O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple estaria conversando com operadoras sobre um novo modelo de subsídio para iPhones no Brasil

Ícone de um cifrão (dinheiro)

O iPhone é um produto incrível, porém, algo mais surpreendente que o produto em si é o preço que ele chega a nossas terras.

Publicidade

iPhone 5s com case deitado

Todo ano é a mesma história: o iPhone é lançado nos Estados Unidos e em alguns outros países, e, depois de algumas expansões, chega a nossa vez. Na maioria desses lugares, o novo smartphone da Apple apenas substitui o antigo modelo, mantendo o mesmíssimo preço; já no Brasil, a história é bem diferente.

Em 2010, o iPhone 4 chegou custando R$1.799; no ano seguinte o 4s chegou mais caro, saindo por R$2.599; em 2012 o iPhone 5 manteve o preço do seu antecessor, mas em 2013 o iPhone 5s foi lançado por aqui por R$2.799 — isso representa quatro salários mínimos, e R$1.000 a mais que o preço que o praticado pela Apple em 2010 (três anos antes do lançamento do 5s).

Publicidade

Já sabemos que a Apple está “ciente” da situação, como disse o ex-diretor financeiro a um leitor. Alguns meses depois, até o o CEO da empresa explicou a outro leitor o porquê desses preços tão elevados.

Mas não adianta nada falar e não tentar resolver a situação, não é mesmo? A boa notícia é que recebemos informações de que a Apple Brasil está se movimentando para alterar essa triste realidade. Pelo que soubemos, a companhia está conversando com pelo menos duas operadoras brasileiras a respeito de um novo modelo de subsídio, bem parecido com o que temos em outros países como os EUA, por exemplo.

É claro que não vamos sonhar em ter iPhones sendo vendidos por aqui a R$500 com contrato de fidelidade de dois anos como nos EUA — até mesmo porque nossa legislação não permite —, mas a proposta é, sim, bem mais atraente do que a atual. A ideia é estabelecer um “plano mínimo” com a operadora, atrelado a um contrato de fidelidade. Qualquer valor de plano a partir deste estabelecido, o cliente já teria um desconto considerável na aquisição do seu novo aparelho. Ou seja, o subsídio do iPhone não iria mais variar de acordo com o valor do plano ou dos pontos que o cliente tem no programa de fidelidade da operadora.

Publicidade

Um exemplo simples: a operadora oferece cinco diferentes planos pós-pago com as seguintes mensalidades: R$50, R$100, R$150, R$200 e R$250. Digamos que ela tenha estabelecido o plano de R$100 como o mínimo para oferecer o subsídio do iPhone. Neste caso, tanto faz o cliente assinar o plano de R$100 ou R$250 mensais; ele terá o mesmíssimo benefício (desconto) ao comprar um iPhone novo.

Escolhendo a operadora na compra de um iPhone na Apple Online Store americana

Escolhendo a operadora na compra de um iPhone na Apple Online Store americana.

Publicidade

E não para por aí! A ideia é conectar o sistema da Apple e das operadoras para que seja possível adquirir um novo iPhone atrelado a um plano de uma determinada operadora tanto pela Apple Retail Store quanto pela Apple Online Store. Ao comprar o aparelho, o cliente já o recebe com o chip da operadora e com o plano ativado — sem precisar passar pela loja da telecom.

Apple Retail Store - VillageMall

Na parceria atual entre Apple e Tim, os especialistas da Apple Retail Store – VillageMall possuem acesso a determinadas informações de planos durante um atendimento. Mas essa integração é muito básica e não ajuda em quase nada (principalmente por não ter desconto envolvido). Nos resta torcer para que esse acordo vá à frente e que seja colocado em prática o quanto antes.

Sonhando um pouco, eu diria que o lançamento do “iPhone 6”, que deverá acontecer até o final do ano aqui no Brasil, seria um momento bem propício para isso. 😉

Ver comentários do post

Artigo Anterior
Filme - Invictus

Filme da semana: “Invictus”, com Morgan Freeman e Matt Damon

Próximo Artigo
Ícone do Safari para OS X

↪ Desenvolvedores: Apple libera Safari 7.1 (OS X Mavericks) e 6.2 (OS X Mountain Lion) para testes

Posts Relacionados