O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Siri

Executivos contam como o filme “Her” inspirou a “nova” Siri e como ela não foi arquitetada para usos triviais

Sabe aquela história de que “a vida imita a arte” e vice-versa? Em tecnologia, isso também é aplicado, a um certo grau. Pelo menos foi o que pareceu ter acontecido com Alex Acero, o executivo responsável pela Siri, ao ver o filme “Her” (“Ela”), cujo enredo gira em torno de um romance entre uma assistente virtual e um humano.

Publicidade

Em uma entrevista à WIRED, o executivo contou de que maneira tentou entender como um humano poderia se apaixonar por “algo” que nem sequer via. Ele chegou a uma resposta: a voz da assistente, interpretada pela atriz Scarlett Johansson, era “natural, não robótica”.

Apesar de isso ser bastante óbvio e até ser basicamente a intenção da empresa desde a gênese da Siri, algo certamente mudou no iOS 11. Como comentamos aqui, a diferença pode ser notada neste artigo publicado no Apple Machine Learning Journal, por meio de exemplos em áudio das últimas versões do iOS. De fato, a fala da assistente está muito mais natural, com pausas e traços de interpretação dos elementos textuais.

Mulher usando a Siri num iPhone ao ar livre

A base da Siri é o “aprendizado profundo” e a inteligência artificial, tecnologias que permitiram que a melhora acontecesse. De acordo com a WIRED, sua capacidade de reconhecimento de voz agora chega a reconhecer corretamente cerca de 95% da fala do usuário, o que é muito mais do que suas concorrentes Alexa e Cortana.

Publicidade

Por outro lado, como sabemos, há limitações muito primárias que impossibilitam o uso regular da Siri. Essas limitações, conforme contaram executivos da Maçã, teriam sido culpa de alguns problemas surgidos da parceria com terceiros nos primeiros anos de sua criação, e que a empresa está trabalhando para superar isso.

“Era como correr uma corrida e, você sabe, outra pessoa estava nos segurando”, diz Greg Joswiak, vice-presidente de marketing de produtos da Apple. Joswiak disse que a Apple sempre teve grandes planos para Siri, “essa ideia de uma assistente com a qual você poderia conversar em seu telefone, e tê-la fazendo essas coisas para você de uma maneira mais fácil”, mas a tecnologia simplesmente não era boa o suficiente. “Você sabe, lixo, lixo,” ele diz.

Joswiak disse que o objetivo da Apple desde o início foi fazer da Siri uma máquina que “fazia as coisas acontecerem”, não para ser de uso “trivial”, como contar piadas e fazer perguntas bobas. Quer dizer, sua intenção é que realmente a assistente permita automatizar vários processos e ajude o usuário ao realizar suas tarefas, como demonstrado nos comerciais estrelados por Dwayne “The Rock” Johnson.

Publicidade

https://www.youtube.com/watch?v=LEpygPbOJWU

Uma das vantagens da Siri em relação às demais assistentes é a possibilidade de falar e entender diversas línguas, como já contamos aqui, e coletando dados anonimamente conforme os usuários interagem com ela.

Além disso, mesmo nos locais onde não há suporte à Siri, mas apenas ao ditado, os dados são coletados para usos futuros da assistente. Em relação à escolha da voz em cada idioma, o processo também é meticuloso.

Publicidade

Eles começam com centenas de pessoas, todas trazidas para gravar uma amostragem de coisas que Siri poderia dizer. Acero, então, trabalha com os designers da Apple e com a equipe de interface do usuário para decidir quais as vozes de que mais gostam. Esta parte pende mais para a arte do que para a ciência — eles querem ouvir um inefável senso de utilidade e camaradagem, espalhafatoso sem ser afiado, feliz sem ser caricato.

Todos os esforços são para que a Siri se torne mais uma pessoa confiável do que um robô, fazendo-a “ótima” até mesmo quando não souber responder corretamente. No iOS 11, já ouviremos a assistente muito mais proativa e certamente seu uso se potencializará com a chegada do HomePod em dezembro.

A matéria completa, com os detalhes, pode ser pode ser lida aqui.

via The Loop

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Capa da TIME fotografada por Luisa Dörr

12 capas da revista TIME foram fotografadas usando iPhones… por uma brasileira!

Próximo Artigo
Drive File Stream

Com o Drive File Stream e o Backup and Sync, cliente do Google Drive para desktops deixará de existir

Posts Relacionados