O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple Watch Series 3 no braço

Review: Apple Watch Series 3

Quando comecei a pensar em como iniciar este review, me dei conta de que tive a oportunidade de testar e acompanhar *todas* as gerações do Apple Watch até aqui — coisa que não aconteceu nem com o Mac (meu primeiro foi um iMac G3 de 2000), nem o iPad (meu primeiro foi o iPad 2) e nem com o iPhone (meu primeiro foi o iPhone 3G).

Publicidade

Trata-se de uma linha de produtos ainda bem nova para a Apple, mas que já começou a trilhar a sua própria história. E eu consigo fazer várias analogias ao Series 3 quando olho para o mesmo estágio em que o iPhone estava quando chegou à sua terceira geração, a 3GS. Temos agora um produto bastante polido, com performance realmente satisfatória e um sistema operacional que já dá sinais de amadurecimento.

Apple Watch Series 3 entrelaçados

O Apple Watch Series 3 mudou muito em relação ao Series 2? Não, longe disso. Mas não necessariamente isso é algo ruim, tal como discorrerei nos parágrafos a seguir.

Vídeos

Para quem perdeu, publicamos dois vídeos sobre o Apple Watch Series 3 diretamente da nossa cobertura em Nova York. O primeiro, que não poderia faltar, é de unboxing; no segundo, já trazemos um hands-on destacando algumas das novidades dele.

Confira:

Publicidade

O que não mudou?

Na verdade, muita coisa continua igual no Series 3 não só relação ao 2, mas até em relação ao Apple Watch de primeira geração lançado lá em 2015.

O design não mudou absolutamente nada (com exceção de um vidro 0,2mm mais espesso na sua parte traseira), o sistema de pulseiras continua o mesmo (o que é ótimo, pois você pode usar no Series 3 pulseiras que adquiriu há mais de dois anos se quiser), a Digital Crown e o botão lateral marcam presença, há os mesmos dois tamanhos de tela (38mm e 42mm), nenhum material novo utilizado na carcaça (foi só no ano passado que a linha Edition deixou de ser de ouro e passou a ser de cerâmica), quase todos os sensores e componentes continuam os mesmos e até o watchOS 4 pode ser instalado em todo e qualquer Apple Watch (com raras exceções de recursos que só funcionam nos mais novos).

Publicidade

Basicamente, é uma tarefa para poucos distinguir várias gerações do Apple Watch colocadas lado a lado numa mesa — com exceção dos novos modelos GPS + Cellular, que contam com uma polêmica Digital Crown vermelha para identificá-los. Aproveitando a oportunidade, matemos logo este assunto então.

GPS + Cellular

É até bizarro pensar nisso, mas o fato é que a grande novidade do Apple Watch Series 3 muito provavelmente não chegará ao Brasil (embora haja uma longínqua possibilidade de isso mudar) e nem a vários outros países.

Tratam-se dos modelos que a Apple identifica como “GPS + Cellular”, isto é, que agora contam com conectividade celular embutida. Isso significa que, além de funcionar como todo e qualquer Apple Watch, esses modelos podem se conectar a redes de dados de operadoras quando o iPhone emparelhado não está ao seu alcance e nem uma rede Wi-Fi conhecida está disponível para conexão. Assim, você continua recebendo ligações, mensagens e notificações no relógio de qualquer lugar.

Apple Watch Series 3 com pulseira esportiva laranja

O motivo pelo qual isso não deverá rolar tão cedo aqui no Brasil é que nenhuma operadora nacional suporta a tecnologia eSIM, utilizada pela Apple. Explicando: o Apple Watch Series 3 (GPS + Cellular) não dispõe de uma bandejinha para você colocar o seu chip, tudo é feito via software.

Além disso, a Agência Nacional de Telecomunicações impede que dois chips diferentes — por mais que um deles seja eletrônico — compartilhem um mesmo número, que é como o Apple Watch funciona. Apesar disso, apuramos recentemente que na verdade o eSIM dos relógios tem, sim, um número próprio/único; ele só não é divulgado e usado publicamente. O encaminhamento de ligações, mensagens, etc. do número principal para o Apple Watch também deve ser feito via software, entendemos.

Ainda assim, quem optar por comprar um Apple Watch Series 3 (GPS + Cellular) não é obrigado a ativar a parte de celular dele, até porque isso custa. Nos Estados Unidos, a maioria das operadoras está cobrando em média US$10 a mais na conta mensal de seus clientes — o que para nós pode parecer pouco, mas para muitos consumidores americanos é cerca do dobro que acham justo pagar. E faz sentido, afinal, como já havia dito, o relógio só conecta-se mesmo à rede celular quando o iPhone não está por perto e nem há uma rede Wi-Fi disponível.

