Susan Kare, a mulher que deu um sorriso ao Macintosh, é homenageada com medalha da AIGA

Com uma carreira que já dura mais de três décadas, Susan Kare é uma designer que desenvolveu, ao longo dos anos, uma das iconografias para computadores mais marcantes no mundo. Por meio da intuitividade, criou ícones caprichosos e fez com que as interfaces gráficas se tornassem mais acessíveis para o público geral, dando início a uma nova era da arte dos pixels.

Publicidade

No começo da década de 1980, Kare — até então artista e aspirante do mundo tecnológico — começou na Apple com um objetivo: tornar a experiência com o Macintosh mais fácil para os usuários. Nessa época, criou uma das imagens mais reconhecidas pelos usuários Mac até hoje: (o símbolo da tecla Command).

Logo da Apple desenhado em pixels

Desde então, tem desenvolvido um trabalho responsável por criar tipografias e elementos gráficos importantes para o uso de computadores ao redor do mundo — o ícone da bomba (que indicava uma falha no sistema), do pincel e do “Clarus”,o cachorro-vaca (um ícone que visualmente parecia ambíguo aos dois animais), etc.

Publicidade

Aos 64 anos, Kare é hoje CEO de uma empresa de design que leva o seu nome e trabalha como diretora de criação da empresa americana Pinterest. Além disso, suas produções incorporaram exposições do Museu Nacional da História Americana, do Museu de Arte Moderna, do Museu de Arte Moderna de San Francisco e o Museu de História e Ciência do Novo México. Entre as mais de 50 (grandes) empresas com quem trabalhou, alguns de seus clientes incluem Microsoft, Intel, IBM, Motorola e Sony Pictures.

A artista recebeu, na semana passada (sexta-feira, dia 20 de abril), uma medalha em homenagem ao seu trabalho concedida pelo Instituto Americano de Artes Gráficas (American Institute of Graphic Arts, o AIGA), que reconheceu suas contribuições não apenas para usuários do mundo inteiro, mas para grandes empresas que perpetuam suas produções.

Eles prepararam um vídeo bacana sobre a carreira de Kare:

Publicidade

Aos interessados, há também um texto especial sobre ela (em inglês).

via The New Yorker

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…