem para ampliar

Mais tarde, ele entregou um orçamento que acabou sendo rejeitado por Jobs — o ex-CEO da Maçã achou o preço muito alto. O trabalho foi entregue então a um tipógrafo, que criou um manual com 12 páginas incluindo esquemas e códigos de instruções que precisavam ser digitados pelos usuários para a realização de testes no Apple I.

O bilhete contém ainda o endereço da casa (garagem) onde tudo começou, além do telefone de Jobs. Algumas anotações que parecem ser preços de componentes de computadores — com valor final de US$500 — também estão no bilhete. Contudo, estes podem não ter relação com o Apple I, já que ele foi vendido por US$666,66. Ou, quem sabe, alguém da agência estava tentando adivinhar o preço final do produto para chegar ao orçamento.

Publicidade

O interessante disso tudo é notar que, já naquela época, com apenas 21 anos, Jobs demonstrava algumas de suas características, como poder de barganha (queria pagar muito barato pelo serviço) e desconfiança (não confiou em Rose).

Leslie Berlin, da Bloomberg, comentou ainda que, hoje, alguém na posição de Rose muito provavelmente não perderia uma chance dessas, caso uma startup de tecnologia o procurasse. Afinal, o histórico de casos de sucesso que nasceram no Vale do Silício não são poucos, e seria no mínimo negligência ignorar isto — quem sabe oferecer um desconto, ou até mesmo receber ações em forma de pagamento não fosse uma boa. 😛

[via MacNN]

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Ícone de LostWinds

LostWinds chega, trazido por uma brisa, para arejar iPads e iPhones/iPods touch

Próximo Artigo
Justiça e Apple

A quantas andam os processos da Apple contra Motorola e Samsung na Alemanha

Posts Relacionados