O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Chip da Intel

Intel adia (de novo!) lançamento da nova geração de processadores “Cannon Lake”

A Intel não está exatamente nos melhores dos lençóis — a empresa envolveu-se numa polêmica homérica recentemente com as falhas de segurança Spectre e Meltdown, e parece enfrentar problemas no desenvolvimento de seu principal produto, os processadores Intel Core. Esta notícia de hoje aprofunda um pouco mais a maré não muito boa.

Publicidade

Durante a conferência de resultados financeiros relativos ao terceiro trimestre fiscal de 2018, a gigante dos microchips anunciou mais um adiamento na previsão de lançamento da sua nova geração de processadores, batizada de “Cannon Lake” — a primeira da fabricante a ser baseada numa arquitetura de 10 nanômetros.

Agora, a previsão é de que os primeiros processadores da nova geração cheguem a computadores somente “na época de férias” de 2019, ou seja, novembro/dezembro do ano que vem — o que representa um atraso de mais de três anos em relação ao anúncio original. Aos que não estão bem lembrados, a Intel prometeu os chips “Cannon Lake” primeiramente para o fim de 2016, adiando-os posteriormente para 2018 e, em seguida, para o início de 2019.

Agora, ao menos mais um ano nos separa dos famigerados componentes. É bom notar que, na prática, alguns modelos de processadores “Cannon Lake” (como o Core i3-8121U) já chegaram ao mercado, mas seu ritmo de produção é tão pequeno que ele não pôde ser adotado por nenhuma fabricante de alta produção.

Publicidade

Para a Apple, toda essa situação pode ser um fator de peso na decisão que virará a chave e fará a empresa abandonar os processadores da Intel e adotar chips ARM próprios nos Macs — uma movimentação que ainda está na fase dos rumores mas, cá entre nós, é apenas uma questão de tempo para acontecer.

Uma das principais vantagens da geração “Cannon Lake” é o suporte a RAM do tipo LPDDR4, que pode vir com até 32GB de capacidade. As gerações anteriores suportam no máximo 16GB, o que criou uma situação desconfortável para a Apple — que, por muito mais tempo que a concorrência, não pôde oferecer MacBooks Pro com mais de 16GB de RAM, o que seria uma quantidade considerada mínima para profissionais.

A Maçã acabou resolvendo o problema “na tora” na geração mais recente do computador, adotando memórias “tradicionais” do tipo DDR4 em vez das LPDDR (o “LP” de LPDDR refere-se a Low Power, ou baixa energia, e os pentes de RAM DDR têm um gasto energético maior). Foi a única solução encontrada para oferecer 32GB de RAM aos consumidores — e tudo isso por culpa da Intel, o que pode evidenciar mais um fator de desconforto na relação entre as duas empresas.

Publicidade

Vamos acompanhar os próximos passos dessa novela…

via AppleInsider

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Martelo de justiça e bandeira da Alemanha

Siri, iPhones e HomePod são citados em novos processos sofridos pela Apple

Próximo Artigo
Alfre Woodard

Apple produzirá adaptação do filme "Bandidos do Tempo" e traz mais nomes de peso a séries

Posts Relacionados