Um diferencial que a Apple não fez muita questão de destacar é que os modelos GPS + Cellular contam com uma memória interna de 16GB, enquanto os outros mantiveram-se com os tradicionais 8GB — provavelmente para armazenar um número maior de faixas do Apple Music em cache, após o streaming.

Novo app Música do watchOS 4 no Apple Watch Series 3 com AirPods do lado

Pessoalmente, eu acho que não optaria pelo modelo GPS + Cellular nem se ele funcionasse aqui no Brasil. É muito raro eu não estar com o iPhone por perto e, sinceramente, às vezes alguns momentinhos de desconexão total do mundo virtual são bem-vindos. A diferença de capacidade também não é algo que me enche os olhos; eu nem sequer tenho noção de quanto espaço ocupo no meu relógio atualmente.

Uma “mancada” da Apple com esta nova geração, se é que podemos caracterizar dessa forma, é que apenas os modelos de alumínio possuem versões somente com GPS — que custam em média US$70 a menos. As versões de aço inoxidável e de cerâmica todas são GPS + Cellular, talvez porque, como são mais caros, acabam “embutindo” o custo extra do chip celular no valor total do produto mesmo.

Apple Watch Series 3 (GPS + Cellular) com a Digital Crown vermelha destacada

Mas fica um pouco “chato”, digamos assim, porque dá uma sensação de que o consumidor está pagando a mais por algo que não irá usar. Além disso, há a tal Digital Crown vermelha que obviamente não agradou a todo mundo.

Performance

Você aí deve ter lido os parágrafos acima e perguntado por que diabos compraria um Apple Watch Series 3, então. Eu lhes respondo: performance.

A associação que fiz lá no começo entre esse relógio e o iPhone 3GS cabe bem aqui. O “S”, naquela época, referia-se a “speed” (velocidade). E quem teve um iPhone original ou um iPhone 3G deve lembrar bem como esses telefones eram lentos.

App carregando no Watch

Pois bem, em termos de performance o Apple Watch Series 2 — junto das otimizações que a Apple fez ano passado pro watchOS 3 — já tinha melhorado bastante, mas agora é que a coisa ficou realmente interessante e agradável. Toda a interface está bastante fluida e o sistema guarda todos os apps que você utiliza com frequência na memória sem problemas. São raros os apps que você tocará para abrir e terá que esperar alguns segundos até estar pronto para uso. Raros.

Tudo isso é graças ao novo chip S3 dual-core que a Apple desenvolveu especialmente para o Watch Series 3. A empresa promete uma performance 70% superior, e na minha experiência eu diria ser algo dentro dessa faixa mesmo.

A equipe de engenharia de processadores dela está fazendo milagres nessa área, e isso ninguém pode negar.

Bateria

Outro efeito colateral positivo do chip S3, e este foi uma grata surpresa para mim (até porque a Apple pouco falou disso na keynote de lançamento), é a autonomia da bateria do Apple Watch Series 3.

Eu não sei qual o motivo de a Apple só prometer 18 horas de bateria pro Watch Series 3, porque é fato — e todas as pessoas que eu conheço que já estão com esse novo modelo confirmam isso — que ele agora dura facilmente dois dias inteiros.

Em média, eu tenho chegado ao fim do dia aqui com pelo menos 55-60% de bateria, às vezes mais. E isso realizando cerca de uma hora de exercício durante o dia, o que faz consumir mais bateria até pelas verificações mais frequentes de batimentos cardíacos.

Claro, a minha análise foi toda baseada no modelo GPS. A própria Apple avisa que usar o Watch conectado à rede 4G/LTE consome muita bateria, a ponto de ele não durar nem meio dia se estiver o tempo todo funcionando assim. Se você entrar numa ligação, então, a bateria toda vai embora em cerca de uma hora apenas.

Em termos de recarga, nada mudou. O Apple Watch continua vindo com um carregador por indução idêntico ao dos modelos anteriores e o funcionamento é o mesmo.

Base de recarga AirPower com iPhone X, Apple Watch Series 3 e AirPods

Ao contrário do que muitos chegaram a imaginar, o Apple Watch Series 3 *não* adota o padrão de recarga Qi como os iPhones 8, 8 Plus e X. Ele poderá ser recarregado na futura base AirPower da Apple, mas só (salvo raras exceções que nem vale considerarmos aqui).

