O melhor pedaço da Maçã.

Ideia dos livros didáticos pode ter nascido em um concurso interno para estagiários, na Apple

iContest

Apesar de o evento de hoje ter sido totalmente focado no mercado educacional, muita gente gostou das novidades [1, 2, 3], reconhecendo inclusive o esforço da Apple em tentar melhorar — do jeito capitalista, ganhando dinheiro no caminho, é claro! — o cenário dos livros didáticos. O que a maioria não sabe é que esta ideia pode ter nascido em 2008, em um concurso interno para estagiários!

Publicidade

Brian Lam, do The Wirecutter, entrevistou Josh Peters, um ex-estagiário da Maçã que revelou ter participado (e ganhado) o “iContest”. A ideia do concurso era basicamente dar chance a um estagiário “impactar” executivos com boas e grandes ideias — o que é bom para a empresa, que pode implementá-las caso sejam boas, e para o estagiário, que tem seu talento reconhecido.

Alguns pensaram grande demais e imaginaram “iCars” ou coisas do gênero. Enquanto isso, Peters estava focado em tentar resolver um problema que o frustrava: os altos preços dos livros acadêmicos. Foi então que ele apresentou a ideia do “iTunes Textbooks”, com direito a imagens ilustrativas e tudo — feito de última hora, na noite do dia anterior e na manhã do dia do concurso, inclusive o sumário do projeto.

iContest

iContest iContest

No total havia dez grupos, e os quatro primeiros que apresentaram foram bem mal-recebidos pelos executivos — #FikDik para futuros estagiários da Apple: apresentar “iCars” não é uma boa ideia. Quando chegou a vez do grupo de Peters, tudo correu bem e os executivos ficaram bastante empolgados, dizendo que realmente gostaram da apresentação. Ali, Peters sabia que o “jogo” estava ganho — as outras apresentações foram mero passatempo para os chefões da Apple. Como previsto, o grupo de Peters foi o vencedor. O prêmio? MacBooks Air para todos.

Publicidade

Depois disso, os executivos agendaram uma reunião entre Peters e John Couch, chefe do setor educacional, que obviamente quis saber mais sobre sua ideia. Uma das perguntas foi bem simples: “Por que livros acadêmicos?”, questionando ainda se as pessoas leriam algum livro em telas de computadores. Não querendo comentar sobre o rumorado device que seria lançado pela empresa (mais tarde conhecemos o iPad), Peters afirmou apenas que “existiriam outros meios de consumir conteúdo”.

Apesar do momento propício, Peters falou que não trouxe a história à tona para ganhar algum crédito — até porque ele não sabe se a Apple já estava trabalhando em algo parecido, o que ele acha até provável. Todavia, Peters cogita que sua ideia possa ter ajudado a levar a coisa para frente. “Você pode olhar desta forma: aqui, um garoto de faculdade, dizendo que este é um serviço que ele gostaria de ter.” Mas, convenhamos: é ou não é mais interessante pensar que o grande projeto da Apple voltado para o mercado educacional possa ter partido de um estagiário, há quatro anos? Eu quero acreditar nisso! 😛

Publicidade

Além disso, muito legal saber que existe esse concurso (“iContest”) dentro da empresa. Não é todo dia que vemos uma grande corporação do tamanho da Apple disposta a ouvir ideias e buscar talentos (internos) desse jeito. Só fiquei com uma dúvida, nessa história toda: por que a Apple não segurou Peters?

[via The Next Web]

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

↪ Mais referências a iPads com telas Retina são encontradas em arquivos internos do iBooks 2

Próx. Post

Valor de mercado da Apple “toca” nos US$400 bilhões

Posts Relacionados