O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Bandeira da Coreia do Sul

Autoridades sul-coreanas realizam buscas nos escritórios locais da Apple, bem na véspera do lançamento do iPhone X

Vocês estão a fim de uma história que levanta um monte de pontos de interrogação? Pois aí está um exemplo clássico!

Publicidade

O jornal Metro informou que agentes e investigadores de alguns órgãos de regulamentação da Coreia do Sul entraram nos escritórios da Apple no país hoje pela manhã — na véspera do (possivelmente gigantesco) lançamento do iPhone X por lá. Por quê? Ninguém sabe explicar ao certo.

Na sede sul-coreana da Apple, os investigadores teriam feito perguntas aos empregados e executivos da Maçã sobre suas práticas de negócios no país — não se sabe, entretanto, se as autoridades confiscaram documentos ou outras evidências como parte da “coleta de dados”. Nenhuma justificativa oficial para a busca foi emitida, mas acredita-se que a ação tenha a ver com uma investigação, mantida há mais de um ano pelas autoridades locais, de possíveis práticas “injustas” de negócios entre a Apple e algumas fornecedoras e operadoras sul-coreanas.

Analisando os fatos superficialmente, talvez fosse fácil assumir que essa seria apenas uma investigação de rotina. Entretanto, alguns fatos vêm nos lembrar de que muito possivelmente o buraco é mais embaixo: em primeiro lugar, é bom notar que o lançamento do iPhone X na Coreia do Sul, marcado para amanhã, teve seu período de pré-venda marcado pela altíssima procura — ou seja, ao que tudo indica, o mais novo aparelho da Apple (e principal concorrente dos dispositivos das locais Samsung e LG) será um sucesso retumbante no país.

Publicidade

Há de notar-se, também, que as relações do notoriamente protecionista governo sul-coreano com as grandes corporações do país são muitas vezes vistas como, digamos, um pouco mais próximas do que se gostaria. Em dezembro passado, a então presidente do país, Park Geun-hye, sofreu impeachment após ser condenada por aceitar subornos de empresas nacionais; posteriormente, há alguns meses, um dos principais chefões da Samsung, Lee Jae-yong, foi condenado a cinco anos de cadeia por corrupção, incluindo pagamentos de suborno, desfalques e perjúrio.

Obviamente, seria leviano acusar de cara a Samsung (ou qualquer outra empresa sul-coreana) de estar influenciando o governo local a agir com truculência para cima da Apple com o objetivo de prejudicar as operações da empresa no país. Entretanto, considerando o histórico das relações entre a esfera pública e privada por lá, talvez seja bom para Tim Cook e sua turma dormirem com um dos olhos abertos.

Veremos como essa história há de se desenrolar…

via Cult of Mac

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
App Duplicate para macOS

Turbine o copiar/colar do Finder com o aplicativo Duplicate

Próximo Artigo
Apple e dinheiro

Nova conselheira geral da Apple, Katherine Adams chega com bônus de milhões em ações; Warren Buffett investe (ainda) mais na Maçã

Posts Relacionados