Siri

É até um contrassenso eu dedicar uma seção deste review à assistente da Apple, considerando quão limitada ela ainda é no nosso idioma, mas pelo menos agora a Siri se tornou minimamente usável no Apple Watch.

Antes eu já desistia só pensando na performance dela, que era sofrível. Isso foi resolvido no Series 3, e mais: agora a Siri dá respostas em áudio, como sempre fez no iPhone.

Consumidor usando o Apple Watch Series 3 em Apple Store

Não me perguntem por que a Apple restringiu isso somente a esta geração, já que os Watches anteriores já tinham alto-falante e, sinceramente, não senti nenhuma diferença no alto-falante do novo. Mas pode ser algo com relação aos componentes internos ou, obviamente, uma mera decisão estratégica/mercadológica dela.

Outros componentes

O Apple Watch Series 3 continua com GPS e GLONASS, sensor de batimentos cardíacos, acelerômetro e giroscópio, sensor de luz ambiente, Wi-Fi (802.11b/g/n 2.4GHz), Bluetooth 4.2 e uma carcaça à prova d’água para até 50m. Nos modelos de alumínio, o vidro frontal é de íons-X e a traseira composta (o GPS + Cellular já usa cerâmica); nos outros modelos, o vidro é de cristal safira e a traseira de cerâmica.

Além do chip S3 que já cobrimos, o Apple Watch Series 3 também incorpora um chip W2 para comunicação wireless. Então, embora não haja novidade nenhuma em termos de especificações dos componentes Wi-Fi e Bluetooth (nem o 5.0 veio, nesse…), esse chip W2 promete uma melhor experiência com conexões sem fio, maior estabilidade e alcance, e também contribui bastante para a autonomia de bateria do relógio.

Outra novidade citada por ela nesta geração é a chegada de um altímetro barométrico, que nada mais é do que um componente destinado a saber com precisão quando você está subindo ou descendo escadas. E posso dizer que a coisa funciona, sim, muito bem.

Lances de escada subidos pelo Apple Watch (Saúde)

watchOS 4

Não posso fazer um review do novo Apple Watch sem dar umas pinceladas no watchOS 4, até porque basicamente só usei ele com o novo relógio. E algumas mudanças que chegaram nesta versão me agradaram muito.

Dock do watchOS 4

O Dock — ativado ao pressionar o botão lateral do relógio — ficou bem mais legal e intuitivo no watchOS 4, com sua disposição vertical de apps. Isso faz todo o sentido, afinal, navegamos por eles girando a Digital Crown.

Lista de apps no watchOS 4

Falando em disposição vertical de elementos, outra coisa que dá para fazer agora na tela de ícones de apps é pressioná-la com o Force Touch e trocar a tradicional visão “colmeia” (que a Apple chama de grade) para uma em lista. Acabei trocando porque semanticamente ela faz mais sentido, visto que todos os seus apps ficam ordenados alfabeticamente, mas em termos estéticos a outra é mais bacana, é claro.

App Exercícios do watchOS 4

Um dos apps que eu mais utilizo, o Exercícios, também ganhou excelentes melhorias. A disposição de elementos na interface está agora melhor e os caras tiveram a excelente sacada de adicionar uma “tela” deslizando para a direita com um controlador multimídia dentro dele mesmo, o que é ótimo para quem ouve músicas enquanto está malhando, como eu.

Não pretendo me alongar muito mais aqui no watchOS 4 em si, mas preciso falar de um recurso que a Apple adicionou à sua Central de Controle que eu nunca imaginei que seria tão útil no Watch: a lanterna!

Central de Controle do watchOS 4

Sempre usei muito o flash do iPhone como lanterna, desde aquela época em que para isso era preciso baixar apps de terceiros. Mas, desde que peguei o Watch Series 3 rodando o watchOS 4, acho que só tenho usado o relógio mesmo para isso — especialmente quando ando pela casa tarde da noite, com a esposa e a filha já dormindo.

Para quem acha que a telinha do Watch não serviria bem para isso, vale lembrar que trata-se de um display OLED com 1.000 nits de brilho — e isso desde o Series 2. É, basicamente, a tela mais brilhante que a Apple já colocou em quaisquer dos seus produtos. Só como vias de comparação, a tela OLED do iPhone X chegará a no máximo 625 nits.

Num ambiente totalmente escuro, mesmo o nível mais fraco do flash do iPhone às vezes já emitia luz demais para o que eu preciso. E é aí que entra a perfeição do Apple Watch para esse propósito, sem falar que ele preso no pulso deixa a coisa mais prática ainda. Uso demais!

