O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Dominic Bugatto | The New York Times
Tim Cook diplomata

Chamado de “diplomata”, Tim Cook se coloca no meio da disputa comercial entre EUA e China

Recentemente, as relações comerciais entre os Estados Unidos e a China têm se desenrolado numa montanha-russa de acontecimentos, arrastando diversos países e companhias — como a Apple — para dentro desse funil.

Publicidade

Inicialmente, o governo americano anunciou um programa de combate aos produtos “feitos na China” (“Made in China”) dentro dos EUA; por conseguinte, em março passado, o governo Trump impôs tarifas de 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio, atingindo diversos países — incluindo, é claro, a China.

Além dela, o Brasil também foi alvo da medida, porém foi retirado temporariamente da lista juntamente aos países da União Europeia, o México e o Canadá. Desde então, as medidas focaram no governo e na indústria chinesa. A retaliação do país oriental veio logo depois com a ameaça de cobrar taxas sobre diversos produtos americanos.

Nesse ínterim, a Apple — empresa americana com maior expressividade dentro da China — tenta apaziguar os ânimos e controlar as discussões entre as duas potências mundiais. Durante visita à Casa Branca em maio passado, Tim Cook alertou Donald Trump que uma possível guerra comercial com a China poderia ameaçar a posição da gigante de Cupertino no território chinês, conforme relatou o jornal The New York Times.

Publicidade

Ainda de acordo com o jornal, durante uma cúpula em Pequim, em março passado, o CEO da Maçã pediu que “cabeças mais calmas” prevalecessem entre os dois países mais poderosos do mundo. As tentativas de esfriar a relação agitada entre os dois países fez com que o New York Times apelidasse Cook de “diplomata da indústria de tecnologia”.

Não obstante, a preocupação de Cook é extremamente válida. A Apple possui 41 lojas físicas no território chinês, vendendo milhões de iPhones e outros dispositivos no país — no primeiro trimestre do ano, a expressividade da Maçã cresceu 22% no mercado chinês. Ademais, várias empresas chinesas constituem a cadeia de fornecedores da Apple e perder qualquer uma dessas parcerias poderia ser desastroso para a companhia.

Mesmo que o governo de Trump já tenha informado que não irá impor tarifas em iPhones montados na China, a Apple se preocupa com “a máquina burocrática chinesa” e possíveis retaliações. Entre elas, o governo chinês poderia causar atrasos na sua cadeia de fornecedores e retardar a produção/venda dos dispositivos na China alegando “preocupação com a segurança nacional”.

Publicidade

Além das várias visitas e participações de Cook em eventos na China, a Apple já investiu e trabalha em outros sentidos para provar que a presença da companhia por lá é importante. No início do ano passado, a Apple construiu dois centros de pesquisa e desenvolvimento, investindo mais de R$1,57 bilhão e empregando milhares de chineses.

Também no ano passado, a Apple anunciou a construção do primeiro data center na província de Guizhou, que deverá ficar pronto em 2020. Além disso, a Reuters informou que a companhia já estaria planejando um segundo local para gerenciar seus serviços online na China, dessa vez na cidade de Ulanqab.

via 9to5Mac

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Leo Varadkar e Tim Cook

Tim Cook viaja à Irlanda para inaugurar a expansão do campus em Hollyhill

Próximo Artigo
Betas do iOS 12, do macOS 10.14 Mojave, do watchOS 5 e do tvOS 12

Segundas versões beta do iOS 12, do macOS Mojave 10.14 e do tvOS 12 estão disponíveis [atualizado: watchOS 5]

Posts Relacionados