O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Tim Cook, CEO da Apple, na keynote da WWDC 2016

Tim Cook afirma que Apple não está no mercado de streaming pelo dinheiro

É indubitável, o papel dos serviços de streaming de músicas no mercado fonográfico. Eles crescem a uma velocidade surpreendente e, para analisar esse mercado e compreender o papel da maior empresa nesse ramo (o Spotify), a Fast Company divulgou uma longa reportagem sobre o crescimento do serviço sueco — e de outro gigante desse segmento bilionário, o Apple Music.

Publicidade

Em uma conversa regada de elogios e sobre a importância da música na vida de cada um, Tim Cook contou ao veículo que ele não consegue finalizar um treino ou exercício sem música. Cook disse também que olha para a música como inspiração/motivação e que essa é uma filosofia compartilhada na Apple para “orientar seu foco na curadoria de música baseada em humanos”. Nesse sentido, o CEO da Apple revelou que se preocupa com o mercado de streaming de músicas perdendo o toque humano, numa clara crítica à forma algorítmica de seleção e divulgação de músicas do Spotify.

Nós nos preocupamos com a humanidade sendo drenada da música, sobre ela se tornar um tipo de mundo de bits e bytes em vez de arte e construção.

Apesar da relativa pouca idade do Apple Music, lançado há três anos, o serviço da Maçã já conta com mais de 50 milhões de assinantes (incluindo os que estão no período de testes de três meses). No mês passado, o Apple Music quase alcançou o seu rival sueco em assinantes pagos nos EUA — o que deverá ocorrer em breve, dado o crescimento vertiginoso do serviço no país. De uma certa forma, a Apple sempre teve uma vantagem em relação ao Spotify, considerando os 1,3 bilhão de dispositivos da Maçã ativados em todo mundo. E, por isso, de acordo com Cook, a Apple nunca precisou se preocupar com lucratividade como o Spotify, já que a companhia “não está nisso pelo dinheiro”.

Após a presunçosa fala de Cook, o CEO da gigante sueca, Daniel Ek, defendeu a posição da sua empresa ao afirmar que o foco do Spotify é apenas a música e que todos os esforços são voltados para melhorar o serviço. Tal dedicação, segundo Ek, é o que ajudará a empresa a superar a Apple e expandir o serviço ainda mais no futuro.

Publicidade

Música é tudo o que fazemos o dia todo, a noite toda, e essa clareza é a diferença entre [o serviço] médio e aquele muito, muito bom.

Ek contou ainda para a Fast Company que competir com a Apple sempre foi um plano do Spotify, mesmo antes do Apple Music. Durante dez anos, a Maçã dominou a indústria fonográfica digital com o iTunes e substituir o iPod com um serviço de músicas sob demanda era o objetivo dele, na época.

O artigo se extende em comentários e planos do Spotify para crescer ainda mais, após ter aberto o capital pela primeira vez em abril passado. Confira a reportagem completa, em inglês, na página da Fast Company.

via MacRumors

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Privacidade - Apple (lupa)

Em carta ao congresso, Apple reafirma seu compromisso com a privacidade dos usuários

Próximo Artigo
Instapaper

Instapaper retoma atividades na Europa e relança serviço premium

Posts Relacionados