O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Juntas, Apple, Google e Microsoft registraram mais do dobro de patentes que o Brasil em 2014!

Brasil

por Gustavo Jaccottet Freitas (advogado)

Publicidade

Ao tomar conhecimento de que a Apple registrou a “bagatela” de 2.003 patentes nos Estados Unidos em 2014, fiquei estupefato ao ver que esse número significava apenas o 11º lugar entre as empresas que requereram o registro de novas patentes — nos EUA.

Brasil

Brasil, via Shutterstock.

Publicidade

Analisando friamente os números, nota-se que a Apple fica bem aquém de concorrentes como Google e Microsoft, o que acentua ainda mais o problema sobre o qual quero dialogar: no Brasil são registradas uma média de 3.108 patentes por ano — tomando como base os dados fornecidos pelo INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), órgão de Estado, vinculado à pasta do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Para que fique bem claro, uma patente é algo que integra a propriedade intelectual de uma pessoa física e/ou jurídica. Explico: há dois tipos de propriedade, a material, cujo exemplo pode ser um carro ou uma sala comercial, e a imaterial (também chamada de intelectual), cujos principais exemplos são as marcas, as patentes e os segredos industriais.

Uma patente é dividida em duas modalidades:

Publicidade
  1. Patente de invenção: aqui, a exigência é o respeito ao princípio da inventividade/novidade — que deve possuir utilidade industrial. Ou seja, trata-se de um produto novo. Vale salientar que apenas uma patente não é o bastante para que um único produto seja comercializado. O iPhone, por exemplo, a cada ano, é acrescido de novas tecnologias patenteadas pela Apple.
  2. Modelo de utilidade: é algo que apresenta uma melhoria funcional em razão de um objeto já existente.

Feita esta breve explicação, vamos ao que interessa.

O Brasil possui um total aproximado de 42.000 patentes válidas. Entre os anos de 2003 e 2013 foram concedidas um total de 34.189 patentes. Para se ter uma ideia, o Brasil ocupa apenas o 19º lugar entre os 20 países considerados como referências em inovação. É um dado realmente preocupante. Em breve a Apple terá um número maior de patentes registradas em seu nome do que todas as patentes registradas junto ao INPI. A questão é: o que leva a termos esse baixo número de patentes registradas?

Vou tão somente opinar sobre quais os motivos que me levam a crer que o Brasil precisa, com urgência, adotar uma nova política de propriedade industrial. A lei que rege o registro de marcas e patentes no Brasil é de 1996, ou seja, tem quase 20 anos, e a burocracia para se requerer a concessão de uma patente é assustadora. No ramo das telecomunicações, por exemplo, a espera pelo registro pode ser superior a 14 anos!

Publicidade

Isso nos torna cada vez mais dependentes do potencial industrial que vem do exterior, e o governo coloca sérios entraves a isso. Um dos bons exemplos foi o desenvolvimento da TV digital. Em 1998, quando o Ministério das Comunicações decidiu que esse sistema seria adotado no Brasil, havia três tecnologias a serem escolhidas: a dos EUA, a da Europa e a do Japão. Na época, o ministro Miro Teixeira deu uma entrevista ao Programa do Jô afirmando que o “nosso sistema” seria inovador, diferente dos outros três. Passados 14 anos do início do processo de desenvolvimento da TV digital, ela ainda é uma realidade que entrava não só o acesso à tecnologia em si, mas que atrapalha o desenvolvimento de algo que é ainda mais importante; a internet banda larga via rede de dados celular.

Peru

Peru, via Shutterstock.

Analisando o ranking divulgado aqui MacMagazine, vi que a Ericsson registrou 1.537 nos EUA no ano de 2014. Logo decidi entrar no site da empresa sueca e vi algo que me chamou muita atenção: em parceria com o governo do Peru, a Ericsson está desenvolvendo todo um sistema de banda larga via 4G (LTE) para as zonas afastadas das grandes cidades. Notem que não estou falando de um país de outro continente, e sim de um vizinho.

A falta de investimentos na área de engenharia aliada à péssima educação de base que há por aqui esconde um grande número de gênios que poderiam servir à indústria nacional. O que acontece, pelo contrário, é que quando um desses gênios surge, ele é contratado por alguma dessas empresas que estão no ranking. O país não oferece nem condições de desenvolvimento, tampouco uma oferta favorável para que essas pessoas fiquem por aqui e desenvolvam o seu trabalho.

É lamentável ter de constatar que, para um país que se apresentava como “do futuro”, estamos caminhando a passos de tartaruga em relação aos próprios BRICs. Juntas, Rússia, China e África do Sul possuem quase 10 vezes mais patentes registradas que o Brasil.

Para encerrar, gostaria de convidá-los a refletir sobre um pequeno dado: o valor de mercado da Apple, que registrou quase o mesmo número de patentes que o Brasil em apenas um único ano, é quase o mesmo que o valor de mercado somado de todas as empresas que negociam seus papéis na BOVESPA (tomando por conta a perda de valor de mercado da Petrobras).

Quando se diz: aqui temos o iPhone mais caro do mundo, poderíamos ainda dizer que temos um potencial de crescimento cada vez mais enrustido. É por isso que não me causa estranheza ver que os concursos públicos são o sonho de consumo da grande maioria dos recém-saídos de um curso superior; em contrapartida, é a iniciativa privada que é responsável pelos maiores ganhos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em todos os países do mundo.

Basta ver os números da Maçã e compará-los ao do Brasil inteiro. Para um leigo, como eu, creio que isto explica muitas coisas.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Upgrade de Mac mini

Confira os ganhos reais que um upgrade de RAM e/ou SSD podem trazer para o seu Mac

Próximo Artigo

Updates recentes na App Store: Google Maps, Skype, MEGA e mais!

Posts Relacionados