Contra a maré dos navegadores minimalistas, Vivaldi chega à sua versão 1.0 mirando usuários avançados

Pense um pouco na história recente da computação e depois olhe à sua volta: é inevitável chegar à conclusão de que os softwares em geral vêm surfando uma onda de simplificação e tendência ao minimalismo, influenciada pela linguagem dos dispositivos móveis. A própria Apple tem se mostrado adepta disso, com alguns resultados positivos, outros nem tanto e alguns tiros no pé.

Publicidade

No campo dos navegadores, não é diferente: os principais browsers atuais (Safari, Edge, Chrome, Firefox) resumem-se a uma janela para a web, com uma interface pouco intrusiva e mínimos recursos. Mas e os power users, carentes de opções mais elaboradas, como ficam?

Tela de abertura do Vivaldi

É mirando principalmente este público que foi liberada hoje a primeira versão estável (1.0) do Vivaldi. Fundado pelo co-criador e ex-CEO da Opera, Jon von Tetzchner, o novo browser se diferencia da concorrência por oferecer uma miríade de opções de personalização, gestos, atalhos, interface, organização e o que mais ocorrer. Tetzchner mostra-se confiante em afirmar que, após mais de um ano de desenvolvimento, o produto finalmente está num nível de estabilidade e recursos suficiente para lançamento em versão final.

Publicidade

Por ser baseado no Chromium, o browser experimental de código aberto do Google que também serve de base para o Chrome, o Vivaldi é compatível com todas as extensões criadas para o ubíquo navegador da gigante de Mountain View. Não que você vá precisar delas: a equipe de desenvolvimento do Vivaldi deixa bem claro que sua intenção principal é que o usuário tenha nativamente todos os recursos que possa precisar, sem a necessidade de recorrer a extensões. Entre os muitos deles, estão a adaptação visual ao site exibido, a possibilidade de empilhar abas e visualizar algumas delas simultaneamente, anotações e funções múltiplas num painel lateral e ajustes profundos de aparência e atalhos de teclado/mouse. Tem também um recurso de “comandos rápidos” com um visual chupado muito parecido com o do Spotlight. Outros recursos prometidos na fase de testes, como um cliente de email integrado, ficarão para as próximas versões — afirmam os desenvolvedores.

Comandos Rápidos no Vivaldi
Tela do Vivaldi mostrando o recurso dos Comandos Rápidos

Confira um vídeo que apresenta o projeto:

Publicidade

À primeira vista, o Vivaldi pode parecer amedrontador para usuários acostumados com a simplicidade dos navegadores mais “mainstream”, com sua interface carregada e recursos avançados, porém, como afirma o próprio slogan do aplicativo, ele “não é para todos, é para você”. Ou seja, se você simpatizou com a ideia, é porque provavelmente vai gostar dele. Se este for o caso, o Vivaldi 1.0 está disponível imediatamente para OS X (10.7 ou superior), Windows e Linux.

[via TechCrunch]

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…