O bicho pegou: Apple responde ao Spotify, acusando o serviço de “apelar a rumores e meias-verdades”

Ontem mesmo nós noticiamos que o Spotify tinha enviado uma carta ao Congresso dos Estados Unidos acusando a Apple de usar o sistema de aprovações da sua App Store como uma “arma” para beneficiar seus próprios produtos — nomeadamente o Apple Music — e prejudicar concorrentes que dependessem da loja.

Publicidade

Hoje, a guerra dos serviços de streaming ficou ainda mais quente quando a Apple botou a boca no trombone, respondendo às acusações do Spotify e alegando que o serviço está, no fim das contas, mentindo.

Nova área dinâmica da rádio Beats 1 no Apple Music

Uma carta assinada por Bruce Sewell, vice-presidente sênior e conselheiro geral da Apple, e obtida pelo BuzzFeed, endereça-se ao advogado-chefe do Spotify, Horacio Gutierrez, e mostra a Maçã “desapontada” com os ataques públicos da empresa sueca. Mais que isso, a carta afirma que o Spotify está “apelando a rumores e meias-verdades” sobre o sistema de aprovação de aplicativos na App Store.

Publicidade

[…] Nós achamos problemático que você esteja apelando para rumores e meias-verdades sobre o nosso serviço. Nossas guidelines ajudam a competição, não as fere. O fato de que nós competimos nunca influenciou o modo como a Apple trata o Spotify ou outros concorrentes de sucesso como Google Play Music, TIDAL, Amazon Music, Pandora ou inúmeros outros aplicativos na App Store que distribuem música digital.

Depois, a Maçã reforça as mudanças nas regras de repasse de lucros provenientes de assinaturas — as quais o Spotify acredita que ainda não sejam vantajosas o suficiente.

Milhares de desenvolvedores estão se beneficiando com o recurso das In-App Purchases, incluindo o Spotify. Desde que ele foi lançado, as regras da App Store proíbem os desenvolvedores de redirecionar consumidores dentro de um app para fora dele para comprar conteúdo ou assinaturas com o intuito de evitar o pagamento da comissão padrão da Apple. Recentemente, nós introduzimos uma nova divisão de lucros para assinaturas […] Após um ano de serviço, uma divisão de 85/15 entra em ação. Todas as assinaturas vigentes estão inclusas na regra — se os desenvolvedores possuem assinantes de mais de um ano, a divisão 85/15 começa a ser aplicada imediatamente.

No fim da carta, o executivo ainda dá mais detalhes sobre os motivos para a Apple ter reprovado a última versão do app do Spotify:

Logo após o Spotify enviar seu app em 26 de maio, nossa equipe identificou uma série de problemas, incluindo que o recurso de In-App Purchases tinha sido removido e substituído por um recurso de inscrições que claramente tinha o intuito de desviar das regras de divisão de lucros da Apple. […] Em 10 de junho, o Spotify enviou outra versão do app, que, de novo, incorporava o sistema de inscrições, desta vez orientando os consumidores a digitar um endereço de email para que eles pudessem ser contatados diretamente pelo Spotify em uma tentativa continuada de evitar nossas guidelines.

A carta é finalizada dizendo que “o app do Spotify atualmente disponível na App Store ainda está violando nossas regras”, e reiterando que a Apple está disposta a fazer uma análise e aprovação rápida de uma nova versão do app que não desrespeite as regras da App Store.

Publicidade

Esperemos os próximos capítulos desta novela. Tenho certeza de que ainda virão muitos…

[via 9to5Mac]

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…