Outra correção (sim, considero uma) que fez muita diferença no meu dia-a-dia é o fato de o watchOS agora sempre listar todas as notificações separadamente, mesmo quando várias chegam em sequência. Até a versão anterior, se você recebia múltiplas mensagens no WhatsApp, por exemplo, o Watch mostrava que tinham chegado “x” mensagens, aí você precisava descartar essa notificação e puxar a Central de cima para conseguir ler o conteúdo delas (um saco).

Mostrador da Siri no watchOS 4

Nem queria citar aqui os novos mostradores de “Toy Story” e de caleidoscópios, porque são meros “gimmicks” bonitinhos e divertidos, mas inúteis. Já o mostrador da Siri, sim, virou o meu padrão; ainda não é perfeito, acho que há muita inteligência para explorar ali, mas gostei bastante da proposta trazida pela Apple.

Aliás, que sensacional que é o Watch automaticamente mostrar o controlador multimídia quando você manda tocar uma música no iPhone! Detalhes que fazem a diferença.

O que faltou?

Não acho que adicionar conectividade celular no Apple Watch Series 3 tenha sido “pouca coisa”, mas o fato de isso estar restrito a alguns poucos lugares por enquanto e ainda requerer um pagamento mensal extra a operadoras deixar um ar de “queria mais” em termos de novidades.

Um dos poucos rumores que circulou por aí nos últimos meses abria possibilidade de o relógio ganhar algum tipo de medidor de glicose revolucionário. Não duvido que a Apple esteja estudando algo assim, mas ainda não foi a hora.

Fora isso, listo como coisas que faltaram mas que podem perfeitamente vir nas próximas gerações:

  • Um novo design: definitivamente não acho que o design do Apple Watch já esteja ultrapassado, mas sabemos bem que o consumidor é muito influenciado pelo visual de produtos assim e, naturalmente, começamos já a esperar alguma mudança nesse sentido. Adianto que acho perfeitamente possível que a Apple dê um “tapinha” no visual do Watch sem ter, ainda, que alterar o seu mecanismo de pulseiras; ele precisa mesmo perdurar por pelo menos alguns bons anos, considerando o elevado investimento que muitos consumidores já fizeram em pulseiras diferentes pros seus relógios.
  • Mais um tamanho: não me lembro de ter visto alguém demonstrar interesse num Apple Watch menor que o modelo de 38mm. Ele é perfeito principalmente para mulheres com pulsos finos e, aliás, é de longe o menor smartwatch do mercado. O que há, claramente, é uma demanda por um terceiro tamanho… maior. Acho que, futuramente, a linha poderá ser formada por versões de 38mm, 42mm e uma nova de 46mm.
  • Oxímetro: não sou especialista no assunto, mas já me informaram que o hardware atual do Apple Watch teria total capacidade para atuar como um oxímetro e mostrar, quem sabe dentro do próprio app Batimentos, o nível de oxigenação do sangue da pessoa. Esse é um dado importantíssimo e muito útil para médicos, enfermeiros, educadores físicos e afins, e está presente em outros smartwatches ou pulseiras fitness disponíveis no mercado. A única novidade recente foi o chamado VO2 máx., isto é, a quantidade máxima de oxigênio que seu corpo pode consumir durante um exercício.
  • Medição de nados de perna: eu entendo perfeitamente que o Apple Watch não tem como medir nados de perna, já que todo o acompanhamento que ele faz é com base nos movimentos do braço. Mas acho que já seria uma boa hora de a Apple (ou até alguma fabricante terceirizada) bolar um acessório para prendermos quem sabe no tornozelo e que se comunique com o relógio, ou no mínimo que o watchOS permitisse a inserção manual desses dados após um treino de natação.
  • Câmera: essa é outra coisa que já surgiu aqui e ali em rumores, talvez um dos principais componentes que estão no iPhone e inexistem hoje no Apple Watch. Eu até admito que é algo que muito provavelmente chegará numa futura geração, mas penso ser tão estranho você tirar fotos com um relógio tal como é tirar com um iPad (sem falar em questões de privacidade, de ser bem fácil tirar fotos “escondido”). E usá-lo para uma chamada FaceTime deve ser bem cansativo considerando ter que deixar o braço levantado por um certo tempo, com a câmera apontada para o seu rosto.
  • Independência total: sim, se você morar num país onde as operadoras já suportam o Apple Watch Series 3 (GPS + Cellular), poderá deixar o iPhone em casa e sair só com ele para uma corridinha na praça, continuando a receber ligações e mensagens. Mas o relógio ainda é muito dependente do iPhone e requer um para toda a sua configuração inicial.
  • Tela sempre ligada: desde a sua primeira geração, o Apple Watch conta com um display de OLED mas a Apple ainda prefere desligá-lo totalmente sempre que o relógio não está em uso. A tela acende ou quando você levanta o braço, ou quando dá um toque nela. Futuramente, seria interessante que pelo menos a hora e alguns indicativos de notificações ficassem sempre visíveis.

