O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Opinião de leitor: primeira experiência com o Apple Watch

por Henrique Araujo Cunha [@cunhah]

Depois da euforia inicial por ter recebido o meu Apple Watch Sport — de 42mm, com pulseira Sport branca — no dia 24 e acompanhar toda a aventura do MacMagazine e do Loop Infinito para trazer em primeira mão o unboxing do novo gadget, compartilho a seguir com vocês minhas primeiras experiências como usuário do relógio.

Publicidade

No dia em que recebi o Watch, como todo apaixonado por tecnologia fiquei explorando ao máximo todos os seus detalhes. De primeira percebi que não estava usando a Coroa Digital para rolar a tela ou dar zoom, eu simplesmente tocava a tela exatamente como faço no iPhone. Bem, aqui percebo que eu precisaria me adaptar ao uso do novo gadget, assim como meu adaptei com a tela maior do iPhone 6 Plus.

Como a vida não se limita a compras, tirei um dia para fazer passeios turísticos em Washington, DC. Saí do hotel por volta das 10 horas da manhã, com o relógio no pulso a 100% de bateria.

Publicidade

Enquanto dirigia, era possível acompanhar rapidamente algumas notificações sem tirar as mãos do volante.

Nosso primeiro passeio foi a visita aos jardins da Casa Branca. Com os ingressos em mãos (por sinal, a grande maioria das atrações em Washignton é grátis), ficamos na fila aguardando a nossa vez. Como estava muito frio, resolvi usar a Siri no Watch para procurar uma Starbucks mais próxima, mas a fila começou a andar rapidamente e não pude usar a função Mapas.

Nesta primeira versão o Watch OS ainda não está disponível em português, por isso mesmo que o seu iPhone esteja com iOS 8.3 com o idioma da Siri em português, o relógio irá reclamar da incompatibilidade. Logo que percebi este problema (que com certeza será corrigido pela Apple com uma simples atualização de software), alterei a Siri de volta para o inglês.

Antes de entrar nos jardins, passamos pela segurança — que revistou o conteúdo das bolsas, mochilas, etc. Ao passar pelo raio-X perguntei se precisaria tirar o meu relógio do braço, mostrando-o para o segurança. A reação imediata dele foi “WOW, an Apple Watch!”. Na sequência, ele pediu para tirá-lo do braço e colocá-lo na bancada (talvez porque ele quisesse ver de perto e tocar no relógio, haha). Não vou mentir: fiquei apreensivo e pedi cuidado com meu gadget, porque ele ainda não está disponível nas lojas para compra1. Ao me devolver o relógio, o segurança mencionou que era a primeira vez que ele via um Apple Watch.

Durante o passeio, atendi uma ligação de voz (sim, no Apple Watch é possível atender ligações) sem tirar meu iPhone do bolso do casaco. O relógio da Apple possui alto-falante e microfone, assim pude falar (aproximei o relógio do rosto porque o ambiente estava barulhento) e também ouvir a ligação. Nessa hora, lembrei do personagem dos quadrinhos da quadrinhos Dick Tracy, criado em 1946, que naquela época já usava um rádio-comunicador no pulso, exatamente como fiz com o meu Apple Watch. Teria a Maçã se inspirado nos quadrinhos? A título de curiosidade, em 1964 o rádio-comunicador de Dick Tracy evoluiu para uma TV. Será que na próxima geração do Apple Watch seremos capazes de fazer FaceTime com o smartwatch?

Publicidade

Retornando à experiência com o relógio, usei muito a Siri para me guiar nos passeios. A assistente localizou e traçou a rota a pé para uma Starbucks mais próxima, quando disse “Hey Siri, walk me to the nearest Starbucks”. As instruções ficam na tela e quando você se aproxima do local em que precisa desviar o caminho, o Taptic Engine entra em ação, vibrando (e aqui fica meu relato: a vibração não tem *nada* a ver com a vibração dos celulares — mais parece um toque na pele) e alertando que uma nova instrução está na tela. Fantástico! Muito mais simples que ficar caminhando olhando para a tela do iPhone para acompanhar o mapa…

Publicidade

Continuei meus passeios usando a Siri para traçar as rotas. Também explorei a troca de mensagens, enviando taps (cutucadas), batimentos cardíacos e desenhos para o Breno Masi [@macmasi]. Confesso que desenhar na tela de 42mm no Apple Watch não é lá muito prático. Mas foi engraçado explorar essa função e nossa criatividade.

Ainda falando sobre mensagens, o envio de SMS/iMessages através do Watch é muito simples. Funcionou muito melhor que com o meu Moto 360 (sim, eu tenho testado um Moto 360 desde setembro e posso dizer que o reconhecimento de voz para envio de mensagens não foi tão bom quanto com a Siri), sem falhas. O aplicativo do WhatsApp até envia as notificações push para o Watch, mas não é possível ler o conteúdo ou muito menos responder as mensagens — enquanto que no Moto 360 é possível ler as mensagens e até respondê-las. Espero uma breve atualização do WhatsApp trazendo essas funções básicas para o Apple Watch.

Também procurei acompanhar meu relatório de atividades (app Activity) ao longo do dia, bem como medir os meus batimentos cardíacos. Aqui fica meu relato: o sensor de batimento cardíaco do Apple Watch em todas as vezes que usei não apresentou nenhuma falha na medição. No meu Moto 360 a medição falha em grande parte das vezes, e o relógio pede que eu fique imóvel para ele medir meu pulso. Ou seja, ponto para a Apple. Afinal, ninguém vai ficar parado para medir a sua pulsação.

Ao retornar de viagem espero ter a chance de testar apps de corrida, como Runtastic, Nike+ Running e RunKeeper. De antemão, a Nike já informa em seu aplicativo que a Apple não liberou o acesso ao monitor cardíaco para aplicações de terceiros. Sinceramente, espero que essa restrição acabe rápido.

Durante todo o dia, a cada interação com o Apple Watch, notava olhares curiosos das pessoas à volta. Alguns até chegaram a me abordar perguntando se era mesmo um Apple Watch e se eu estava gostando. Meu dia de passeios com o Apple Watch terminou às 2 da madrugada, depois de 14h de uso explorando Siri, Mapas, Mensagens e ate ligações. Terminei o dia ainda com 35% de bateria restando no reloginho.

Comparando o Moto 360 com o Apple Watch, posso dizer que a primeira experiência de uso do mais novo gadget da Maçã foi muito mais agradável, útil e funcional. Resta agora continuar a explorar os milhares de apps já desenvolvidos/lançados para o Watch, tornando o seu uso ainda mais bacana para nosso dia-a-dia.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Bateria do Apple Watch

Bateria do iPhone, do Apple Watch… como sempre alguns reclamam, outros elogiam

Próximo Artigo
Apple Retail Store da Quinta Avenida em Nova York

Conferência financeira da Apple: estoques, expansão e apps para o Watch, previsões de custos e mais!

Posts Relacionados