iPads de última geração ocupam as últimas posições entre os tablets mais “reparáveis” do mercado

Ranking da iFixit com os tablets mais reparáveis

Sempre que um novo produto da Apple é lançado, a iFixit vai lá e o desmonta. Aqui no MacMagazine você conferiu boa parte dessas desmontagens (teardowns), incluindo todas as versões do iPad lançadas até hoje (iPad original, iPad 2, iPad de terceira geração, iPad de quarta geração e iPad mini).

Publicidade

Obviamente, esse processo não se resume aos gadgets da Apple e, como todo esse conhecimento, a iFixit tratou de criar uma tabelona listando os tablets mais conhecidos do mercado e os ordenando pelo quesito “reparabilidade”. Se você acompanhou as desmontagens passadas, não será muito difícil imaginar as posições dos iPads nessa lista.

Abaixo, a metodologia usada por eles:

Um dispositivo com uma pontuação máxima será relativamente barato para reparar, porque é fácil de desmontar e tem um manual de serviço disponível. Pontos são dados com base na dificuldade de abrir o dispositivo, os tipos de parafusos encontrados no interior, e da complexidade que envolve a substituição dos principais componentes. Os pontos são concedidos para uso capacidade de upgrade, de ferramentas para manutenção não-proprietárias e modularidade dos componentes.

Eis a tabela:

Ranking da iFixit com os tablets mais reparáveis

O tablet mais reparável de todos — e que ganhou uma nota 9 —, como podemos ver acima, foi o Dell XPS 10. O único problema é que ninguém deve conhecer ele, só a iFixit. 😛 A segunda colocação da lista ficou com o Kindle Fire da Amazon, que levou uma nota 8 — este, sim, famoso. A Dell abocanhou ainda a terceira posição com o Streak, o qual também recebeu uma nota 8.

Publicidade

Todos esses tablets são fáceis de abrir, contam com parafusos normais (não especiais, como os utilizados em iPads), em alguns casos têm cabos internos coloridos (o que facilita a identificação), entre outros fatores positivos — na opinião da iFixit. O lado negativo deles é que as telas de LCD são soldadas no vidro (ou o vidro na estrutura).

Lá no meio da tabela temos alguns nomes conhecidos como XOOM, Galaxy Tab 2 7.0, Kindle Fire, Nook Simple Touch, Nexus 7, iPad original, NOOK, Nexus 10 e Kindle Fire HD, todos com notas entre 8 e 5. Aí, depois disso, chegamos ao “fundo do poço”! 😛

Publicidade

O Surface RT conseguiu ficar à frente do iPad 2, do iPad de teceira geração, do iPad de quarta geração e do iPad mini. Contudo, a versão Pro do tablet da Microsoft não conseguiu superar a péssima reparabilidade dos produtos da Apple e ficou com a última posição do ranking. As reclamações da iFixit para esses gadgets são praticamente as mesmas: uso excessivo de adesivos, LCDs soldados no vidro, perigo de quebrar o vidro durante a desmontagem, etc.

O visual dos produtos da Apple é fantástico e na grande maioria das vezes isso só é possível graças a essas técnicas de construção/montagem que, infelizmente, prejudicam a reparabilidade do produto. Infelizmente pois, se por um acaso alguma peça do seu iPad — ou iPhone, iPod e até mesmo alguns Macs — quebrar, você provavelmente terá que gastar mais para efeturar a troca de um conjunto de peças, já que em muitos casos terá que substituir não só a defeituosa mas também outras ao redor que possivelmente estão soldadas a ela. Isso, é claro, quanto o conserto não é possível e você é obrigado a comprar um produto novo.

Publicidade

Se já é difícil para uma assistência/empresa de reparos fazer esse tipo trabalho nesses aparelhos, imagine para um usuário comum! A recomendação aqui é a mesma de sempre: se o seu dispositivo quebrar, não tente consertá-lo por conta própria. Leve-o a uma autorizada, afinal, “o barato pode sair caro”.

[via MacRumors]

Posts relacionados