E vocês, o que mais adicionariam aí?

Conclusão

A Apple certamente está tentando, aos poucos, tornar o Watch um dispositivo realmente indispensável na vida das pessoas.

Mulher usando o Apple Watch Series 3 em Apple Store

Sendo bem sincero, eu ainda não acho que ela chegou lá. Claro, há casos de pessoas que poderiam ter morrido não fosse o Apple Watch [1, 2] e estas certamente nunca mais cogitarão a possibilidade de não ter um. Mas falo de uma forma geral, me colocando no lugar de um consumidor que precisa decidir se vale a pena ou não esse investimento.

Vendi e entreguei o meu Apple Watch Series 2 uma semana antes da data em que o Series 3 chegou ao mercado, ou seja, pela primeira vez em muito tempo passei alguns dias sem o relógio no pulso. Fez *muita* falta e deu para perceber claramente o quanto ele me poupa de ter que tirar o iPhone do bolso para olhar certas coisas. É, eu sei, um típico First World Problem®, mas você realmente se acostuma muito com as funções que ele proporciona.

Ainda assim, é óbvio que bastariam mais alguns dias para eu me reacostumar a viver sem o Apple Watch. É bem mais legal e prático interagir com ele? Sim, é. Mas, numa análise nua e crua, não dá para chamá-lo ainda de “indispensável”. No dia em que o tal rumor de um medidor de glicose embutido se concretizar, aí sim já poderemos afirmar que o investimento dele será um “no-brainer” para milhões e milhões de diabéticos (ou pessoas com potencial de desenvolverem a diabetes) em todo o mundo.

Consumidor comprando Apple Watch Series 3 em Apple Store

Se você aí está com dinheiro sobrando e ainda não tem um Apple Watch, o momento não poderia ser melhor para adquirir um. O produto está muito polido, rápido, sua tela é sensacional, há hoje muito mais funções do que havia na época do seu lançamento, os recursos de atividade sem dúvida nenhuma nos estimulam a levar uma vida mais saudável, ele é totalmente à prova d’água e certamente atua como um complemento e tanto para o iPhone.

Mas se você já tem um Apple Watch, a recomendação de compra fica bem difícil — a menos que o seu seja um “Series 0” (modelo de primeira geração) ou Series 1, que nem à prova d’água são. As melhorias do Series 3 em relação ao 2 são perceptíveis, mas não justificam tirar o escorpião do bolso.

Caso você esteja decidido a comprar um, a escolha do modelo e da pulseira é muito, muito pessoal. Eu não cogito gastar mais por um relógio de aço inoxidável ou muito menos de cerâmica, por mais lindos que eles sejam. O modelo de alumínio também é bacana e traz exatamente as mesmas funções; a única desvantagem real que vejo é o seu vidro frontal, que arranha com bem mais facilidade que o cristal safira dos modelos mais caros.

Versão Hermès do Apple Watch Series 3

Obviamente, há também as versões especiais Nike+ e Hermès. A primeira traz pulseiras bonitinhas perfuradas e um mostrador exclusivo da marca, uma ótima pedida para quem é esportista; já a segunda, que nem é vendida no Brasil, mira um público mais interessado em joias e artigos de luxo (tal como o Apple Watch Edition). Aí, vai de cada um mesmo.

O Apple Watch Series 3 já foi devidamente homologado pela Anatel, mas por enquanto a Apple Brasil não iniciou as vendas dele por aqui.

·   •   ·

O MacMagazine realizou a cobertura de lançamento dos novos iPhones, Apple Watches e Apple TV 4K graças ao Rei do iPhone, assistência técnica especializada localizada na Rua Santa Ifigênia, 92, São Paulo. Garanta já que o seu iPhone fique novo pela segunda, terceira ou quarta vez. Faça um orçamento sem compromisso. Aproveite e tome um cafezinho por lá, de segunda-feira a sábado das 9h às 18h, e domingo das 9h às 16h.

Logo do Rei do iPhone

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Apple Michigan Avenue em Chicago

Apple inaugura nova belíssima loja em Chicago, uma flagship daquelas que precisam ser visitadas

Próximo Artigo
Mulher loira mexendo em iPhone

Os 5 artigos mais lidos no MacMagazine: de 15 a 22 de outubro

Posts Relacionados